Escola de Fortaleza adquire impressora 3D para uso em aulas de Robótica


Escola de Fortaleza adquire impressora 3D para uso em aulas de Robótica

Precisa de uma case nova para o celular? Isso é possível com a impressora 3D, capaz de materializar objetos projetados em 3 dimensões através do computador

Por Rosana Romão em Tecnologia

6 de outubro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Antes de imprimir objeto é necessário criar o projeto em desenho tridimensional. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Antes de imprimir objeto é necessário criar o projeto em desenho tridimensional. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Imagine dar vida ao personagem preferido de seu filho. Ou criar um novo chaveiro personalizado. Precisa de uma case nova para o celular? Tudo isso é possível com a impressora 3D, capaz de materializar objetos projetados em 3 dimensões através do computador. Em Fortaleza, uma escola adquiriu a máquina e a utiliza em seu laboratório de robótica.

Antes de utilizar a impressora é necessário criar um desenho virtual, em 3 dimensões, e enviar o arquivo para ser impresso. Tão fácil como imprimir uma foto, porém mais demorado. Para imprimir um chaveiro de 3 centímetros de altura por exemplo, são necessárias 2 horas.

Ao invés de utilizar papel e tinta, a impressora 3D usa um desenho tridimensional e materiais que podem ir desde o plástico, mais comum no uso doméstico, até resinas e metais. O processo é demorado, pois o material é derretido e aplicado por bicos de extrusão, criando várias camadas até formar o objeto tridimensional. Para compreender melhor, é como se um bolo fosse montado através de várias camadas, criando pedaço por pedaço, até ficar completo. Confira o vídeo:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15221590″]

Ensino com impressora 3D

Introduzida a partir da 4ª série do ensino fundamental, a disciplina de Robótica faz sucesso no Christus, uma escola particular de Fortaleza. A recente aquisição de uma impressora 3D chamou a atenção dos alunos. Eles foram convidados para ir até o laboratório de robótica e ficaram surpresos quando viram a impressora. “A vibração foi danada, todo mundo queria mexer ao mesmo tempo, saber como era que funcionava, o que dava pra imprimir”, relembra o professor Celso Medeiros.

Quando o Christus se interessou em adquirir a impressora, a máquina era vendida apenas no exterior e custava 25 mil dólares. Depois começou a ser vendida no Rio Grande do Sul, pelo valor de R$ 10 mil. O colégio esperou o preço baixar mais e comprou a máquina por R$ 5.400. Cada quilo de plástico custa R$ 200, capaz de produzir até 100 peças pequenas, do tamanho de um chaveiro. Como os projetos de robótica necessitam de pequenas engrenagens, caso uma peça se quebre ou se perca, a impressora pode fazer outra igual.

Os alunos que evoluem para os níveis 4 e 5 são orientados a participarem da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). É o caso de Marcus Vinícius, aluno do 9º ano que encontrou na Robótica um caminho para o seu futuro. Além de ter alcançado o segundo lugar estadual na OBR em agosto, recebeu a medalha de inovação da Olimpíada pelo protótipo Arduíno. “O legal de estudar robótica e participar das Olimpíadas é a troca de conhecimentos. Além da gente (estudantes), tinham formandos, pessoas com mestrado e até PhD”, destaca.

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
1/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Para utilizar a impressora é necessário criar um desenho virtual, em 3 dimensões, e enviar o arquivo para ser impresso. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
2/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Objetos com 3 centímetro de altura demoram cerca de 2h para serem materializados. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
3/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Impressora 3D foi adquirida para ser utilizada em aulas de robótica. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
4/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Professor Celso Medeiros leciona há 30 anos e considera a tecnologia fundamental para o aprendizado dos alunos. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
5/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Impressora 3D foi adquirida para ser utilizada em aulas de robótica. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
6/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Disciplina de robótica é ensinada desde a quarta série do ensino fundamental. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Números

Três equipes do Colégio Christus venceram a etapa estadual da OBR e foram classificadas para disputar a etapa final em São Paulo. Em 2013, a escola conquistou o 3ª lugar na fase nacional e em 2008 foram campeões, representando o Brasil no mundial, que aconteceu na Turquia. “Acredito que esse ano temos boas chances para conseguir o primeiro lugar”, projeta o professor Celso Medeiros.

Publicidade

Dê sua opinião

Escola de Fortaleza adquire impressora 3D para uso em aulas de Robótica

Precisa de uma case nova para o celular? Isso é possível com a impressora 3D, capaz de materializar objetos projetados em 3 dimensões através do computador

Por Rosana Romão em Tecnologia

6 de outubro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Antes de imprimir objeto é necessário criar o projeto em desenho tridimensional. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Antes de imprimir objeto é necessário criar o projeto em desenho tridimensional. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Imagine dar vida ao personagem preferido de seu filho. Ou criar um novo chaveiro personalizado. Precisa de uma case nova para o celular? Tudo isso é possível com a impressora 3D, capaz de materializar objetos projetados em 3 dimensões através do computador. Em Fortaleza, uma escola adquiriu a máquina e a utiliza em seu laboratório de robótica.

Antes de utilizar a impressora é necessário criar um desenho virtual, em 3 dimensões, e enviar o arquivo para ser impresso. Tão fácil como imprimir uma foto, porém mais demorado. Para imprimir um chaveiro de 3 centímetros de altura por exemplo, são necessárias 2 horas.

Ao invés de utilizar papel e tinta, a impressora 3D usa um desenho tridimensional e materiais que podem ir desde o plástico, mais comum no uso doméstico, até resinas e metais. O processo é demorado, pois o material é derretido e aplicado por bicos de extrusão, criando várias camadas até formar o objeto tridimensional. Para compreender melhor, é como se um bolo fosse montado através de várias camadas, criando pedaço por pedaço, até ficar completo. Confira o vídeo:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15221590″]

Ensino com impressora 3D

Introduzida a partir da 4ª série do ensino fundamental, a disciplina de Robótica faz sucesso no Christus, uma escola particular de Fortaleza. A recente aquisição de uma impressora 3D chamou a atenção dos alunos. Eles foram convidados para ir até o laboratório de robótica e ficaram surpresos quando viram a impressora. “A vibração foi danada, todo mundo queria mexer ao mesmo tempo, saber como era que funcionava, o que dava pra imprimir”, relembra o professor Celso Medeiros.

Quando o Christus se interessou em adquirir a impressora, a máquina era vendida apenas no exterior e custava 25 mil dólares. Depois começou a ser vendida no Rio Grande do Sul, pelo valor de R$ 10 mil. O colégio esperou o preço baixar mais e comprou a máquina por R$ 5.400. Cada quilo de plástico custa R$ 200, capaz de produzir até 100 peças pequenas, do tamanho de um chaveiro. Como os projetos de robótica necessitam de pequenas engrenagens, caso uma peça se quebre ou se perca, a impressora pode fazer outra igual.

Os alunos que evoluem para os níveis 4 e 5 são orientados a participarem da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). É o caso de Marcus Vinícius, aluno do 9º ano que encontrou na Robótica um caminho para o seu futuro. Além de ter alcançado o segundo lugar estadual na OBR em agosto, recebeu a medalha de inovação da Olimpíada pelo protótipo Arduíno. “O legal de estudar robótica e participar das Olimpíadas é a troca de conhecimentos. Além da gente (estudantes), tinham formandos, pessoas com mestrado e até PhD”, destaca.

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
1/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Para utilizar a impressora é necessário criar um desenho virtual, em 3 dimensões, e enviar o arquivo para ser impresso. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
2/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Objetos com 3 centímetro de altura demoram cerca de 2h para serem materializados. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
3/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Impressora 3D foi adquirida para ser utilizada em aulas de robótica. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
4/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Professor Celso Medeiros leciona há 30 anos e considera a tecnologia fundamental para o aprendizado dos alunos. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
5/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Impressora 3D foi adquirida para ser utilizada em aulas de robótica. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica
6/6

Escola de Fortaleza usa impressora 3D em aulas de Robótica

Disciplina de robótica é ensinada desde a quarta série do ensino fundamental. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Renato Ferreira)

Números

Três equipes do Colégio Christus venceram a etapa estadual da OBR e foram classificadas para disputar a etapa final em São Paulo. Em 2013, a escola conquistou o 3ª lugar na fase nacional e em 2008 foram campeões, representando o Brasil no mundial, que aconteceu na Turquia. “Acredito que esse ano temos boas chances para conseguir o primeiro lugar”, projeta o professor Celso Medeiros.