4 agentes penitenciários são investigados por facilitar entrada de celulares em presídios

CORRUPÇÃO

4 agentes penitenciários são investigados por facilitar entrada de celulares em presídios

Penas brandas estimulam entrada irregular de celulares em presídios, aponta especialista. Em 2016, 4.500 celulares foram apreendidos com detentos

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

1 de agosto de 2017 às 06:30

Há 2 anos
Em média, doze celulares por dia foram apreendidos em unidades prisionais no Estado em 2016 (FOTO: Divulgação/Sejus)

Em média, doze celulares por dia foram apreendidos em unidades prisionais no Estado em 2016 (FOTO: Divulgação/Sejus)

Atualmente, quatro agentes penitenciários são investigados administrativamente por envolvimento em esquemas de facilitação da entrada de aparelhos celulares em presídios.

O último caso ocorreu na semana passada. Os demais casos tiveram os inquéritos instaurados em 2016.

Especialistas afirmam que a brandeza das penas para as infrações estimula os atos. O advogado Walmir Medeiros explica à reportagem da rádio Tribuna Bandnews que agentes penitenciários flagrados no delito podem ser indiciados apenas por prevaricação. Já os familiares que levarem os materiais ilícitos respondem apenas por favorecimento.

No caso do dia 24 de julho, a polícia descobriu o a esquema de corrupção ao encontrar cocaína com um motociclista durante uma blitz. O homem afirmou que entregaria a droga ao agente penitenciário Luiz Fernandes da Costa.

No carro dele, a PM encontrou vários telefones celulares escondidos. O destino dos objetos ilícitos seria a unidade prisional Desembargador Francisco Adalberto Barros de Oliveira Leal, conhecida como “Carrapicho”, em Caucaia (Grande Fortaleza)

Só em 2016, foram 4.500 celulares apreendidos com detentos em unidades prisionais do Ceará — uma média de 12 por dia.

Confira abaixo a reportagem de Tiago Lima, da Tribuna Bandnews FM:

Publicidade

Dê sua opinião

CORRUPÇÃO

4 agentes penitenciários são investigados por facilitar entrada de celulares em presídios

Penas brandas estimulam entrada irregular de celulares em presídios, aponta especialista. Em 2016, 4.500 celulares foram apreendidos com detentos

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

1 de agosto de 2017 às 06:30

Há 2 anos
Em média, doze celulares por dia foram apreendidos em unidades prisionais no Estado em 2016 (FOTO: Divulgação/Sejus)

Em média, doze celulares por dia foram apreendidos em unidades prisionais no Estado em 2016 (FOTO: Divulgação/Sejus)

Atualmente, quatro agentes penitenciários são investigados administrativamente por envolvimento em esquemas de facilitação da entrada de aparelhos celulares em presídios.

O último caso ocorreu na semana passada. Os demais casos tiveram os inquéritos instaurados em 2016.

Especialistas afirmam que a brandeza das penas para as infrações estimula os atos. O advogado Walmir Medeiros explica à reportagem da rádio Tribuna Bandnews que agentes penitenciários flagrados no delito podem ser indiciados apenas por prevaricação. Já os familiares que levarem os materiais ilícitos respondem apenas por favorecimento.

No caso do dia 24 de julho, a polícia descobriu o a esquema de corrupção ao encontrar cocaína com um motociclista durante uma blitz. O homem afirmou que entregaria a droga ao agente penitenciário Luiz Fernandes da Costa.

No carro dele, a PM encontrou vários telefones celulares escondidos. O destino dos objetos ilícitos seria a unidade prisional Desembargador Francisco Adalberto Barros de Oliveira Leal, conhecida como “Carrapicho”, em Caucaia (Grande Fortaleza)

Só em 2016, foram 4.500 celulares apreendidos com detentos em unidades prisionais do Ceará — uma média de 12 por dia.

Confira abaixo a reportagem de Tiago Lima, da Tribuna Bandnews FM: