Ex-policiais são eleitos deputados no Ceará


Reflexo da violência, ex-policiais são os deputados mais votados no Ceará

Moroni e Capitão Wagner foram os mais votados para deputado federal e deputado estadual, respectivamente

Por Hayanne Narlla em Política

9 de outubro de 2014 às 20:00

Há 5 anos
Moroni é ex-policial federal e fez campanha "pela vida" (FOTO: Reprodução Facebook)

Moroni é ex-policial federal e fez campanha “pela vida” (FOTO: Reprodução Facebook)

Cearenses elegeram três parlamentares ligados à categoria da polícia neste ano. Moroni Torgan (DEM) e Capitão Wagner (PR) foram os mais votados para deputado federal e deputado estadual, respectivamente. Além deles, Cabo Sabino (PR) também conseguiu uma vaga na Câmara Federal.

Uma curiosidade é que todos os três fazem parte de coligação de oposição ao atual governador do Ceará, Cid Gomes (Pros). Mesmo assim, pessoalmente, Moroni já escolheu sua preferência: Camilo Santana (PT).

Já os candidatos que fazem parte dos partidos aliados ao governo não conseguiram os votos necessários. Coronel Bezerra (Pros) e Delegado Dantas (PPS) não foram eleitos, talvez pela imagem já arranhada.

Cabo SAbino e Capitão Wagner fizeram campanha juntos (FOTO: Reprodução Facebook)

Cabo SAbino e Capitão Wagner fizeram campanha juntos (FOTO: Reprodução Facebook)

Motivação

A possível motivação para que esse ex-policiais fossem eleitos é o problema de segurança enfrentado no estado. De janeiro a agosto de 2014, Fortaleza registrou 1.372 homicídios. Esse número é 36% a mais do que o da cidade de São Paulo, com 867 homicídios. O detalhe é que a capital paulista tem o número da população cinco vezes maior.

Carla Michele Quaresma, cientista política, analisa que os candidatos ligados à área de segurança “falam exatamente aquilo que as pessoas querem ouvir”, como penas mais duras e redução da maioridade penal. Ela ainda analisa que as candidaturas da categoria ligada à coligação do governo pode ter sido uma estratégia para pulverizar os votos, que possivelmente estariam direcionados para uma opção.

Para os novos parlamentares, o maior desafio é reduzir os números de crimes, gerando sensação de segurança entre cearenses. “A política de segurança tem que ser articulada com outros setores da sociedade para que de fato a gente tenha uma política eficiente e consiga diminuir esses índices vergonhosos para o estado do Ceará”, finaliza.

Confira a matéria:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15229478″]

Publicidade

Dê sua opinião

Reflexo da violência, ex-policiais são os deputados mais votados no Ceará

Moroni e Capitão Wagner foram os mais votados para deputado federal e deputado estadual, respectivamente

Por Hayanne Narlla em Política

9 de outubro de 2014 às 20:00

Há 5 anos
Moroni é ex-policial federal e fez campanha "pela vida" (FOTO: Reprodução Facebook)

Moroni é ex-policial federal e fez campanha “pela vida” (FOTO: Reprodução Facebook)

Cearenses elegeram três parlamentares ligados à categoria da polícia neste ano. Moroni Torgan (DEM) e Capitão Wagner (PR) foram os mais votados para deputado federal e deputado estadual, respectivamente. Além deles, Cabo Sabino (PR) também conseguiu uma vaga na Câmara Federal.

Uma curiosidade é que todos os três fazem parte de coligação de oposição ao atual governador do Ceará, Cid Gomes (Pros). Mesmo assim, pessoalmente, Moroni já escolheu sua preferência: Camilo Santana (PT).

Já os candidatos que fazem parte dos partidos aliados ao governo não conseguiram os votos necessários. Coronel Bezerra (Pros) e Delegado Dantas (PPS) não foram eleitos, talvez pela imagem já arranhada.

Cabo SAbino e Capitão Wagner fizeram campanha juntos (FOTO: Reprodução Facebook)

Cabo SAbino e Capitão Wagner fizeram campanha juntos (FOTO: Reprodução Facebook)

Motivação

A possível motivação para que esse ex-policiais fossem eleitos é o problema de segurança enfrentado no estado. De janeiro a agosto de 2014, Fortaleza registrou 1.372 homicídios. Esse número é 36% a mais do que o da cidade de São Paulo, com 867 homicídios. O detalhe é que a capital paulista tem o número da população cinco vezes maior.

Carla Michele Quaresma, cientista política, analisa que os candidatos ligados à área de segurança “falam exatamente aquilo que as pessoas querem ouvir”, como penas mais duras e redução da maioridade penal. Ela ainda analisa que as candidaturas da categoria ligada à coligação do governo pode ter sido uma estratégia para pulverizar os votos, que possivelmente estariam direcionados para uma opção.

Para os novos parlamentares, o maior desafio é reduzir os números de crimes, gerando sensação de segurança entre cearenses. “A política de segurança tem que ser articulada com outros setores da sociedade para que de fato a gente tenha uma política eficiente e consiga diminuir esses índices vergonhosos para o estado do Ceará”, finaliza.

Confira a matéria:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15229478″]