Relator da reforma política propõe extinção do cargo de suplente de senador - Noticias


Relator da reforma política propõe extinção do cargo de suplente de senador

O projeto de reforma política que o deputado Henrique Fontana (PT-RS) vai propor à Câmara na primeira semana de agosto prevê a extinção do cargo de suplente de senador. A proposta do relator é para que o deputado federal mais votado assuma o cargo vago de senador, em um mandato tampão

Por Felipe Lima e Thamiris Treigher em Política

9 de julho de 2011 às 17:19

Há 8 anos

O projeto de reforma política que o deputado Henrique Fontana (PT-RS) vai propor à Câmara na primeira semana de agosto prevê a extinção do cargo de suplente de senador. A proposta do relator é para que o deputado federal mais votado assuma o cargo vago de senador, em um mandato tampão, até as eleições seguintes, mesmo que sejam municipais, quando seria realizada uma nova eleição para preencher a vaga.

Financiamento de campanha

Outra proposta que deverá estar no relatório de Fontana é a que prevê o financiamento público exclusivo de campanha eleitoral. O dinheiro viria da criação de um fundo, com recursos públicos, para que os partidos, com base na representação no Congresso, possam bancar as campanhas eleitorais.

Sistema eleitoral misto

O sistema eleitoral misto também estará sob análise dos deputados. A ideia é criar um sistema duplo de votação, em que o eleitor vota primeiro no partido e depois no candidato. “Com isso, não se retira o direito do eleitor de escolher seu candidato e cria uma cultura importante: o eleitor deve se preocupar com o candidato e também com o partido”, explicou o relator.

Adiamento

Fontana pretendia apresentar o relatório ainda no primeiro semestre, mas preferiu adiar para aprofundar as discussões sobre o assunto. “Meu papel como relator é apresentar um relatório que tenha grandes chances de ser aprovado. Eu precisava de um tempo para garantir as negociações sem açodamento”, comentou. O deputado disse ainda que a expectativa é que o projeto de reforma política comece a valer a partir de 2014. “Para não haver açodamento nas eleições municipais do ano que vem”, explicou Fontana.

Leia mais:
Reforma administrativa do Senado deve acabar com supersalários

Com informações da Agência Brasil

Publicidade

Dê sua opinião

Relator da reforma política propõe extinção do cargo de suplente de senador

O projeto de reforma política que o deputado Henrique Fontana (PT-RS) vai propor à Câmara na primeira semana de agosto prevê a extinção do cargo de suplente de senador. A proposta do relator é para que o deputado federal mais votado assuma o cargo vago de senador, em um mandato tampão

Por Felipe Lima e Thamiris Treigher em Política

9 de julho de 2011 às 17:19

Há 8 anos

O projeto de reforma política que o deputado Henrique Fontana (PT-RS) vai propor à Câmara na primeira semana de agosto prevê a extinção do cargo de suplente de senador. A proposta do relator é para que o deputado federal mais votado assuma o cargo vago de senador, em um mandato tampão, até as eleições seguintes, mesmo que sejam municipais, quando seria realizada uma nova eleição para preencher a vaga.

Financiamento de campanha

Outra proposta que deverá estar no relatório de Fontana é a que prevê o financiamento público exclusivo de campanha eleitoral. O dinheiro viria da criação de um fundo, com recursos públicos, para que os partidos, com base na representação no Congresso, possam bancar as campanhas eleitorais.

Sistema eleitoral misto

O sistema eleitoral misto também estará sob análise dos deputados. A ideia é criar um sistema duplo de votação, em que o eleitor vota primeiro no partido e depois no candidato. “Com isso, não se retira o direito do eleitor de escolher seu candidato e cria uma cultura importante: o eleitor deve se preocupar com o candidato e também com o partido”, explicou o relator.

Adiamento

Fontana pretendia apresentar o relatório ainda no primeiro semestre, mas preferiu adiar para aprofundar as discussões sobre o assunto. “Meu papel como relator é apresentar um relatório que tenha grandes chances de ser aprovado. Eu precisava de um tempo para garantir as negociações sem açodamento”, comentou. O deputado disse ainda que a expectativa é que o projeto de reforma política comece a valer a partir de 2014. “Para não haver açodamento nas eleições municipais do ano que vem”, explicou Fontana.

Leia mais:
Reforma administrativa do Senado deve acabar com supersalários

Com informações da Agência Brasil