Governo do Ceará confirma 14 mortes de detentos em série de rebeliões em presídios

CRISE CARCERÁRIA

Governo do Ceará confirma 14 mortes de detentos em série de rebeliões em presídios

A maioria das vítimas durante as rebeliões em presídios respondia por roubo, homicídio e tráfico de drogas

Por Rosana Romão em Segurança Pública

23 de maio de 2016 às 14:15

Há 3 anos
Rebeliões iniciaram neste sábado, 21. (FOTO: reprodução/whatsapp)

Rebeliões iniciaram neste sábado, 21. (FOTO: reprodução/whatsapp)

As rebeliões ocorridas durante o fim de semana nas unidades prisionais da Região Metropolitana de Fortaleza resultaram em 14 mortes de internos, confirma a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (Sejus). O órgão informa que as mortes ocorreram durante os conflitos entre os presos registrados no sábado (21) e no domingo (22).

Ao longo desta segunda-feira (23), nenhuma unidade registrou novo conflito. Uma operação de policiais e agentes penitenciários identificou um túnel na unidade Agente Luciano Andrade Lima (CPPL 1), mas não há confirmação de fugas.

Crimes da maioria dos mortos

Dentre os mortos, estão Luan Brito da Silva, 21 anos, que respondia por latrocínio; Paulo César de Oliveira, 46 anos, respondia por tráfico; Francisco Clenildo Felipe Costa, 40 anos, respondia por furto; Daniel Henrique Maciel dos Santos, 26 anos, respondia por homicídio e roubo; Diego Martins da Silva, 31 anos, respondia por roubo; Roberto Bruno Agostinho da Silva, 23 anos, respondia por homicídio; Rian Pereira Paz, 33 anos, respondia por tráfico de drogas; e Daniel de Sousa Oliveira, 22 anos, respondia por homicídio e roubo. Seis pessoas não foram identificadas e aguardam exames da Pericia Forense.

Desde o fim de semana, equipes da Sejus e do Departamento de Arquitetura e Engenharia estão avaliando os danos. Ainda nesta segunda, iniciam os reparos em uma das unidades danificadas. De acordo com o órgão, não houve interrupção no fornecimento de água nem comida. Assistentes sociais estão na entrada dos complexos oferecendo apoio aos familiares.

O Governo do Ceará vem tomando todas as medidas necessárias para estabilizar a situação. No domingo, o governador Camilo Santana solicitou o apoio da Força Nacional de Segurança, no sentido de garantir a estabilidade nos presídios, especialmente durante a recuperação das instalações, que foram destruídas por conta das rebeliões.

Entenda o caso

Uma série de rebeliões simultâneas ocorreu em pelo menos oito presídios do Ceará, na manhã e início da tarde deste sábado (21). As rebeliões tiveram início após deflagração de greve por parte do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, nesta sexta-feira (20). Com a greve, foram suspensas as visitas do fim de semana, prejudicando a alimentação dos presídios, o que gerou a revolta.

Em decisão liminar proferida nesta sexta-feira (20), a greve foi declarada ilegal por decisão da desembargadora Terese Neumann, apontando crime de desobediência por parte do sindicato dos agentes prisionais, fato que também será investigado pelo Ministério Público. 

 

Sistema Prisional

O Governo do Estado confirma que as CPPLs II, III e IV estão completamente destruídas em termos de infraestrutura prisional. A Unidade Prisional de Caucaia, conhecida popularmente como Carrapicho, foi parcialmente danificada, enquanto o Instituto Penal Feminino registrou somente um pequeno motim. Em nota, a Procuradoria Geral da Justiça informou que vai investigar os motins, as mortes, a paralisação dos agentes prisionais e os prejuízos.

Acompanhe o caso:

23 de maio – Prints de Whatsapp revelam conversa entre presos durante rebeliões no Ceará

23 de maio – Carta que seria do Comando Vermelho pede fim de matança em presídios do Ceará

22 de maio – Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

21 de maio – Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

21 de maio – Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios

21 de maio – Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará

Publicidade

Dê sua opinião

CRISE CARCERÁRIA

Governo do Ceará confirma 14 mortes de detentos em série de rebeliões em presídios

A maioria das vítimas durante as rebeliões em presídios respondia por roubo, homicídio e tráfico de drogas

Por Rosana Romão em Segurança Pública

23 de maio de 2016 às 14:15

Há 3 anos
Rebeliões iniciaram neste sábado, 21. (FOTO: reprodução/whatsapp)

Rebeliões iniciaram neste sábado, 21. (FOTO: reprodução/whatsapp)

As rebeliões ocorridas durante o fim de semana nas unidades prisionais da Região Metropolitana de Fortaleza resultaram em 14 mortes de internos, confirma a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (Sejus). O órgão informa que as mortes ocorreram durante os conflitos entre os presos registrados no sábado (21) e no domingo (22).

Ao longo desta segunda-feira (23), nenhuma unidade registrou novo conflito. Uma operação de policiais e agentes penitenciários identificou um túnel na unidade Agente Luciano Andrade Lima (CPPL 1), mas não há confirmação de fugas.

Crimes da maioria dos mortos

Dentre os mortos, estão Luan Brito da Silva, 21 anos, que respondia por latrocínio; Paulo César de Oliveira, 46 anos, respondia por tráfico; Francisco Clenildo Felipe Costa, 40 anos, respondia por furto; Daniel Henrique Maciel dos Santos, 26 anos, respondia por homicídio e roubo; Diego Martins da Silva, 31 anos, respondia por roubo; Roberto Bruno Agostinho da Silva, 23 anos, respondia por homicídio; Rian Pereira Paz, 33 anos, respondia por tráfico de drogas; e Daniel de Sousa Oliveira, 22 anos, respondia por homicídio e roubo. Seis pessoas não foram identificadas e aguardam exames da Pericia Forense.

Desde o fim de semana, equipes da Sejus e do Departamento de Arquitetura e Engenharia estão avaliando os danos. Ainda nesta segunda, iniciam os reparos em uma das unidades danificadas. De acordo com o órgão, não houve interrupção no fornecimento de água nem comida. Assistentes sociais estão na entrada dos complexos oferecendo apoio aos familiares.

O Governo do Ceará vem tomando todas as medidas necessárias para estabilizar a situação. No domingo, o governador Camilo Santana solicitou o apoio da Força Nacional de Segurança, no sentido de garantir a estabilidade nos presídios, especialmente durante a recuperação das instalações, que foram destruídas por conta das rebeliões.

Entenda o caso

Uma série de rebeliões simultâneas ocorreu em pelo menos oito presídios do Ceará, na manhã e início da tarde deste sábado (21). As rebeliões tiveram início após deflagração de greve por parte do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, nesta sexta-feira (20). Com a greve, foram suspensas as visitas do fim de semana, prejudicando a alimentação dos presídios, o que gerou a revolta.

Em decisão liminar proferida nesta sexta-feira (20), a greve foi declarada ilegal por decisão da desembargadora Terese Neumann, apontando crime de desobediência por parte do sindicato dos agentes prisionais, fato que também será investigado pelo Ministério Público. 

 

Sistema Prisional

O Governo do Estado confirma que as CPPLs II, III e IV estão completamente destruídas em termos de infraestrutura prisional. A Unidade Prisional de Caucaia, conhecida popularmente como Carrapicho, foi parcialmente danificada, enquanto o Instituto Penal Feminino registrou somente um pequeno motim. Em nota, a Procuradoria Geral da Justiça informou que vai investigar os motins, as mortes, a paralisação dos agentes prisionais e os prejuízos.

Acompanhe o caso:

23 de maio – Prints de Whatsapp revelam conversa entre presos durante rebeliões no Ceará

23 de maio – Carta que seria do Comando Vermelho pede fim de matança em presídios do Ceará

22 de maio – Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

21 de maio – Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

21 de maio – Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios

21 de maio – Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará