Marcas de seringa no braço direito contradizem versão do namorado de jovem achada morta

CASO DO PORTA-MALAS

Marcas de seringa no braço direito contradizem versão do namorado de jovem achada morta

Gregório Donizeti disse à Polícia que a namorada aplicou em si mesma as doses de morfina, causando overdose

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de maio de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Yrna Castro foi encontrada morta no porta-malas do carro do namorado, Gregório Donizeti. (FOTO: Divulgação)

Yrna Castro foi encontrada morta no porta-malas do carro do namorado, Gregório Donizeti. (FOTO: Divulgação)

Duas semanas após a universitária Yrna Castro ter sido encontrada morta dentro do porta-malas do carro do seu namorado, Gregório Donizeti, uma informação pode comprometer o jovem. Em entrevista ao Tribuna do Ceará, um dos advogados da família de Yrna, João Victor, revelou que o corpo da estudante possuía marcas de seringa no braço direito. Por ela ser destra, isso indicaria que alguém aplicou as injeções.

Segundo João Victor, as marcas no corpo de Yrna vão de encontro a versão relatada por Gregório, em que ele afirma que ela teria aplicado a droga em si mesma. “De acordo com a informação que nós possuímos, Yrna era destra e a marca de seringa é no braço direito dela. Isso impossibilitaria que ela aplicasse a droga em si mesmo. Esse fato contradiz a versão do Gregório”, relatou o advogado.

Ainda conforme o advogado da família da vítima, é preciso que o namorado de Yrna preste esclarecimentos novamente. “Ainda há diversos pontos nesse caso que precisam ser esclarecidos. Nós queremos que ele preste novos depoimentos”, cobrou João Victor. 

O empresário Gregório Donizeti permanece internado em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos. No entanto, segundo os advogados do rapaz, ele está à disposição para prestar novos esclarecimentos sobre o caso.

Relembre o caso

No dia 1º de maio, a universitária Yrna Castro foi encontrada morta dentro do carro de Gregório Donizeti, no Bairro Dionísio Torres. De acordo com a Polícia Civil, a jovem teria morrido por overdose na madrugada daquele dia, no apartamento do namorado, com quem tinha um relacionamento desde 2015.

O homem foi indiciado por ocultação de cadáver por permanecer com o corpo de Yrna por mais de 12 horas dentro do seu carro e não ter informado à polícia e aos familiares sobre a morte. Segundo Socorro Portela, Gregório informou em depoimento que os dois usaram morfina misturada a um comprimido e injetaram as substâncias na veia.

O efeito da morfina dura de 4 a 6 horas. Pode provocar alívio de alguma dor e da ansiedade, diminuindo o sentimento de desconfiança e proporcionando um misto de sensações, como bem-estar, tranquilidade, sonolência e até depressão.

Acompanhe o caso:

13 de maio – Polícia pede exumação do corpo de universitária achada morta no carro de namorado

11 de maio – Advogado quer o indiciamento do namorado de jovem encontrada morta no carro dele

10 de maio – Polícia pede novo exame para detectar uso de morfina em universitária

7 de maio – Moradores do entorno da Praça da Gentilândia denunciam livre comércio de drogas na região

6 de maio – Pai de empresário atribui às drogas a culpa da morte da namorada do filho

6 de maio – Desviada de hospitais, morfina é negociada de forma escancarada na internet

6 de maio – Pai de empresário já havia pedido à Justiça a interdição do filho, devido ao vício em drogas

5 de maio – Para advogado, internação de namorado de universitária morta é para atrapalhar a polícia

5 de maio – Campanha no Facebook questiona hematomas no corpo de jovem achada morta em porta-malas

4 de maio – Perito e delegada afirmam que não viram hematomas no corpo de universitária

4 de maio – Amigas de universitária achada morta em porta-malas cobram maior investigação

4 de maio – “Ela nunca falou sobre drogas”, diz amiga íntima de universitária achada morta em porta-malas

3 de maio – Namorado diz à Polícia que tentou se matar após ver universitária morta no carro

3 de maio – Familiares apontam hematomas no corpo de universitária encontrada morta em porta-malas

3 de maio – Universitária encontrada em porta-malas do carro do namorado teria injetado morfina

2 de maio – Universitária é encontrada morta no porta-malas do carro do namorado

Publicidade

Dê sua opinião

CASO DO PORTA-MALAS

Marcas de seringa no braço direito contradizem versão do namorado de jovem achada morta

Gregório Donizeti disse à Polícia que a namorada aplicou em si mesma as doses de morfina, causando overdose

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de maio de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Yrna Castro foi encontrada morta no porta-malas do carro do namorado, Gregório Donizeti. (FOTO: Divulgação)

Yrna Castro foi encontrada morta no porta-malas do carro do namorado, Gregório Donizeti. (FOTO: Divulgação)

Duas semanas após a universitária Yrna Castro ter sido encontrada morta dentro do porta-malas do carro do seu namorado, Gregório Donizeti, uma informação pode comprometer o jovem. Em entrevista ao Tribuna do Ceará, um dos advogados da família de Yrna, João Victor, revelou que o corpo da estudante possuía marcas de seringa no braço direito. Por ela ser destra, isso indicaria que alguém aplicou as injeções.

Segundo João Victor, as marcas no corpo de Yrna vão de encontro a versão relatada por Gregório, em que ele afirma que ela teria aplicado a droga em si mesma. “De acordo com a informação que nós possuímos, Yrna era destra e a marca de seringa é no braço direito dela. Isso impossibilitaria que ela aplicasse a droga em si mesmo. Esse fato contradiz a versão do Gregório”, relatou o advogado.

Ainda conforme o advogado da família da vítima, é preciso que o namorado de Yrna preste esclarecimentos novamente. “Ainda há diversos pontos nesse caso que precisam ser esclarecidos. Nós queremos que ele preste novos depoimentos”, cobrou João Victor. 

O empresário Gregório Donizeti permanece internado em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos. No entanto, segundo os advogados do rapaz, ele está à disposição para prestar novos esclarecimentos sobre o caso.

Relembre o caso

No dia 1º de maio, a universitária Yrna Castro foi encontrada morta dentro do carro de Gregório Donizeti, no Bairro Dionísio Torres. De acordo com a Polícia Civil, a jovem teria morrido por overdose na madrugada daquele dia, no apartamento do namorado, com quem tinha um relacionamento desde 2015.

O homem foi indiciado por ocultação de cadáver por permanecer com o corpo de Yrna por mais de 12 horas dentro do seu carro e não ter informado à polícia e aos familiares sobre a morte. Segundo Socorro Portela, Gregório informou em depoimento que os dois usaram morfina misturada a um comprimido e injetaram as substâncias na veia.

O efeito da morfina dura de 4 a 6 horas. Pode provocar alívio de alguma dor e da ansiedade, diminuindo o sentimento de desconfiança e proporcionando um misto de sensações, como bem-estar, tranquilidade, sonolência e até depressão.

Acompanhe o caso:

13 de maio – Polícia pede exumação do corpo de universitária achada morta no carro de namorado

11 de maio – Advogado quer o indiciamento do namorado de jovem encontrada morta no carro dele

10 de maio – Polícia pede novo exame para detectar uso de morfina em universitária

7 de maio – Moradores do entorno da Praça da Gentilândia denunciam livre comércio de drogas na região

6 de maio – Pai de empresário atribui às drogas a culpa da morte da namorada do filho

6 de maio – Desviada de hospitais, morfina é negociada de forma escancarada na internet

6 de maio – Pai de empresário já havia pedido à Justiça a interdição do filho, devido ao vício em drogas

5 de maio – Para advogado, internação de namorado de universitária morta é para atrapalhar a polícia

5 de maio – Campanha no Facebook questiona hematomas no corpo de jovem achada morta em porta-malas

4 de maio – Perito e delegada afirmam que não viram hematomas no corpo de universitária

4 de maio – Amigas de universitária achada morta em porta-malas cobram maior investigação

4 de maio – “Ela nunca falou sobre drogas”, diz amiga íntima de universitária achada morta em porta-malas

3 de maio – Namorado diz à Polícia que tentou se matar após ver universitária morta no carro

3 de maio – Familiares apontam hematomas no corpo de universitária encontrada morta em porta-malas

3 de maio – Universitária encontrada em porta-malas do carro do namorado teria injetado morfina

2 de maio – Universitária é encontrada morta no porta-malas do carro do namorado