Desviada de hospitais, morfina é negociada de forma escancarada na internet

FALTA FISCALIZAÇÃO

Desviada de hospitais, morfina é negociada de forma escancarada na internet

Empresário disse que comprou ampola por R$ 22, na Praça da Gentilândia, e que depois injetou nele e na namorada

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

6 de maio de 2016 às 12:30

Há 3 anos
Morfina foi comprada na praça da Gentilândia, no bairro Benfica (FOTO: Divulgação)

Morfina foi comprada na praça da Gentilândia, no bairro Benfica (FOTO: Divulgação)

Após o empresário Gregório Donizeti afirmar em depoimento à Polícia que comprou morfina, droga supostamente utilizada por sua namorada encontrada morta dentro do porta-malas do carro do companheiro, na Praça da Gentilândia, no Bairro Benfica, em Fortaleza, volta à tona o debate sobre a comercialização de drogas que ocorre às vistas em espaços públicos da cidade.

Segundo o farmacêutico fiscal da Vigilância Sanitária de Fortaleza, Antonio Carlos Fraga, o comércio ilegal de medicamento “controlado” é abastecido pelo furto ou desvio da substância em hospitais, mas principalmente pelo roubo de cargas.

“A transportadora de medicamento, no momento em que está realizando uma distribuição para um comércio, tem a carga furtada. E também nós temos relatos de furtos de medicamentos como este de unidades hospitalares e desvios”, explicou.

Para comprar a substância é necessário uma receita emitida pela Secretaria de Saúde do Ceará. No entanto, ainda conforme o fiscal, muitos desses medicamentos são comercializados livremente nas redes sociais.

“É necessário um processo de investigação. Porque essas pessoas que cometem esse tipo de comércio sabem que estão a margem da lei. Quem vende esse medicamento divulga em redes sociais, procura vender não nos pontos comerciais que são fiscalizados com frequência. Então fica difícil o combate hoje em dia com o comércio pela internet, o envio via postal”.

O Tribuna do Ceará fez uma breve busca e descobriu diversos sites em que o comércio é feito de forma descarada. Em um fórum de perguntas e respostas, um usuário pergunta onde pode comprar morfina. Logo depois, outros usuários respondem informando número de contato para conseguir a droga. “Não é difícil de encontrar. Há pelo menos três sites que vendem qualquer tipo de remédio”, afirmou um usuário denominado Flávio, há dois meses.

Comércio de drogas é feito livremente na internet (FOTO: Reprodução)

Comércio de drogas é feito livremente na internet (FOTO: Reprodução)

A fiscalização, especialmente em locais públicos, é feita pela Vigilância Sanitária em conjunto com a polícia. De acordo com a delegada da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Socorro Portela, o empresario afirmou que tinha o costume de comprar as ampolas da substância na praça com um desconhecido e que cada dose da droga custaria R$ 22.

Legislação

O Código Penal estabelece que a falsificação ou a venda de produtos medicinais é passível de multa e reclusão de dez a 15 anos. A população pode denunciar os produtos vendidos de forma ilegal. O telefone é o 150 e não é necessário se identificar.

O Tribuna do Ceará entrou em contato com a assessoria de comunicação da Polícia Federal, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

Entenda

No último domingo (1º), a universitária Yrna Castro foi encontrada morta dentro do carro do seu namorado Gregório Donizeti, no Bairro Dionísio Torres. De acordo com a Polícia Civil, a jovem teria morrido por overdose de morfina na madrugada de sábado, no apartamento do namorado, com quem tinha um relacionamento desde 2015.

O homem foi indiciado por ocultação de cadáver por permanecer com o corpo de Yrna por mais de 12 horas dentro do seu carro e não ter informado à polícia e aos familiares sobre a morte. Segundo a delegada Socorro Portela, Gregório informou em depoimento que os dois usaram morfina misturada a um comprimido e injetaram as substâncias na veia.

O efeito da morfina dura de 4 a 6 horas. Pode provocar alívio de alguma dor e da ansiedade, diminuindo o sentimento de desconfiança e proporcionando um misto de sensações, como bem-estar, tranquilidade, sonolência e até depressão.

Acompanhe o caso:

6 de maio – Pai de empresário já havia pedido à Justiça a interdição do filho, devido ao vício em drogas

5 de maio – Para advogado, internação de namorado de universitária morta é para atrapalhar a polícia

5 de maio – Campanha no Facebook questiona hematomas no corpo de jovem achada morta em porta-malas

4 de maio – Perito e delegada afirmam que não viram hematomas no corpo de universitária

4 de maio – Amigas de universitária achada morta em porta-malas cobram maior investigação

4 de maio – “Ela nunca falou sobre drogas”, diz amiga íntima de universitária achada morta em porta-malas

3 de maio – Namorado diz à Polícia que tentou se matar após ver universitária morta no carro

3 de maio – Familiares apontam hematomas no corpo de universitária encontrada morta em porta-malas

3 de maio – Universitária encontrada em porta-malas do carro do namorado teria injetado morfina

2 de maio – Universitária é encontrada morta no porta-malas do carro do namorado

Publicidade

Dê sua opinião

FALTA FISCALIZAÇÃO

Desviada de hospitais, morfina é negociada de forma escancarada na internet

Empresário disse que comprou ampola por R$ 22, na Praça da Gentilândia, e que depois injetou nele e na namorada

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

6 de maio de 2016 às 12:30

Há 3 anos
Morfina foi comprada na praça da Gentilândia, no bairro Benfica (FOTO: Divulgação)

Morfina foi comprada na praça da Gentilândia, no bairro Benfica (FOTO: Divulgação)

Após o empresário Gregório Donizeti afirmar em depoimento à Polícia que comprou morfina, droga supostamente utilizada por sua namorada encontrada morta dentro do porta-malas do carro do companheiro, na Praça da Gentilândia, no Bairro Benfica, em Fortaleza, volta à tona o debate sobre a comercialização de drogas que ocorre às vistas em espaços públicos da cidade.

Segundo o farmacêutico fiscal da Vigilância Sanitária de Fortaleza, Antonio Carlos Fraga, o comércio ilegal de medicamento “controlado” é abastecido pelo furto ou desvio da substância em hospitais, mas principalmente pelo roubo de cargas.

“A transportadora de medicamento, no momento em que está realizando uma distribuição para um comércio, tem a carga furtada. E também nós temos relatos de furtos de medicamentos como este de unidades hospitalares e desvios”, explicou.

Para comprar a substância é necessário uma receita emitida pela Secretaria de Saúde do Ceará. No entanto, ainda conforme o fiscal, muitos desses medicamentos são comercializados livremente nas redes sociais.

“É necessário um processo de investigação. Porque essas pessoas que cometem esse tipo de comércio sabem que estão a margem da lei. Quem vende esse medicamento divulga em redes sociais, procura vender não nos pontos comerciais que são fiscalizados com frequência. Então fica difícil o combate hoje em dia com o comércio pela internet, o envio via postal”.

O Tribuna do Ceará fez uma breve busca e descobriu diversos sites em que o comércio é feito de forma descarada. Em um fórum de perguntas e respostas, um usuário pergunta onde pode comprar morfina. Logo depois, outros usuários respondem informando número de contato para conseguir a droga. “Não é difícil de encontrar. Há pelo menos três sites que vendem qualquer tipo de remédio”, afirmou um usuário denominado Flávio, há dois meses.

Comércio de drogas é feito livremente na internet (FOTO: Reprodução)

Comércio de drogas é feito livremente na internet (FOTO: Reprodução)

A fiscalização, especialmente em locais públicos, é feita pela Vigilância Sanitária em conjunto com a polícia. De acordo com a delegada da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Socorro Portela, o empresario afirmou que tinha o costume de comprar as ampolas da substância na praça com um desconhecido e que cada dose da droga custaria R$ 22.

Legislação

O Código Penal estabelece que a falsificação ou a venda de produtos medicinais é passível de multa e reclusão de dez a 15 anos. A população pode denunciar os produtos vendidos de forma ilegal. O telefone é o 150 e não é necessário se identificar.

O Tribuna do Ceará entrou em contato com a assessoria de comunicação da Polícia Federal, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

Entenda

No último domingo (1º), a universitária Yrna Castro foi encontrada morta dentro do carro do seu namorado Gregório Donizeti, no Bairro Dionísio Torres. De acordo com a Polícia Civil, a jovem teria morrido por overdose de morfina na madrugada de sábado, no apartamento do namorado, com quem tinha um relacionamento desde 2015.

O homem foi indiciado por ocultação de cadáver por permanecer com o corpo de Yrna por mais de 12 horas dentro do seu carro e não ter informado à polícia e aos familiares sobre a morte. Segundo a delegada Socorro Portela, Gregório informou em depoimento que os dois usaram morfina misturada a um comprimido e injetaram as substâncias na veia.

O efeito da morfina dura de 4 a 6 horas. Pode provocar alívio de alguma dor e da ansiedade, diminuindo o sentimento de desconfiança e proporcionando um misto de sensações, como bem-estar, tranquilidade, sonolência e até depressão.

Acompanhe o caso:

6 de maio – Pai de empresário já havia pedido à Justiça a interdição do filho, devido ao vício em drogas

5 de maio – Para advogado, internação de namorado de universitária morta é para atrapalhar a polícia

5 de maio – Campanha no Facebook questiona hematomas no corpo de jovem achada morta em porta-malas

4 de maio – Perito e delegada afirmam que não viram hematomas no corpo de universitária

4 de maio – Amigas de universitária achada morta em porta-malas cobram maior investigação

4 de maio – “Ela nunca falou sobre drogas”, diz amiga íntima de universitária achada morta em porta-malas

3 de maio – Namorado diz à Polícia que tentou se matar após ver universitária morta no carro

3 de maio – Familiares apontam hematomas no corpo de universitária encontrada morta em porta-malas

3 de maio – Universitária encontrada em porta-malas do carro do namorado teria injetado morfina

2 de maio – Universitária é encontrada morta no porta-malas do carro do namorado