Cearense vence campeonato de hackers e ganha viagem ao Vale do Silício


Cearense vence campeonato de hackers e ganha viagem ao Vale do Silício

Saulo Hachem, de 24 anos, de Fortaleza, venceu competição organizada pela líder global de cyber segurança, que cria sistemas anti-hackers

Por Thamiris Treigher em Tecnologia

1 de dezembro de 2015 às 06:00

Há 4 anos
Saulo Hachem sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes (Foto: Divulgação)

Saulo Hachem sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes (Foto: Divulgação)

O Campeonato Nacional de Cyber Segurança da Symantec reúne 15 jovens de dez cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba, Vitória, Porto Alegre e Recife), simulando um computador no formato “Capture The Flag”. Os participantes, jovens estudantes e profissionais de Ciências da Computação, têm que invadir um sistema computacional supostamente protegido para obter dados e conquistar pontos.

Saulo Hachem, 24 anos, de Fortaleza, depois de cerca de quatro horas de competição, sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes e ganhou uma viagem para conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício, nos Estados Unidos.

Saulo, o vencedor

Para Saulo, participar do Hack A Flag é uma experiência que recomenda a todos os interessados na área. “Eu diria que ganhar a competição é apenas um detalhe. As pessoas que conhecemos, os novos amigos de toda parte do Brasil e toda a troca de experiências é o que faz a competição valer a pena”, conta.

O campeão lida com computadores desde criança. “No começo era apenas para jogar, mas acabei me interessando cada vez mais, entrando em maratonas de programação ainda no colégio pelo incentivo de um grande amigo”. Saulo entrou na faculdade de Ciência da Computação e hoje trabalha como analista de segurança.

O grande vencedor do campeonato já tinha participado da competição em 2014, na primeira vez que veio para Fortaleza. “Aqui ganhei a edição regional e fui para a final em São Paulo, mas acabei em 6º colocado. Em 2015 resolvi tentar novamente e me classifiquei de novo para a final, e dessa vez dei um pouco de sorte e consegui ficar em 1º”, diz Saulo.

Saulo fez grandes amizades em 2014 e em 2015, com pessoas que a princípio eram concorrentes. Ele acredita que muito treino e um pouco de estratégia foram essenciais para sua vitória. “No Hack A Flag, cada questão possui de 1 a 3 dicas, mas cada dica que você pede são descontados pontos do total da questão. Em 2014, não utilizei as dicas, e me esforcei ao máximo para ganhar os pontos totais das questões. Depois entendi que pedir as dicas poderia ser bom, pois mesmo ganhando menos pontos, você consegue progredir no jogo, e lá na frente você se depara com questões que você sabe resolver sem as dicas e acaba compensando os pontos perdidos lá atrás”, explica Saulo.

Para quem está interessado em começar a praticar, Saulo recomenda o shellterlabs.com, site que ele desenvolveu com o objetivo de facilitar o acesso a questões desse tipo de competições.

O fortalezense acredita que a experiência de conhecer a sede da Symantec será indescritível. “Acho que todo mundo que é fã de tecnologia tem esse sonho de visitar o Vale do Silício. Sem dúvidas fazer essa visitar a sede da Symantec e conhecer seus centros de operações vai ser mais um sonho que vai ser riscado da lista”, afirma.

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
1/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
2/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
3/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

O campeonato

O vencedor de cada cidade participa da final do maior campeonato de Hackers do Bem da Symantec, que ocorre em São Paulo. O ganhador ganha uma viagem para conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício, nos Estados Unidos, além de conhecer a Rede Global de Inteligência e Detecção de Ameaças Online da companhia.

Tudo é feito com o objetivo de identificar novos talentos da área. O Programa Nacional de Cyber Segurança da Symantec, composto por diversas iniciativas locais relacionadas à segurança e proteção das informações e dados compartilhados na internet, visa fomentar e conscientizar a população sobre os principais perigos e ameaças online.

Segurança na internet

Em 2014, de acordo com o Norton Report, mais de 22 milhões de brasileiros sofreram algum tipo de experiência online negativa. A pesquisa War-Driving (Pesquisa Nacional da Qualidade das Redes Sem Fio) traz um panorama das redes Wi-Fi brasileiras e aponta a sua classificação de segurança.  Esta atividade tem por finalidade testar a qualidade da segurança das redes sem fio e alertar os usuários sobre as melhores práticas de proteção ao utilizar esta tecnologia.

Descrição da pesquisa:

– Em média, 2.500 redes Wi-Fi são rastreadas e monitorados em cada uma das cidades.

– A classificação das redes são divididas em 3 categorias de segurança: recomendada, razoável e baixa e/ou inexistente.

– A pesquisa é realizada pelos engenheiros de sistema e especialistas em segurança da Symantec, com duração de junho a dezembro de 2014.

Sobre a Symantec

A Symantec, fundada em 1982 por Peter Norton, é uma empresa líder global no fornecimento de soluções de segurança da informação. Suas atividades se concentram em segurança da internet e em redes para usuários domésticos e corporações, suas soluções são baseadas em software e aplicativos, com proteção de antivírus, análise de vulnerabilidades, detenção de intrusos, filtragem de conteúdo e de e-mail.

A missão da Symantec é tornar o mundo um lugar mais seguro, proporcionando visibilidade incomparável a clientes e parceiros e adotando uma abordagem holística à segurança. Com tecnologias líderes, o Global Intelligence Network (GIN) e especialistas em ameaças cibernéticas, ajudam a criar soluções de segurança personalizadas no local, na nuvem e em todo lugar onde os dados circulam.

Publicidade

Dê sua opinião

Cearense vence campeonato de hackers e ganha viagem ao Vale do Silício

Saulo Hachem, de 24 anos, de Fortaleza, venceu competição organizada pela líder global de cyber segurança, que cria sistemas anti-hackers

Por Thamiris Treigher em Tecnologia

1 de dezembro de 2015 às 06:00

Há 4 anos
Saulo Hachem sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes (Foto: Divulgação)

Saulo Hachem sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes (Foto: Divulgação)

O Campeonato Nacional de Cyber Segurança da Symantec reúne 15 jovens de dez cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba, Vitória, Porto Alegre e Recife), simulando um computador no formato “Capture The Flag”. Os participantes, jovens estudantes e profissionais de Ciências da Computação, têm que invadir um sistema computacional supostamente protegido para obter dados e conquistar pontos.

Saulo Hachem, 24 anos, de Fortaleza, depois de cerca de quatro horas de competição, sagrou-se campeão num disputa acirrada com os outros concorrentes e ganhou uma viagem para conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício, nos Estados Unidos.

Saulo, o vencedor

Para Saulo, participar do Hack A Flag é uma experiência que recomenda a todos os interessados na área. “Eu diria que ganhar a competição é apenas um detalhe. As pessoas que conhecemos, os novos amigos de toda parte do Brasil e toda a troca de experiências é o que faz a competição valer a pena”, conta.

O campeão lida com computadores desde criança. “No começo era apenas para jogar, mas acabei me interessando cada vez mais, entrando em maratonas de programação ainda no colégio pelo incentivo de um grande amigo”. Saulo entrou na faculdade de Ciência da Computação e hoje trabalha como analista de segurança.

O grande vencedor do campeonato já tinha participado da competição em 2014, na primeira vez que veio para Fortaleza. “Aqui ganhei a edição regional e fui para a final em São Paulo, mas acabei em 6º colocado. Em 2015 resolvi tentar novamente e me classifiquei de novo para a final, e dessa vez dei um pouco de sorte e consegui ficar em 1º”, diz Saulo.

Saulo fez grandes amizades em 2014 e em 2015, com pessoas que a princípio eram concorrentes. Ele acredita que muito treino e um pouco de estratégia foram essenciais para sua vitória. “No Hack A Flag, cada questão possui de 1 a 3 dicas, mas cada dica que você pede são descontados pontos do total da questão. Em 2014, não utilizei as dicas, e me esforcei ao máximo para ganhar os pontos totais das questões. Depois entendi que pedir as dicas poderia ser bom, pois mesmo ganhando menos pontos, você consegue progredir no jogo, e lá na frente você se depara com questões que você sabe resolver sem as dicas e acaba compensando os pontos perdidos lá atrás”, explica Saulo.

Para quem está interessado em começar a praticar, Saulo recomenda o shellterlabs.com, site que ele desenvolveu com o objetivo de facilitar o acesso a questões desse tipo de competições.

O fortalezense acredita que a experiência de conhecer a sede da Symantec será indescritível. “Acho que todo mundo que é fã de tecnologia tem esse sonho de visitar o Vale do Silício. Sem dúvidas fazer essa visitar a sede da Symantec e conhecer seus centros de operações vai ser mais um sonho que vai ser riscado da lista”, afirma.

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
1/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
2/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício
3/3

Saulo vai conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício

(Foto: Divulgação)

O campeonato

O vencedor de cada cidade participa da final do maior campeonato de Hackers do Bem da Symantec, que ocorre em São Paulo. O ganhador ganha uma viagem para conhecer a sede da Symantec, no Vale do Silício, nos Estados Unidos, além de conhecer a Rede Global de Inteligência e Detecção de Ameaças Online da companhia.

Tudo é feito com o objetivo de identificar novos talentos da área. O Programa Nacional de Cyber Segurança da Symantec, composto por diversas iniciativas locais relacionadas à segurança e proteção das informações e dados compartilhados na internet, visa fomentar e conscientizar a população sobre os principais perigos e ameaças online.

Segurança na internet

Em 2014, de acordo com o Norton Report, mais de 22 milhões de brasileiros sofreram algum tipo de experiência online negativa. A pesquisa War-Driving (Pesquisa Nacional da Qualidade das Redes Sem Fio) traz um panorama das redes Wi-Fi brasileiras e aponta a sua classificação de segurança.  Esta atividade tem por finalidade testar a qualidade da segurança das redes sem fio e alertar os usuários sobre as melhores práticas de proteção ao utilizar esta tecnologia.

Descrição da pesquisa:

– Em média, 2.500 redes Wi-Fi são rastreadas e monitorados em cada uma das cidades.

– A classificação das redes são divididas em 3 categorias de segurança: recomendada, razoável e baixa e/ou inexistente.

– A pesquisa é realizada pelos engenheiros de sistema e especialistas em segurança da Symantec, com duração de junho a dezembro de 2014.

Sobre a Symantec

A Symantec, fundada em 1982 por Peter Norton, é uma empresa líder global no fornecimento de soluções de segurança da informação. Suas atividades se concentram em segurança da internet e em redes para usuários domésticos e corporações, suas soluções são baseadas em software e aplicativos, com proteção de antivírus, análise de vulnerabilidades, detenção de intrusos, filtragem de conteúdo e de e-mail.

A missão da Symantec é tornar o mundo um lugar mais seguro, proporcionando visibilidade incomparável a clientes e parceiros e adotando uma abordagem holística à segurança. Com tecnologias líderes, o Global Intelligence Network (GIN) e especialistas em ameaças cibernéticas, ajudam a criar soluções de segurança personalizadas no local, na nuvem e em todo lugar onde os dados circulam.