Polícia Federal prende acusado de matar Gegê do Mangue e Paca, líderes do PCC mortos no Ceará

EM SERGIPE

Polícia Federal prende acusado de matar Gegê do Mangue e Paca, líderes do PCC mortos no Ceará

Apontados como líderes do PCC, Gegê do Mangue e Paca viviam em vida de luxo no Ceará e foram mortos em emboscada no ano passado

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

7 de abril de 2019 às 11:32

Há 1 mês
Gegê do Mangue e Paca foram mortos em emboscada em 2018. (Foto: Reprodução/TV Jangadeiro)

Gegê do Mangue e Paca foram mortos em emboscada em 2018. (Foto: Reprodução/TV Jangadeiro)

A Polícia Federal prendeu neste domingo (7) um dos acusados da morte de Gegê do Mangue e Paca, líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), assassinados em 15 de fevereiro de 2018 em Aquiraz, no Ceará. O mandado de prisão em desfavor de Carlenilton Pereira Maltas havia sido expedido na Comarca de Aquiraz e foi cumprido em trabalho conjunto das superintendências do Ceará e de Sergipe.

Em 16 de janeiro, a Polícia Federal já havia capturado outro suspeito, Jefte Ferreira dos Santos, em Itanhaém, no litoral de São Paulo. Ele é acusado de dar apoio logístico para as execuções de Rogério Geremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca.

Em outubro de 2018, outro suspeito, André Luís da Costa Lopes, o “Andrezinho da Baixada“, se apresentou em uma unidade da Polícia Civil em São Paulo de forma espontânea. Ele tinha mandado de prisão em aberto acusado de envolvimento direto no assassinato de dois líderes.

Em setembro, Andrezinho da Baixada e os outros oito foragidos tiveram os nomes inseridos na lista de procurados pela Interpol.

Execução

As vítimas foram mortas a tiros numa reserva indígena, no município de Aquiraz, para onde foram levadas de helicóptero em fevereiro do ano passado. O fato provocou à época uma crise na cúpula do PCC, e um dos mentores do crime Wagner Ferreira da Silva acabou sendo fuzilado em São Paulo. Após a morte, descobriu-se que os traficantes viviam com alto luxo em condomínio no Porto das Dunas.

Toda a ação aconteceu durante a noite desta quinta-feira (15), mas os corpos foram encontrados somente na sexta-feira (16) em estado de decomposição. Além das perfurações de balas, os criminosos tiveram os olhos perfurados com facas.

Somente o piloto do helicóptero já havia sido preso. Felipe Ramos Morais havia sido preso em maio, no estado de Goiás. As investigações apontam que o crime teria sido ordenado por outro líder do PCC, Gilberto Aparecido dos Santos, o “Fuminho”, principal liderança do PCC que hoje está fora do sistema prisional.

A região em que os traficantes se encontravam era um campo aberto rodeado por uma mata densa de reserva indígena em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Rogério Geremias de Simone e Fabiano Alves de Sousa Paca foram mortos durante uma emboscada nesta quinta-feira (15).

No local onde os traficantes foram assassinados, é possível encontrar também rastros do helicóptero e uma garrafa pet. Acredita-se que o recipiente teria sido utilizado para armazenar o conteúdo inflamável para queimar os corpos.

Leia mais:
> Prisões de chefes do narcotráfico mostram que o Ceará virou porta de entrada de drogas no Brasil
> Carros de luxo de líder do PCC assassinado estavam registrados em rua que não existe
> Líderes do PCC mortos no Ceará viviam com alto luxo em condomínio no Porto das Dunas

Vida de luxo

Fotos do casarão onde “Gegê do Mangue” vivia junto com “Paca” e mais quatro pessoas da família vazaram nas redes sociais após o crime. Nas imagens, aparecem quatro carros de luxo, avaliados em R$ 2,5 milhões.

O bandido e a família faziam diversas festas e buscavam interagir com os vizinhos. A vida de luxo teria despertado a atenção de outros setores da organização criminosa, somado a disputas internas do PCC, o que pode ter sido determinante para a morte de “Gegê” e “Paca”.

Publicidade

Dê sua opinião

EM SERGIPE

Polícia Federal prende acusado de matar Gegê do Mangue e Paca, líderes do PCC mortos no Ceará

Apontados como líderes do PCC, Gegê do Mangue e Paca viviam em vida de luxo no Ceará e foram mortos em emboscada no ano passado

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

7 de abril de 2019 às 11:32

Há 1 mês
Gegê do Mangue e Paca foram mortos em emboscada em 2018. (Foto: Reprodução/TV Jangadeiro)

Gegê do Mangue e Paca foram mortos em emboscada em 2018. (Foto: Reprodução/TV Jangadeiro)

A Polícia Federal prendeu neste domingo (7) um dos acusados da morte de Gegê do Mangue e Paca, líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), assassinados em 15 de fevereiro de 2018 em Aquiraz, no Ceará. O mandado de prisão em desfavor de Carlenilton Pereira Maltas havia sido expedido na Comarca de Aquiraz e foi cumprido em trabalho conjunto das superintendências do Ceará e de Sergipe.

Em 16 de janeiro, a Polícia Federal já havia capturado outro suspeito, Jefte Ferreira dos Santos, em Itanhaém, no litoral de São Paulo. Ele é acusado de dar apoio logístico para as execuções de Rogério Geremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca.

Em outubro de 2018, outro suspeito, André Luís da Costa Lopes, o “Andrezinho da Baixada“, se apresentou em uma unidade da Polícia Civil em São Paulo de forma espontânea. Ele tinha mandado de prisão em aberto acusado de envolvimento direto no assassinato de dois líderes.

Em setembro, Andrezinho da Baixada e os outros oito foragidos tiveram os nomes inseridos na lista de procurados pela Interpol.

Execução

As vítimas foram mortas a tiros numa reserva indígena, no município de Aquiraz, para onde foram levadas de helicóptero em fevereiro do ano passado. O fato provocou à época uma crise na cúpula do PCC, e um dos mentores do crime Wagner Ferreira da Silva acabou sendo fuzilado em São Paulo. Após a morte, descobriu-se que os traficantes viviam com alto luxo em condomínio no Porto das Dunas.

Toda a ação aconteceu durante a noite desta quinta-feira (15), mas os corpos foram encontrados somente na sexta-feira (16) em estado de decomposição. Além das perfurações de balas, os criminosos tiveram os olhos perfurados com facas.

Somente o piloto do helicóptero já havia sido preso. Felipe Ramos Morais havia sido preso em maio, no estado de Goiás. As investigações apontam que o crime teria sido ordenado por outro líder do PCC, Gilberto Aparecido dos Santos, o “Fuminho”, principal liderança do PCC que hoje está fora do sistema prisional.

A região em que os traficantes se encontravam era um campo aberto rodeado por uma mata densa de reserva indígena em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. Rogério Geremias de Simone e Fabiano Alves de Sousa Paca foram mortos durante uma emboscada nesta quinta-feira (15).

No local onde os traficantes foram assassinados, é possível encontrar também rastros do helicóptero e uma garrafa pet. Acredita-se que o recipiente teria sido utilizado para armazenar o conteúdo inflamável para queimar os corpos.

Leia mais:
> Prisões de chefes do narcotráfico mostram que o Ceará virou porta de entrada de drogas no Brasil
> Carros de luxo de líder do PCC assassinado estavam registrados em rua que não existe
> Líderes do PCC mortos no Ceará viviam com alto luxo em condomínio no Porto das Dunas

Vida de luxo

Fotos do casarão onde “Gegê do Mangue” vivia junto com “Paca” e mais quatro pessoas da família vazaram nas redes sociais após o crime. Nas imagens, aparecem quatro carros de luxo, avaliados em R$ 2,5 milhões.

O bandido e a família faziam diversas festas e buscavam interagir com os vizinhos. A vida de luxo teria despertado a atenção de outros setores da organização criminosa, somado a disputas internas do PCC, o que pode ter sido determinante para a morte de “Gegê” e “Paca”.