Veja os 11 depoimentos mais chocantes do filme sobre a chacina que vitimou 11 jovens em Messejana


Veja os 11 depoimentos mais chocantes do filme sobre a chacina que vitimou 11 jovens em Messejana

O Tribuna do Ceará teve acesso ao filme “Onze – A Maior Chacina da História do Ceará”, e faz um resumo dos relatos de familiares das vítimas

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de março de 2016 às 06:00

Há 3 anos
Filme Onze retrata a violência no bairro Messejana na noite do dia 12 de novembro de 2015 (FOTO: Reprodução)

Filme “Onze” retrata a violência no Bairro Messejana na madrugada do dia 12 de novembro de 2015 (FOTO: Reprodução)

“Onze – A Maior Chacina da História do Ceará”, o filme-documentário sobre a chacina que deixou 11 pessoas mortas em poucas horas nos bairros Messejana, Curió e São Miguel, em Fortaleza, é um duro retrato da violência que atinge jovens da periferia das grandes cidades brasileiras.

Adotando como recurso narrativo as vozes e relatos de familiares e amigos das vítimas da chacina, registrada na madrugada do dia 12 de novembro de 2015, o filme optou por mostrar em linha atemporal o que muitas vezes a própria mídia não conseguiu abordar nos dias seguintes. 

Em um bairro onde grande parte dos moradores são vítimas das desigualdades jurídicas e sociais, familiares demonstram, e deixam transbordar, em forma de lágrimas, o sofrido sentimento de saudade. O documentário, de 26 minutos, foi produzido já a partir do dia seguinte da chacina, pelos coletivos Nigéria, Zóio e Voz e Vez das Comunidades.

O filme destaca que, das 11 vítimas, somente dois tinham mais de 19 anos. Do grupo, somente três tinham passagem pela polícia, por crimes considerados leves, como agressão, ausência de pagamento de pensão alimentícia e envolvimento em acidente de trânsito.

Exibido na Rede Cuca no último sábado (12), mesmo dia em que a chacina completou quatro meses ainda sem conclusão, o Tribuna do Ceará teve acesso ao filme “Onze”. E relata abaixo 11 frases marcantes de personagens que viveram o drama de perto.

Confira:

“Foram mais de duas horas de terror aqui, e não chegou nenhuma viatura da polícia”. (Morador)

“Eu saí de casa para acudir meu filho, mas quando eu cheguei ele já tava morto. Ele deu o último suspiro de vida nos meus braços”. (Pai de Marcelo, uma das vítimas da chacina)

“Eu quero a justiça e limpar o nome do meu filho, que é visto como vagabundo”. (Pai de Marcelo)

“Meu irmão nunca pegou em droga, nem em arma. Até hoje eu tento entender por que ele morreu”. (Irmã de Patrício, uma das vítimas da chacina)

“Nós queremos denunciar ao mundo que não existe terrorismo só em Paris. Existe terrorismo em Fortaleza, e é contra a juventude negra da periferia”. (Manifestante)

“O senso comum entendeu que onde morre gente só tem bandido, e pode passar fogo em todo mundo aqui. Depois que se desmente a versão, a pessoa nota que aqui não tem bandido”. (Manifestante)

“Policial é pra ir atrás de bandido, não é pra matar cidadão. Se a gente não confia na nossa própria polícia, a gente vai confiar em quem?” (Manifestante)

“Mataram ele de joelho. Ainda ficaram na esquina fazendo ‘hora’ da cara da gente. Mataram só inocente”.(Namorada de Patrício)

“Ele foi uma vítima da covardia. Ele saiu de casa para comprar um cigarro e foi morto. Eles invadiram e mataram ele quando ele estava de costas”. (Esposa de Valdir)

“Sem hipocrisia, a polícia mata negro todo dia”. (Grito de protesto dos manifestantes do Curió)

“Que a morte do meu filho sirva para melhorar essa sociedade de bandidos. E que os governantes façam alguma coisa em relação a criminalidade. Desse jeito, vão acabar com a nossa juventude”. (Pai de Jardel Lima)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
1/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
2/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
3/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)

Publicidade

Dê sua opinião

Veja os 11 depoimentos mais chocantes do filme sobre a chacina que vitimou 11 jovens em Messejana

O Tribuna do Ceará teve acesso ao filme “Onze – A Maior Chacina da História do Ceará”, e faz um resumo dos relatos de familiares das vítimas

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de março de 2016 às 06:00

Há 3 anos
Filme Onze retrata a violência no bairro Messejana na noite do dia 12 de novembro de 2015 (FOTO: Reprodução)

Filme “Onze” retrata a violência no Bairro Messejana na madrugada do dia 12 de novembro de 2015 (FOTO: Reprodução)

“Onze – A Maior Chacina da História do Ceará”, o filme-documentário sobre a chacina que deixou 11 pessoas mortas em poucas horas nos bairros Messejana, Curió e São Miguel, em Fortaleza, é um duro retrato da violência que atinge jovens da periferia das grandes cidades brasileiras.

Adotando como recurso narrativo as vozes e relatos de familiares e amigos das vítimas da chacina, registrada na madrugada do dia 12 de novembro de 2015, o filme optou por mostrar em linha atemporal o que muitas vezes a própria mídia não conseguiu abordar nos dias seguintes. 

Em um bairro onde grande parte dos moradores são vítimas das desigualdades jurídicas e sociais, familiares demonstram, e deixam transbordar, em forma de lágrimas, o sofrido sentimento de saudade. O documentário, de 26 minutos, foi produzido já a partir do dia seguinte da chacina, pelos coletivos Nigéria, Zóio e Voz e Vez das Comunidades.

O filme destaca que, das 11 vítimas, somente dois tinham mais de 19 anos. Do grupo, somente três tinham passagem pela polícia, por crimes considerados leves, como agressão, ausência de pagamento de pensão alimentícia e envolvimento em acidente de trânsito.

Exibido na Rede Cuca no último sábado (12), mesmo dia em que a chacina completou quatro meses ainda sem conclusão, o Tribuna do Ceará teve acesso ao filme “Onze”. E relata abaixo 11 frases marcantes de personagens que viveram o drama de perto.

Confira:

“Foram mais de duas horas de terror aqui, e não chegou nenhuma viatura da polícia”. (Morador)

“Eu saí de casa para acudir meu filho, mas quando eu cheguei ele já tava morto. Ele deu o último suspiro de vida nos meus braços”. (Pai de Marcelo, uma das vítimas da chacina)

“Eu quero a justiça e limpar o nome do meu filho, que é visto como vagabundo”. (Pai de Marcelo)

“Meu irmão nunca pegou em droga, nem em arma. Até hoje eu tento entender por que ele morreu”. (Irmã de Patrício, uma das vítimas da chacina)

“Nós queremos denunciar ao mundo que não existe terrorismo só em Paris. Existe terrorismo em Fortaleza, e é contra a juventude negra da periferia”. (Manifestante)

“O senso comum entendeu que onde morre gente só tem bandido, e pode passar fogo em todo mundo aqui. Depois que se desmente a versão, a pessoa nota que aqui não tem bandido”. (Manifestante)

“Policial é pra ir atrás de bandido, não é pra matar cidadão. Se a gente não confia na nossa própria polícia, a gente vai confiar em quem?” (Manifestante)

“Mataram ele de joelho. Ainda ficaram na esquina fazendo ‘hora’ da cara da gente. Mataram só inocente”.(Namorada de Patrício)

“Ele foi uma vítima da covardia. Ele saiu de casa para comprar um cigarro e foi morto. Eles invadiram e mataram ele quando ele estava de costas”. (Esposa de Valdir)

“Sem hipocrisia, a polícia mata negro todo dia”. (Grito de protesto dos manifestantes do Curió)

“Que a morte do meu filho sirva para melhorar essa sociedade de bandidos. E que os governantes façam alguma coisa em relação a criminalidade. Desse jeito, vão acabar com a nossa juventude”. (Pai de Jardel Lima)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
1/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
2/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)

Filme Onze - A História da Maior Chacina do Ceará
3/3

Filme Onze – A História da Maior Chacina do Ceará

Filme-documentário foi produzido pelas organizações Coletivo Nigéria, Coletivo Zóio e Voz e Vez da Comunidade (FOTO: Reprodução)