Estudantes cearenses criam equipamento que religa eletricidade após queda de energia


Estudantes cearenses criam equipamento que religa eletricidade após queda de energia

O equipamento religa a energia, sem ser necessária a presença de equipes da companhia energética

Por Roberta Tavares em Tecnologia

7 de novembro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Religador é destinado a companhias de energia (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador é destinado a companhias de energia (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Não há nada mais incômodo do que você estar em casa e, de repente, ser surpreendido por uma queda de energia. Ter equipamentos eletrônicos danificados, acordar no meio da noite devido ao calor ou até mesmo perder alimentos na geladeira ou aquele arquivo cujo download estava próximo a ser finalizado.

Pensando nisso, um grupo de estudantes do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) criou um equipamento que realiza o monitoramento da rede elétrica e atua na correção de eventuais falhas em caso de queda de energia. Trata-se do religador de baixa tensão.

A iniciativa dos alunos do campus de Fortaleza do IFCE surgiu em 2011, sob a coordenação dos professores da instituição, André Luiz Araújo e Antônio Themoteo Varela. Professores, bolsistas e ex-alunos da unidade de ensino se uniram para criar o equipamento, que é instalado junto a um transformador de distribuição, garantindo retorno imediato da rede elétrica em caso de falhas transitórias. Isso significa que, em falhas de energia, o religador restaura rapidamente o fornecimento; sendo desnecessário, portanto, acionar equipes de manutenção das concessionárias e ainda passar horas e horas ‘sem luz’ em casa.

Religador pesa cerca de 14 kg (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Equipamento pesa cerca de 14 kg (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de baixa tensão. Ele possui um conjunto de sensores que realizam o monitoramento da rede elétrica na procura de falhas transitórias, ou seja, oscilações na energia. Essas oscilações podem causar falhas na rede elétrica e gerar consequências negativas, como prejuízos para o comércio, queima de eletrodomésticos e até de transformadores. “O religador combate falhas temporárias. A função dele é realizar o religamento automático, sem a necessidade de que os moradores daquela região esperem horas e horas pelo eletricista”, explica o engenheiro Rogério Diógenes, ex-aluno do IFCE.

Além de manter o sistema protegido contra curtos e sobrecargas, o religador de baixa tensão melhora os indicadores de DEC/FEC, a taxa de avarias de transformadores e o tempo médio de atendimento. Também é possível analisar o desbalanceamento de fases, fazer a medição da corrente, da tensão e da energia, e configurar a proteção de sobrecargas de acordo com a corrente. “Tudo pode ser feito operando remotamente a partir do centro de operações de distribuição da companhia energética”, acrescenta Rogério.

Destinado a companhias de energias

O equipamento já é utilizado pelas Concessionárias de Energia Elétrica dos estados do Pará e Maranhão. Instalado diretamente nos postes de energia urbana ou rural, o religador pesa cerca de 14 kg e se comunica com a central de operações através de rede GPRS.

O professor do IFCE André Araújo considera o religador um equipamento inovador, e explica que o público-alvo são as companhias de eletricidade. “É mais voltado às companhias. O valor, a gente prefere não revelar. Estamos fazendo estudo de mercado para ver a possibilidade de instalá-lo no Ceará”, finaliza.

Religador de baixa tensão
1/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador de baixa tensão
2/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador de baixa tensão
3/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Publicidade

Dê sua opinião

Estudantes cearenses criam equipamento que religa eletricidade após queda de energia

O equipamento religa a energia, sem ser necessária a presença de equipes da companhia energética

Por Roberta Tavares em Tecnologia

7 de novembro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Religador é destinado a companhias de energia (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador é destinado a companhias de energia (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Não há nada mais incômodo do que você estar em casa e, de repente, ser surpreendido por uma queda de energia. Ter equipamentos eletrônicos danificados, acordar no meio da noite devido ao calor ou até mesmo perder alimentos na geladeira ou aquele arquivo cujo download estava próximo a ser finalizado.

Pensando nisso, um grupo de estudantes do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) criou um equipamento que realiza o monitoramento da rede elétrica e atua na correção de eventuais falhas em caso de queda de energia. Trata-se do religador de baixa tensão.

A iniciativa dos alunos do campus de Fortaleza do IFCE surgiu em 2011, sob a coordenação dos professores da instituição, André Luiz Araújo e Antônio Themoteo Varela. Professores, bolsistas e ex-alunos da unidade de ensino se uniram para criar o equipamento, que é instalado junto a um transformador de distribuição, garantindo retorno imediato da rede elétrica em caso de falhas transitórias. Isso significa que, em falhas de energia, o religador restaura rapidamente o fornecimento; sendo desnecessário, portanto, acionar equipes de manutenção das concessionárias e ainda passar horas e horas ‘sem luz’ em casa.

Religador pesa cerca de 14 kg (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Equipamento pesa cerca de 14 kg (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de baixa tensão. Ele possui um conjunto de sensores que realizam o monitoramento da rede elétrica na procura de falhas transitórias, ou seja, oscilações na energia. Essas oscilações podem causar falhas na rede elétrica e gerar consequências negativas, como prejuízos para o comércio, queima de eletrodomésticos e até de transformadores. “O religador combate falhas temporárias. A função dele é realizar o religamento automático, sem a necessidade de que os moradores daquela região esperem horas e horas pelo eletricista”, explica o engenheiro Rogério Diógenes, ex-aluno do IFCE.

Além de manter o sistema protegido contra curtos e sobrecargas, o religador de baixa tensão melhora os indicadores de DEC/FEC, a taxa de avarias de transformadores e o tempo médio de atendimento. Também é possível analisar o desbalanceamento de fases, fazer a medição da corrente, da tensão e da energia, e configurar a proteção de sobrecargas de acordo com a corrente. “Tudo pode ser feito operando remotamente a partir do centro de operações de distribuição da companhia energética”, acrescenta Rogério.

Destinado a companhias de energias

O equipamento já é utilizado pelas Concessionárias de Energia Elétrica dos estados do Pará e Maranhão. Instalado diretamente nos postes de energia urbana ou rural, o religador pesa cerca de 14 kg e se comunica com a central de operações através de rede GPRS.

O professor do IFCE André Araújo considera o religador um equipamento inovador, e explica que o público-alvo são as companhias de eletricidade. “É mais voltado às companhias. O valor, a gente prefere não revelar. Estamos fazendo estudo de mercado para ver a possibilidade de instalá-lo no Ceará”, finaliza.

Religador de baixa tensão
1/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador de baixa tensão
2/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)

Religador de baixa tensão
3/3

Religador de baixa tensão

O equipamento atua prevenindo e detectando falhas na rede elétrica de uma cidade (FOTO: Arquivo pessoal/Rogério Diógenes)