Policial civil morre após reagir a assalto e perder controle do carro em Fortaleza


Policial morre dentro do carro após ser baleada em tentativa de assalto

Maria Gorete foi abordada por um homem armado, enquanto dirigia. Esse é o segundo caso de morte de policiais civis durante assalto

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

12 de junho de 2015 às 09:21

Há 4 anos

Uma policial civil morreu depois de reagir a uma tentativa de assalto na manhã desta sexta-feira (12), no Bairro Cidade dos Funcionários, em Fortaleza. A ação ocorreu por volta das 6h. Maria Gorete de Oliveira foi abordada por um homem armado na Rua Júlio Rocha, enquanto dirigia.

Ela tentou fugir e acelerou o veículo, mas o acusado efetuou quatro disparos. A policial foi baleada, e ainda conseguiu dirigir até o cruzamento das Ruas José Leon e Ieda Pereira, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo testemunhas, o homem seguiu para uma comunidade da região, onde teria roubado um carro e fugido.

Após cerco policial, inclusive com a presença do delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Júnior, o suspeito do crime foi encontrado em uma residência localizada na Avenida Edilson Brasil Soares. Uma pistola 9 mm foi apreendida. Ele prestará depoimento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
1/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: TV Jangadeiro/Raniere Sales)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
2/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: Reprodução/Facebook)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
3/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: Reprodução/Facebook)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
4/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Suspeito do crime foi preso e encaminhado à Delegacia de Homicídios (FOTO: Reprodução/Facebook)

Veja as imagens do crime:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15504112″]

Esse é o segundo caso de morte de policiais civis durante assalto, em apenas quatro dias, em Fortaleza. Na segunda-feira (8), Antônio Márcio Rios de Sousa, de 33 anos, foi assassinado dentro de uma lan house, no Bairro Monte Castelo.

Crime hediondo

Na quinta-feira (11), o Plenário do Senado aprovou o projeto que aumenta a pena para crime contra policiais.A iniciativa torna crime hediondo e qualificado o assassinato de policiais civis, militares, rodoviários e federais, além de integrantes das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança e do Sistema Prisional, seja no exercício da função ou em decorrência do cargo ocupado.

O agravamento da pena previsto no texto alcança o crime praticado contra o cônjuge, companheiro ou parente até 3º grau do agente público de segurança, quando o ilícito for motivado pela ligação familiar. Em todos esses casos, a pena será de reclusão de 12 a 30 anos. Hoje, a pena de homicídio simples varia de seis a 20 anos de prisão. O projeto estabelece também que a lesão corporal cometida contra agentes de segurança em serviço, e seus parentes, será aumentada de um a dois terços.

*Com informações do repórter Abraão Ramos

Publicidade

Dê sua opinião

Policial morre dentro do carro após ser baleada em tentativa de assalto

Maria Gorete foi abordada por um homem armado, enquanto dirigia. Esse é o segundo caso de morte de policiais civis durante assalto

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

12 de junho de 2015 às 09:21

Há 4 anos

Uma policial civil morreu depois de reagir a uma tentativa de assalto na manhã desta sexta-feira (12), no Bairro Cidade dos Funcionários, em Fortaleza. A ação ocorreu por volta das 6h. Maria Gorete de Oliveira foi abordada por um homem armado na Rua Júlio Rocha, enquanto dirigia.

Ela tentou fugir e acelerou o veículo, mas o acusado efetuou quatro disparos. A policial foi baleada, e ainda conseguiu dirigir até o cruzamento das Ruas José Leon e Ieda Pereira, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo testemunhas, o homem seguiu para uma comunidade da região, onde teria roubado um carro e fugido.

Após cerco policial, inclusive com a presença do delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Júnior, o suspeito do crime foi encontrado em uma residência localizada na Avenida Edilson Brasil Soares. Uma pistola 9 mm foi apreendida. Ele prestará depoimento na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
1/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: TV Jangadeiro/Raniere Sales)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
2/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: Reprodução/Facebook)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
3/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Mesmo baleada, policial ainda conseguiu dirigir alguns metros, mas perdeu o controle do veículo (FOTO: Reprodução/Facebook)

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL
4/4

VIOLÊNCIA CONTRA POLICIAL

Suspeito do crime foi preso e encaminhado à Delegacia de Homicídios (FOTO: Reprodução/Facebook)

Veja as imagens do crime:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15504112″]

Esse é o segundo caso de morte de policiais civis durante assalto, em apenas quatro dias, em Fortaleza. Na segunda-feira (8), Antônio Márcio Rios de Sousa, de 33 anos, foi assassinado dentro de uma lan house, no Bairro Monte Castelo.

Crime hediondo

Na quinta-feira (11), o Plenário do Senado aprovou o projeto que aumenta a pena para crime contra policiais.A iniciativa torna crime hediondo e qualificado o assassinato de policiais civis, militares, rodoviários e federais, além de integrantes das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança e do Sistema Prisional, seja no exercício da função ou em decorrência do cargo ocupado.

O agravamento da pena previsto no texto alcança o crime praticado contra o cônjuge, companheiro ou parente até 3º grau do agente público de segurança, quando o ilícito for motivado pela ligação familiar. Em todos esses casos, a pena será de reclusão de 12 a 30 anos. Hoje, a pena de homicídio simples varia de seis a 20 anos de prisão. O projeto estabelece também que a lesão corporal cometida contra agentes de segurança em serviço, e seus parentes, será aumentada de um a dois terços.

*Com informações do repórter Abraão Ramos