Cearenses desenvolvem pesquisa inédita sobre 5G


Cearenses desenvolvem pesquisa inédita sobre 5G

Uma das pioneiras nos estudos sobre a quinta geração da telefonia móvel, a Universidade Federal do Ceará (UFC) desenvolve a pesquisa com apoio da Ericsson

Por Hayanne Narlla em Tecnologia

15 de julho de 2014 às 16:53

Há 5 anos
UFC é uma das entidade pioneiras em estudos de tecnologia 5G (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Gonzalo Baeza)

UFC é uma das entidade pioneiras em estudos de tecnologia 5G (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Gonzalo Baeza)

A tecnologia 4G ainda nem se consolidou no mercado brasileiro e uma turma de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) já está envolvida em um projeto inédito: a quinta geração da telefonia móvel, conhecida como 5G.

Em parceria com a Ericsson, o Grupo de Pesquisa em Telecomunicações Sem Fio (GTEL) da UFC estudará o assunto pelos próximos dois anos, garantindo o espaço do Ceará no pontapé das pesquisas.

“5G ainda está muito embrionário. Esse novo projeto é justamente para definir algumas características de um futuro sistema 5G. O maior desafio é permitir novas formas de comunicações sem fio celulares, como por exemplo a chamada internet das coisas e a comunicação direta entre máquinas através da rede celular”, explicou Rodrigo Cavalcanti, professor que está a frente do projeto.

Internet das coisas

O conceito de internet das coisas, citado por Rodrigo, prevê que tudo deve ser conectado à internet, desde eletrodomésticos, como um fogão, a automóveis. Essa é principal motivação para o início dos estudos, já que a demanda de pessoas e, principalmente, de máquinas necessitando de acesso à rede aumentou nos últimos anos.

Sobre a popularização do serviço na sociedade cearense – que ainda utiliza, em maioria, o 3G –, Rodrigo considerou que é importante pensar nos avanços tecnológicos de qualquer modo. “Cada vez que uma geração se consolida tecnologicamente falando (mesmo que ainda não esteja consolidada em termos de mercado e número de usuários), como é o caso da 4G, temos que pensar a próxima geração pois o avanço tecnológico é constante e a demanda por novos serviços de comunicações móveis não para”.

Sem massificação

A utilização da internet 4G no Ceará progride de maneira lenta. De janeiro a maio deste ano, foram 226.194 acessos ao todo. Durante o mesmo período, o Brasil registrou 10.789.477 acessos, ou seja, quase 500 vezes mais que o estado cearense.

A tecnologia chegou ao estado, de fato, em abril de 2013. De lá para cá, o número cresceu bastante. Para se ter noção, em maio do ano passado, após a estreia do 4G, foram apenas 1.536 acessos. No mesmo mês deste ano, o número passou para 60.627. O levantamento foi realizado pelo Tribuna do Ceará, com base nos dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Parceria

A parceria entre a Ericsson e a UFC já existe desde o ano 2000, com diversos projetos sobre tecnologias 3G e 4G e, agora, o 5G. O time é formado por 30 pesquisadores, entre professores e alunos de graduação e pós-graduação, além de consultores e técnicos de apoio laboratorial.

A parceria se dá sobre temas na área de tecnologia móvel celular que seja ao mesmo tempo desafiador cientificamente e que tenha relevância para a indústria. A partir da escolha do tema, como o 5G, são alinhadas monografias e teses de alunos para que se foquem nos temas.

A Ericsson ainda financia bolsas de pesquisa e tem a prioridade de ter acesso aos resultados das pesquisas antes que os mesmos sejam publicados em revistas técnicas e apresentadas em congressos acadêmicos. A empresa também investe em infraestrutura laboratorial no Campus do Pici, permitindo à UFC ter laboratórios de padrão internacional.

Publicidade

Dê sua opinião

Cearenses desenvolvem pesquisa inédita sobre 5G

Uma das pioneiras nos estudos sobre a quinta geração da telefonia móvel, a Universidade Federal do Ceará (UFC) desenvolve a pesquisa com apoio da Ericsson

Por Hayanne Narlla em Tecnologia

15 de julho de 2014 às 16:53

Há 5 anos
UFC é uma das entidade pioneiras em estudos de tecnologia 5G (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Gonzalo Baeza)

UFC é uma das entidade pioneiras em estudos de tecnologia 5G (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Gonzalo Baeza)

A tecnologia 4G ainda nem se consolidou no mercado brasileiro e uma turma de pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) já está envolvida em um projeto inédito: a quinta geração da telefonia móvel, conhecida como 5G.

Em parceria com a Ericsson, o Grupo de Pesquisa em Telecomunicações Sem Fio (GTEL) da UFC estudará o assunto pelos próximos dois anos, garantindo o espaço do Ceará no pontapé das pesquisas.

“5G ainda está muito embrionário. Esse novo projeto é justamente para definir algumas características de um futuro sistema 5G. O maior desafio é permitir novas formas de comunicações sem fio celulares, como por exemplo a chamada internet das coisas e a comunicação direta entre máquinas através da rede celular”, explicou Rodrigo Cavalcanti, professor que está a frente do projeto.

Internet das coisas

O conceito de internet das coisas, citado por Rodrigo, prevê que tudo deve ser conectado à internet, desde eletrodomésticos, como um fogão, a automóveis. Essa é principal motivação para o início dos estudos, já que a demanda de pessoas e, principalmente, de máquinas necessitando de acesso à rede aumentou nos últimos anos.

Sobre a popularização do serviço na sociedade cearense – que ainda utiliza, em maioria, o 3G –, Rodrigo considerou que é importante pensar nos avanços tecnológicos de qualquer modo. “Cada vez que uma geração se consolida tecnologicamente falando (mesmo que ainda não esteja consolidada em termos de mercado e número de usuários), como é o caso da 4G, temos que pensar a próxima geração pois o avanço tecnológico é constante e a demanda por novos serviços de comunicações móveis não para”.

Sem massificação

A utilização da internet 4G no Ceará progride de maneira lenta. De janeiro a maio deste ano, foram 226.194 acessos ao todo. Durante o mesmo período, o Brasil registrou 10.789.477 acessos, ou seja, quase 500 vezes mais que o estado cearense.

A tecnologia chegou ao estado, de fato, em abril de 2013. De lá para cá, o número cresceu bastante. Para se ter noção, em maio do ano passado, após a estreia do 4G, foram apenas 1.536 acessos. No mesmo mês deste ano, o número passou para 60.627. O levantamento foi realizado pelo Tribuna do Ceará, com base nos dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Parceria

A parceria entre a Ericsson e a UFC já existe desde o ano 2000, com diversos projetos sobre tecnologias 3G e 4G e, agora, o 5G. O time é formado por 30 pesquisadores, entre professores e alunos de graduação e pós-graduação, além de consultores e técnicos de apoio laboratorial.

A parceria se dá sobre temas na área de tecnologia móvel celular que seja ao mesmo tempo desafiador cientificamente e que tenha relevância para a indústria. A partir da escolha do tema, como o 5G, são alinhadas monografias e teses de alunos para que se foquem nos temas.

A Ericsson ainda financia bolsas de pesquisa e tem a prioridade de ter acesso aos resultados das pesquisas antes que os mesmos sejam publicados em revistas técnicas e apresentadas em congressos acadêmicos. A empresa também investe em infraestrutura laboratorial no Campus do Pici, permitindo à UFC ter laboratórios de padrão internacional.