Especialista alerta que maior infestação de Aedes aegypti está dentro das casas

COMBATE AO MOSQUITO

Especialista alerta que maior infestação de Aedes aegypti está dentro das casas

Médico indica a importância do controle dentro das residências e chama atenção das autoridades para que o combate ao mosquito não seja feito apenas em período de surto 

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

6 de maio de 2017 às 10:17

Há 2 anos
Ivo Castelo Branco chama atenção para o controle ininterrupto ao mosquito (FOTO: Júnior Panela/UFC)

Ivo Castelo Branco chama atenção para o controle ininterrupto ao mosquito (FOTO: Júnior Panela/UFC)

O coordenador do Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Federal do Ceará (UFC), Ivo Castelo Branco, afirmou em entrevista à Tribuna BandNews FM que 80% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências. “Não dá para ter um funcionário público em cada casa, ao mesmo tempo que não se pode transferir a responsabilidade simplesmente para a população porque o foco está dentro das casas das pessoas”.

A declaração do médico é a mesma feita por Roberto Cláudio sobre a febre chikungunya. Na quinta-feira (5), o prefeito alertou a população do problema domiciliar e da importância do combate dentro das residências. “O grande problema ainda é domiciliar. O combate tem que ser dentro das residências, nos condomínios, fizemos uma pesquisa e comprovamos que 81% dos casos da doença aconteceram dentro de casa”, afirmou o prefeito, aproveitando para indicar a necessidade de a população abraçar essa guerra. “O combate maior tem que ser dentro de casa. Até atrás da geladeira, que acumula água e pode criar o mosquito”.

Prevenção

Segundo Ivo Castelo Branco, não há um tratamento capaz de curar a infecção de forma imediata, nem vacinas voltadas para preveni-la. Por isso, eliminar o mosquito Aedes aegpyt continua sendo a melhor forma de combater a doença. “O que tem que fazer é se manter o controle do mosquito, tem que ter estratégia regionalizada, então cada local tem peculiaridades, que têm que ser atendidas, e temos que ter conhecimento para atuar”, afirma. 

O especialista alerta as autoridades de que o combate não deve ser feito apenas em período de surto. “O controle do mosquito tem que ser ininterrupto, independente se estão tendo casos ou não”.

De acordo com Ivo, o aumento de casos da chikungunya no Ceará pode ser ainda mais preocupante. A infestação da doença pode ser até 20 vezes maior que os dados oficiais, que apontam uma média de 92 casos para cada 100 mil cearenses.

“Em trabalhos anteriores, a gente chegou a achar que os dados eram de 10 a 20 vezes menores que os reais, porque nem todos fazem exames, nem todos procuram médico. As pessoas acabam usando receitas de um parente da família, então a gente acaba sem ter o dado real”, conclui.

Veja mais detalhes na entrevista concedida ao repórter Jackson de Moura, da Tribuna BandNews FM:


Confira o especial feito pelo Tribuna do Ceará:
“Quem mata o mosquito”

Publicidade

Dê sua opinião

COMBATE AO MOSQUITO

Especialista alerta que maior infestação de Aedes aegypti está dentro das casas

Médico indica a importância do controle dentro das residências e chama atenção das autoridades para que o combate ao mosquito não seja feito apenas em período de surto 

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

6 de maio de 2017 às 10:17

Há 2 anos
Ivo Castelo Branco chama atenção para o controle ininterrupto ao mosquito (FOTO: Júnior Panela/UFC)

Ivo Castelo Branco chama atenção para o controle ininterrupto ao mosquito (FOTO: Júnior Panela/UFC)

O coordenador do Núcleo de Medicina Tropical da Universidade Federal do Ceará (UFC), Ivo Castelo Branco, afirmou em entrevista à Tribuna BandNews FM que 80% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão dentro das residências. “Não dá para ter um funcionário público em cada casa, ao mesmo tempo que não se pode transferir a responsabilidade simplesmente para a população porque o foco está dentro das casas das pessoas”.

A declaração do médico é a mesma feita por Roberto Cláudio sobre a febre chikungunya. Na quinta-feira (5), o prefeito alertou a população do problema domiciliar e da importância do combate dentro das residências. “O grande problema ainda é domiciliar. O combate tem que ser dentro das residências, nos condomínios, fizemos uma pesquisa e comprovamos que 81% dos casos da doença aconteceram dentro de casa”, afirmou o prefeito, aproveitando para indicar a necessidade de a população abraçar essa guerra. “O combate maior tem que ser dentro de casa. Até atrás da geladeira, que acumula água e pode criar o mosquito”.

Prevenção

Segundo Ivo Castelo Branco, não há um tratamento capaz de curar a infecção de forma imediata, nem vacinas voltadas para preveni-la. Por isso, eliminar o mosquito Aedes aegpyt continua sendo a melhor forma de combater a doença. “O que tem que fazer é se manter o controle do mosquito, tem que ter estratégia regionalizada, então cada local tem peculiaridades, que têm que ser atendidas, e temos que ter conhecimento para atuar”, afirma. 

O especialista alerta as autoridades de que o combate não deve ser feito apenas em período de surto. “O controle do mosquito tem que ser ininterrupto, independente se estão tendo casos ou não”.

De acordo com Ivo, o aumento de casos da chikungunya no Ceará pode ser ainda mais preocupante. A infestação da doença pode ser até 20 vezes maior que os dados oficiais, que apontam uma média de 92 casos para cada 100 mil cearenses.

“Em trabalhos anteriores, a gente chegou a achar que os dados eram de 10 a 20 vezes menores que os reais, porque nem todos fazem exames, nem todos procuram médico. As pessoas acabam usando receitas de um parente da família, então a gente acaba sem ter o dado real”, conclui.

Veja mais detalhes na entrevista concedida ao repórter Jackson de Moura, da Tribuna BandNews FM:


Confira o especial feito pelo Tribuna do Ceará:
“Quem mata o mosquito”