Estado é condenado mais uma vez a pagar indenização para mãe de detento morto em prisão

MORTE EM 2011

Estado é condenado mais uma vez a pagar indenização para mãe de detento morto em prisão

O detento foi encontrado morto no estabelecimento prisional, em 2011. A indenização será de R$ 50 mil

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

22 de outubro de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Laudo comprovou enforcamento. (FOTO: reprodução)

Laudo comprovou enforcamento. (FOTO: reprodução)

O Estado do Ceará foi condenado ao pagamento de R$ 50 mil de indenização moral para mãe de detento morto na Casa de Privação Provisória de Liberdade I, no Município de Itaitinga, a 27 km de Fortaleza. A decisão, proferida na última quarta-feira (19), é da 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

Consta nos autos que, em 7 de fevereiro de 2011, o detento foi encontrado morto no estabelecimento prisional. Conforme laudo do Instituto Médico Legal (IML), ele morreu por asfixia mecânica (enforcamento) e ação de objeto perfurante.

Por esse motivo, a mãe ajuizou ação contra o Estado solicitando indenização por danos morais e materiais. Argumentou que o filho trabalhava como ajudante de pedreiro e ajudava com as despesas da casa, inclusive pagava os remédios dela.

Na contestação, o ente público defendeu a inexistência de responsabilidade no ocorrido porque se trata de responsabilidade por omissão, o que importa na demonstração de culpa ou dolo, mas não identificado nos autos.

Para a relatora do processo, desembargadora Maria Iraneide Moura Silva, “em vão tenta o Estado do Ceará afastar sua obrigação ao defender a tese de responsabilidade omissiva, onde se faz indispensável a comprovação da culpa/dolo”. 

Ao apreciar o caso, a juíza da 9ª Vara da Fazenda Pública de Fortaleza,  Ana Paula Feitosa Oliveira, determinou o pagamento de R$ 80 mil por danos morais. “O que se atribui ao lesado não é propriamente indenização, mas mera compensação pelo sofrimento, além de uma satisfação que a ordem jurídica lhe dá, de forma a não deixar impune o causador do prejuízo, que assim é indiretamente levado a agir preventivamente para evitar outros possíveis danos”, disse a magistrada.

Inconformado com a sentença, o Estado interpôs apelação (n° 0178993-06.2012.8.06.0001) no TJCE. Apresentou o mesmo argumento da contestação.

Ao julgar o recurso, a 2ª Câmara de Direito Público fixou em R$ 50 mil a reparação moral acompanhando o entendimento da desembargadora relatora. “O dano dessa espécie deve ser fixado mediante arbitramento, segundo as peculiaridades: a) de um lado, o sofrimento da genitora pela perda do ente querido que teve sua vida ceifada precocemente, dor imensurável; b) de outro lado, o Estado do Ceará como responsável por zelar pela segurança daqueles que estão sob sua custódia”, explicou.

Publicidade

Dê sua opinião

MORTE EM 2011

Estado é condenado mais uma vez a pagar indenização para mãe de detento morto em prisão

O detento foi encontrado morto no estabelecimento prisional, em 2011. A indenização será de R$ 50 mil

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

22 de outubro de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Laudo comprovou enforcamento. (FOTO: reprodução)

Laudo comprovou enforcamento. (FOTO: reprodução)

O Estado do Ceará foi condenado ao pagamento de R$ 50 mil de indenização moral para mãe de detento morto na Casa de Privação Provisória de Liberdade I, no Município de Itaitinga, a 27 km de Fortaleza. A decisão, proferida na última quarta-feira (19), é da 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE).

Consta nos autos que, em 7 de fevereiro de 2011, o detento foi encontrado morto no estabelecimento prisional. Conforme laudo do Instituto Médico Legal (IML), ele morreu por asfixia mecânica (enforcamento) e ação de objeto perfurante.

Por esse motivo, a mãe ajuizou ação contra o Estado solicitando indenização por danos morais e materiais. Argumentou que o filho trabalhava como ajudante de pedreiro e ajudava com as despesas da casa, inclusive pagava os remédios dela.

Na contestação, o ente público defendeu a inexistência de responsabilidade no ocorrido porque se trata de responsabilidade por omissão, o que importa na demonstração de culpa ou dolo, mas não identificado nos autos.

Para a relatora do processo, desembargadora Maria Iraneide Moura Silva, “em vão tenta o Estado do Ceará afastar sua obrigação ao defender a tese de responsabilidade omissiva, onde se faz indispensável a comprovação da culpa/dolo”. 

Ao apreciar o caso, a juíza da 9ª Vara da Fazenda Pública de Fortaleza,  Ana Paula Feitosa Oliveira, determinou o pagamento de R$ 80 mil por danos morais. “O que se atribui ao lesado não é propriamente indenização, mas mera compensação pelo sofrimento, além de uma satisfação que a ordem jurídica lhe dá, de forma a não deixar impune o causador do prejuízo, que assim é indiretamente levado a agir preventivamente para evitar outros possíveis danos”, disse a magistrada.

Inconformado com a sentença, o Estado interpôs apelação (n° 0178993-06.2012.8.06.0001) no TJCE. Apresentou o mesmo argumento da contestação.

Ao julgar o recurso, a 2ª Câmara de Direito Público fixou em R$ 50 mil a reparação moral acompanhando o entendimento da desembargadora relatora. “O dano dessa espécie deve ser fixado mediante arbitramento, segundo as peculiaridades: a) de um lado, o sofrimento da genitora pela perda do ente querido que teve sua vida ceifada precocemente, dor imensurável; b) de outro lado, o Estado do Ceará como responsável por zelar pela segurança daqueles que estão sob sua custódia”, explicou.