Votação de projeto de lei que dá incentivos fiscais a termelétricas é adiada após protesto

CAUSA AMBIENTAL

Votação de projeto de lei que dá incentivos fiscais a termelétricas é adiada após protesto

Manifestantes afirmaram que a decisão causará impacto ao meio ambiente

Por Tribuna Bandnews FM em Política

30 de abril de 2016 às 06:00

Há 3 anos
Projeto deve ser votado na próxima semana (FOTO: Divulgação/AL)

Projeto deve ser votado na próxima semana (FOTO: Divulgação/AL)

Foi adiada para a próxima semana a votação do projeto de lei, enviado pelo governador Camilo Santana (PT), em fevereiro deste ano, que visa a reduzir 58,8% do ICMS para empresas que instalarem usinas termelétricas de gás natural no Ceará. A informação é da Rádio Tribuna BandNews FM.

A matéria, que seria votada nesta quinta-feira (28), foi adiada por decisão do colégio de líderes que estabelece que os projetos aprovados na quarta-feira só devem ser votados na semana seguinte.

Em protesto à medida, movimentos ligados à causa ambiental, com o apoio de grupos indígenas e estudantis ocuparam as galerias da Assembleia durante a sessão plenária. Os manifestantes alegaram os impactos ao meio ambiente que a construção da termelétrica pode trazer.

Questões que também são levantadas por deputados da oposição, como Renato Roseno (Psol). Ele considera que a vinda de uma termelétrica vai levar o estado ao retrocesso. “O mundo inteiro está vendo a necessidade de migrar para energias limpas. Estamos sofrendo com muitos desastres ambientais, secas muito severas em algumas partes do mundo, inclusive no semiárido nordestino, e o governo quer atrair uma energia que gasta muita água e que polui mais o meio ambiente”.

Já a base governista avalia como importante a instalação desse tipo de usina no Ceará. O vice-líder do governo, deputado Leonardo Pinheiro (PP), defende que a redução do ICMS não vai impactar nos cofres públicos e que as termelétricas vão garantir maior eficiência energética. “Serão métodos mais modernos, como a construção de uma estação de tratamento de água para reutilizar as águas das termelétricas”.

Ano passado, durante o Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu a reduzir até 2030 as emissões de gases de efeito estufa em 43%.

Ouças as entrevistas concedidas à Rádio Tribuna BandNews FM:

 

 

Publicidade

Dê sua opinião

CAUSA AMBIENTAL

Votação de projeto de lei que dá incentivos fiscais a termelétricas é adiada após protesto

Manifestantes afirmaram que a decisão causará impacto ao meio ambiente

Por Tribuna Bandnews FM em Política

30 de abril de 2016 às 06:00

Há 3 anos
Projeto deve ser votado na próxima semana (FOTO: Divulgação/AL)

Projeto deve ser votado na próxima semana (FOTO: Divulgação/AL)

Foi adiada para a próxima semana a votação do projeto de lei, enviado pelo governador Camilo Santana (PT), em fevereiro deste ano, que visa a reduzir 58,8% do ICMS para empresas que instalarem usinas termelétricas de gás natural no Ceará. A informação é da Rádio Tribuna BandNews FM.

A matéria, que seria votada nesta quinta-feira (28), foi adiada por decisão do colégio de líderes que estabelece que os projetos aprovados na quarta-feira só devem ser votados na semana seguinte.

Em protesto à medida, movimentos ligados à causa ambiental, com o apoio de grupos indígenas e estudantis ocuparam as galerias da Assembleia durante a sessão plenária. Os manifestantes alegaram os impactos ao meio ambiente que a construção da termelétrica pode trazer.

Questões que também são levantadas por deputados da oposição, como Renato Roseno (Psol). Ele considera que a vinda de uma termelétrica vai levar o estado ao retrocesso. “O mundo inteiro está vendo a necessidade de migrar para energias limpas. Estamos sofrendo com muitos desastres ambientais, secas muito severas em algumas partes do mundo, inclusive no semiárido nordestino, e o governo quer atrair uma energia que gasta muita água e que polui mais o meio ambiente”.

Já a base governista avalia como importante a instalação desse tipo de usina no Ceará. O vice-líder do governo, deputado Leonardo Pinheiro (PP), defende que a redução do ICMS não vai impactar nos cofres públicos e que as termelétricas vão garantir maior eficiência energética. “Serão métodos mais modernos, como a construção de uma estação de tratamento de água para reutilizar as águas das termelétricas”.

Ano passado, durante o Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu a reduzir até 2030 as emissões de gases de efeito estufa em 43%.

Ouças as entrevistas concedidas à Rádio Tribuna BandNews FM: