Casos de assaltos com faca aumentam procura por curso de defesa pessoal do Krav Maga


Casos de assaltos com faca aumentam procura por curso de defesa pessoal do Krav Maga

Tanto a Polícia quanto os instrutores de Krav Maga, luta israelense, orientam: o cidadão comum não deve reagir a assalto com faca

Por Renata Monte em Segurança Pública

29 de maio de 2015 às 07:00

Há 4 anos
A técnica alia os movimentos naturais do corpo com as leis da física (FOTO: Arquivo pessoal)

A técnica alia os movimentos naturais do corpo com as leis da física (FOTO: Arquivo pessoal)

Nas últimas semanas, foram vários os registros de assaltos com facas no Brasil. Com isso, as ocorrências passaram a ganhar maior visibilidade em Fortaleza. O Krav Maga é uma técnica de defesa israelense que tem em seu módulo aulas de proteção em assaltos desse tipo, segundo explica o professor faixa preta Fred Carneiro. Porém, tanto ele quanto a polícia alertam: um cidadão comum não deve reagir a ataque com faca.

Fred, vice-presidente da Federação Sul Americana de Krav Maga, explica que a técnica não é uma luta e nem uma arte marcial. É considerada uma arte de defesa pessoal, que possui comportamento, objetivo e ponto de partida diferentes. “A arte marcial é ofensiva. O Krav é uma técnica para uma situação real, sem juiz, sem proteção, sem regras, para se defender de qualquer tipo de ameaça ou agressão”.

O professor afirma que é cada vez maior o número de relatos, entre seus alunos, dos ataques com facas em Fortaleza. O curso é sempre procurado após índices de violência na cidade. “Há um tempo atrás, tinha muito arrastão. Depois surgiu a onda de sequestros relâmpagos. Agora é isso com facas. As pessoas procuram aprender a técnica por medo, por insegurança”, explica Fred que diz que qualquer pessoa pode aprender Krav Maga independente do biotipo, sexo ou idade.

“Há um tempo atrás, tinha muito arrastão. Depois surgiu a onda de sequestros relâmpagos. Agora é isso com facas”. (Fred Carneiro)

A Polícia do Estado do Ceará orienta a nunca reagir em um assalto e, antes que pensem errado sobre o Krav Maga, Fred se adianta e explica que também não incentiva que as pessoas reajam sempre. É preciso entender sobre a técnica. “Quando a polícia fala na mídia, ela está falando com todo mundo, então ela precisa nivelar por baixo. Sempre vão dizer para não reagir. A nossa frase é que você tem que reagir, mas a reação que deve-se tomar é de uma atitude consciente diante de um estímulo ameaçador”.

Sem importar biotipo, sexo ou idade, qualquer pessoa pode aprender a arte (FOTO: Arquivo pessoal)

Sem importar biotipo, sexo ou idade, qualquer pessoa pode aprender a arte (FOTO: Arquivo pessoal)

Antes de reagir, é preciso avaliar o tipo de ameaça, se é possível fazer algo, se colocará a vida de outra pessoa em perigo, se o assaltante ou agressor não possui outra arma. “No treino, aprendemos a pensar em tudo isso de forma rápida. Isso é ter uma reação consciente. É diferente de você entrar em pânico e fazer besteira. Todo mundo pode reagir, mas é preciso saber o que fazer”, conscientiza o professor.

Fred assegura que todas as pessoas podem tornar-se aptas a se defenderem. O curso é muito procurado, principalmente, por mulheres. Ele afirma que com pelo menos oito meses de treino, uma pessoa já possui noção da técnica, da velocidade de uma reação e do controle emocional que é necessário para não se precipitar. Quanto mais treino, melhor é o desenvolvimento.

Questionado sobre o possível estímulo à violência que o Krav Maga pode causar, o professor é enfático. “Não damos aulas para gente baixa, gente que não tem caráter. É preciso ter bom senso. Portanto, o público do Krav é formado por pessoas que não gostam de violência, mas também não aturam serem violentadas”. Ele ainda compara a técnica a um plano de saúde, onde a pessoa faz por garantia. “Você faz, torcendo para que nada aconteça, torcendo para não ter que usar”.

A Polícia do Estado do Ceará orienta a nunca reagir em um assalto.

Fred defende que não há casos de violência com praticantes da arte e que, antes de mais nada, ajuda a formar bons cidadãos. “Estimulados a fazer e a pensar da forma certa. O país tem leis que devem ser respeitadas. Somos educadores também”.

A origem do Krav Maga

O Krav Maga é a única técnica reconhecida mundialmente como arte de defesa pessoal, criada nos anos 40 por Imi Lichtenfeld e adotada como filosofia de defesa das Forças Armadas de Israel.

No início dos anos 70, Imi disponibilizou a técnica do Krav Maga para o mundo, mostrando ao cidadão comum como se defender em situações de violência do dia a dia. Os ensinamentos chegaram ao Brasil em 1990, através do mestre Kobi Lichtenstein, discípulo direto de Imi. Foi o primeiro faixa-preta autorizado pelo Governo de Israel a deixar o país e lecionar no Brasil.

A técnica se dá a partir dos movimentos naturais do próprio corpo somados com as leis da física, que multiplicam a potência e a eficiência dos golpes. A reação deve ser sempre proporcional à agressão, para eliminar o risco de um novo ataque e sem extrapolar, para não cometer uma violência desnecessária. Ao aluno sempre é lembrado que as técnicas de defesa e reação do Krav Maga só devem ser usadas em situações reais de legítima defesa.

Publicidade

Dê sua opinião

Casos de assaltos com faca aumentam procura por curso de defesa pessoal do Krav Maga

Tanto a Polícia quanto os instrutores de Krav Maga, luta israelense, orientam: o cidadão comum não deve reagir a assalto com faca

Por Renata Monte em Segurança Pública

29 de maio de 2015 às 07:00

Há 4 anos
A técnica alia os movimentos naturais do corpo com as leis da física (FOTO: Arquivo pessoal)

A técnica alia os movimentos naturais do corpo com as leis da física (FOTO: Arquivo pessoal)

Nas últimas semanas, foram vários os registros de assaltos com facas no Brasil. Com isso, as ocorrências passaram a ganhar maior visibilidade em Fortaleza. O Krav Maga é uma técnica de defesa israelense que tem em seu módulo aulas de proteção em assaltos desse tipo, segundo explica o professor faixa preta Fred Carneiro. Porém, tanto ele quanto a polícia alertam: um cidadão comum não deve reagir a ataque com faca.

Fred, vice-presidente da Federação Sul Americana de Krav Maga, explica que a técnica não é uma luta e nem uma arte marcial. É considerada uma arte de defesa pessoal, que possui comportamento, objetivo e ponto de partida diferentes. “A arte marcial é ofensiva. O Krav é uma técnica para uma situação real, sem juiz, sem proteção, sem regras, para se defender de qualquer tipo de ameaça ou agressão”.

O professor afirma que é cada vez maior o número de relatos, entre seus alunos, dos ataques com facas em Fortaleza. O curso é sempre procurado após índices de violência na cidade. “Há um tempo atrás, tinha muito arrastão. Depois surgiu a onda de sequestros relâmpagos. Agora é isso com facas. As pessoas procuram aprender a técnica por medo, por insegurança”, explica Fred que diz que qualquer pessoa pode aprender Krav Maga independente do biotipo, sexo ou idade.

“Há um tempo atrás, tinha muito arrastão. Depois surgiu a onda de sequestros relâmpagos. Agora é isso com facas”. (Fred Carneiro)

A Polícia do Estado do Ceará orienta a nunca reagir em um assalto e, antes que pensem errado sobre o Krav Maga, Fred se adianta e explica que também não incentiva que as pessoas reajam sempre. É preciso entender sobre a técnica. “Quando a polícia fala na mídia, ela está falando com todo mundo, então ela precisa nivelar por baixo. Sempre vão dizer para não reagir. A nossa frase é que você tem que reagir, mas a reação que deve-se tomar é de uma atitude consciente diante de um estímulo ameaçador”.

Sem importar biotipo, sexo ou idade, qualquer pessoa pode aprender a arte (FOTO: Arquivo pessoal)

Sem importar biotipo, sexo ou idade, qualquer pessoa pode aprender a arte (FOTO: Arquivo pessoal)

Antes de reagir, é preciso avaliar o tipo de ameaça, se é possível fazer algo, se colocará a vida de outra pessoa em perigo, se o assaltante ou agressor não possui outra arma. “No treino, aprendemos a pensar em tudo isso de forma rápida. Isso é ter uma reação consciente. É diferente de você entrar em pânico e fazer besteira. Todo mundo pode reagir, mas é preciso saber o que fazer”, conscientiza o professor.

Fred assegura que todas as pessoas podem tornar-se aptas a se defenderem. O curso é muito procurado, principalmente, por mulheres. Ele afirma que com pelo menos oito meses de treino, uma pessoa já possui noção da técnica, da velocidade de uma reação e do controle emocional que é necessário para não se precipitar. Quanto mais treino, melhor é o desenvolvimento.

Questionado sobre o possível estímulo à violência que o Krav Maga pode causar, o professor é enfático. “Não damos aulas para gente baixa, gente que não tem caráter. É preciso ter bom senso. Portanto, o público do Krav é formado por pessoas que não gostam de violência, mas também não aturam serem violentadas”. Ele ainda compara a técnica a um plano de saúde, onde a pessoa faz por garantia. “Você faz, torcendo para que nada aconteça, torcendo para não ter que usar”.

A Polícia do Estado do Ceará orienta a nunca reagir em um assalto.

Fred defende que não há casos de violência com praticantes da arte e que, antes de mais nada, ajuda a formar bons cidadãos. “Estimulados a fazer e a pensar da forma certa. O país tem leis que devem ser respeitadas. Somos educadores também”.

A origem do Krav Maga

O Krav Maga é a única técnica reconhecida mundialmente como arte de defesa pessoal, criada nos anos 40 por Imi Lichtenfeld e adotada como filosofia de defesa das Forças Armadas de Israel.

No início dos anos 70, Imi disponibilizou a técnica do Krav Maga para o mundo, mostrando ao cidadão comum como se defender em situações de violência do dia a dia. Os ensinamentos chegaram ao Brasil em 1990, através do mestre Kobi Lichtenstein, discípulo direto de Imi. Foi o primeiro faixa-preta autorizado pelo Governo de Israel a deixar o país e lecionar no Brasil.

A técnica se dá a partir dos movimentos naturais do próprio corpo somados com as leis da física, que multiplicam a potência e a eficiência dos golpes. A reação deve ser sempre proporcional à agressão, para eliminar o risco de um novo ataque e sem extrapolar, para não cometer uma violência desnecessária. Ao aluno sempre é lembrado que as técnicas de defesa e reação do Krav Maga só devem ser usadas em situações reais de legítima defesa.