Encontro do PT em Fortaleza reúne citados no escândalo da Petrobrás


Encontro do PT em Fortaleza reúne citados no escândalo da Petrobrás

Partido dedicou parte do encontro nacional ao debate sobre escândalo da Petrobrás, apontado como desafio político para PT nos próximos anos

Por Pedro Alves em Política

29 de novembro de 2014 às 02:53

Há 5 anos
20141128_202927

Dilma discursa em encontro nacional do PT (foto: Tribuna do CE)

O diretório do PT deve aprovar em Fortaleza, neste sábado, uma resolução partidária trazendo posicionamento da legenda sobre o escândalo da Petrobras. O assunto virou uma das pautas do encontro nacional do PT, que acontece nesta sexta-feira (28) e sábado (29) na capital cearense.

Segundo o deputado federal José Guimarães (PT), a reunião na tarde desta sexta tratou de desafios políticos da legenda, entre eles, a necessidade de fazer uma “crítica profunda” aos dirigentes da Petrobrás que tem participação no escândalo.

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, apontado como operador do partido no esquema, compareceu ao encontro mas fugiu da imprensa. Abordado duas vezes pelo Tribuna do Ceará, ele virou as costas e se retirou, sem dar declarações. O líder da legenda no senado, Humberto Costa, que teve o nome relacionado entre beneficiados pelo esquema, também participou da discussão, realizada em um hotel de luxo na avenida Beira Mar.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a campanha eleitoral de Costa em 2010 teria sido bancada por dinheiro irregular, oriundo do esquema, de acordo com declarações do delator Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobrás

O ministro Ricardo Berzoini, da Secretaria de Relações Institucionais, afirmou que parte das informações que seriam oriundas da delação de Paulo Roberto não são verdadeiras

“Enquanto nós tivemos vazamentos seletivos, o povo não conhecerá a verdade. Até porque já saiu muita coisa na imprensa, que não tem a menor base de fundamento […] Vamos aguardar serenamente que no momento apropriado a Procuradoria-Geral da República vai divulgar quem eventualmente tem envolvimento e quem não tem”

A presidente Dilma Rousseff (PT) chegou ao encontro por volta das 19h40, durante momento “festivo” do encontro nacional. No discurso, ela defendeu o combate à corrupção e a reforma política.

Em linhas gerais, Dilma defendeu mudanças nas eleições proporcionais (aquelas para vereador, deputados estaduais e federais), além do fim do modelo atual de financiamento de campanha por empresas. Dilma, porém, não deu detalhes de que modelo de financiamento ela defende para o sistema eleitoral. Ricardo Berzoini lembrou que Dilma já manifestou interesse de começar as discussões sobre reforma política logo no próximo ano (2015).

Economia

Em discurso, a presidente defendeu que mudanças econômicas ocorram gradativamente. “Eu nunca neguei a necessidade de melhorar a economia para que voltemos a crescer. Será sempre uma necessidade, nós sempre teremos que melhorar. Nós nunca poderemos deitar em berço esplendido, apesar do hino”.

Sobre montagem de sua segunda gestão, Dilma afirmou que a representação dos aliados será dimensionada de acordo com a capacidade do governo. “Esses partidos aliados vão estar representados no governo, todos eles, de uma forma, obviamente, que dê conta da capacidade do governo de representar o conjunto dessa coligação e dessa aliança”.

O governador eleito do Ceará Camilo Santana, anfitrião do anfitrião do encontro, discursou rapidamente, prometendo fidelidade a Dilma.

Publicidade

Dê sua opinião

Encontro do PT em Fortaleza reúne citados no escândalo da Petrobrás

Partido dedicou parte do encontro nacional ao debate sobre escândalo da Petrobrás, apontado como desafio político para PT nos próximos anos

Por Pedro Alves em Política

29 de novembro de 2014 às 02:53

Há 5 anos
20141128_202927

Dilma discursa em encontro nacional do PT (foto: Tribuna do CE)

O diretório do PT deve aprovar em Fortaleza, neste sábado, uma resolução partidária trazendo posicionamento da legenda sobre o escândalo da Petrobras. O assunto virou uma das pautas do encontro nacional do PT, que acontece nesta sexta-feira (28) e sábado (29) na capital cearense.

Segundo o deputado federal José Guimarães (PT), a reunião na tarde desta sexta tratou de desafios políticos da legenda, entre eles, a necessidade de fazer uma “crítica profunda” aos dirigentes da Petrobrás que tem participação no escândalo.

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, apontado como operador do partido no esquema, compareceu ao encontro mas fugiu da imprensa. Abordado duas vezes pelo Tribuna do Ceará, ele virou as costas e se retirou, sem dar declarações. O líder da legenda no senado, Humberto Costa, que teve o nome relacionado entre beneficiados pelo esquema, também participou da discussão, realizada em um hotel de luxo na avenida Beira Mar.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, a campanha eleitoral de Costa em 2010 teria sido bancada por dinheiro irregular, oriundo do esquema, de acordo com declarações do delator Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobrás

O ministro Ricardo Berzoini, da Secretaria de Relações Institucionais, afirmou que parte das informações que seriam oriundas da delação de Paulo Roberto não são verdadeiras

“Enquanto nós tivemos vazamentos seletivos, o povo não conhecerá a verdade. Até porque já saiu muita coisa na imprensa, que não tem a menor base de fundamento […] Vamos aguardar serenamente que no momento apropriado a Procuradoria-Geral da República vai divulgar quem eventualmente tem envolvimento e quem não tem”

A presidente Dilma Rousseff (PT) chegou ao encontro por volta das 19h40, durante momento “festivo” do encontro nacional. No discurso, ela defendeu o combate à corrupção e a reforma política.

Em linhas gerais, Dilma defendeu mudanças nas eleições proporcionais (aquelas para vereador, deputados estaduais e federais), além do fim do modelo atual de financiamento de campanha por empresas. Dilma, porém, não deu detalhes de que modelo de financiamento ela defende para o sistema eleitoral. Ricardo Berzoini lembrou que Dilma já manifestou interesse de começar as discussões sobre reforma política logo no próximo ano (2015).

Economia

Em discurso, a presidente defendeu que mudanças econômicas ocorram gradativamente. “Eu nunca neguei a necessidade de melhorar a economia para que voltemos a crescer. Será sempre uma necessidade, nós sempre teremos que melhorar. Nós nunca poderemos deitar em berço esplendido, apesar do hino”.

Sobre montagem de sua segunda gestão, Dilma afirmou que a representação dos aliados será dimensionada de acordo com a capacidade do governo. “Esses partidos aliados vão estar representados no governo, todos eles, de uma forma, obviamente, que dê conta da capacidade do governo de representar o conjunto dessa coligação e dessa aliança”.

O governador eleito do Ceará Camilo Santana, anfitrião do anfitrião do encontro, discursou rapidamente, prometendo fidelidade a Dilma.