Conselheiro da OAB questiona Prefeita de Fortaleza - Noticias


Conselheiro da OAB questiona Prefeita de Fortaleza

Segundo Fábio Timbó, os problemas dos buracos são causados pelo desgaste da malha viária, e não pelas intervenções realizadas pela Cagece

Por Tribuna do Ceará em Política

11 de fevereiro de 2011 às 09:52

Há 8 anos

Prefeita Luizianne Lins (Foto: Arquivo)

O coordenador das comissões de Políticas Urbanas, Direito Imobiliário e Meio Ambiente e conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Ceará, (OAB-CE), Fábio Timbó, questiona as últimas declarações da prefeita Luizianne Lins que responsabilizou a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) por 60% dos buracos que tomam conta da Capital cearense.

Para ele, os problemas dos buracos e, consequentemente, os transtornos na cidade são causados pelo desgaste da malha viária, e não pelas intervenções realizadas pela Companhia de Água.”Não podemos aceitar que a população seja induzida ao erro. Não podemos nos silenciar, quando a prefeita deveria chamar a responsabilidade para si e fazer o que determina a lei”, enfatiza Fábio Timbó.

O conselheiro garante que visitou algumas obras nas ruas e avenidas de Fortaleza e constatou que a maioria delas, como as das avenidas 13 de Maio e Abolição, fazem parte do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) e do Programa de Drenagem Urbana de Fortaleza (Drenurb), respectivamente. Ambos desenvolvidos pela Prefeitura.

De acordo com Fábio, o ideal para que a situação não seja ainda mais agravada e que tenha solução é que os órgãos envolvidos tomem medidas urgentes, como cumprimento de prazos de finalização, prestação de serviços de qualidade e uma maior fiscalização dos órgãos da Prefeitura.

O conselheiro disse ainda que, até a próxima segunda-feira (14), será realizada uma reunião interna entre integrantes das comissões de Políticas Urbanas, Direito Imobiliário e Meio Ambiente para discutir o assunto e levá-lo aos demais conselheiros da OAB-Ceará. A partir de então, será decidido quais medidas serão tomadas na busca de solução para os problemas de infraestrutura da Capital cearense.

Sobre o assunto, a coordenação de Comunicação Social da Prefeitura de Fortaleza informou que a gestão está fazendo a sua obrigação de cobrar da Cagece explicações e soluções para a situação. A assessoria afirmou estar ciente do desgaste da malha viária da Capital e que, por conta disso, diversos serviços de pavimentação e drenagem estão sendo realizados, como aqueles relacionados ao Transfor.

A assessoria de imprensa da Cagece, por sua vez, afirmou que, por orientação do governador Cid Gomes, não irá mais se pronunciar sobre o caso. Já o coordenador do Transfor, Daniel Lustosa reconhece que as intervenções causam transtornos, mas explica que é algo inevitável em obras de tal magnitude.

Com informações do Diário do Nordeste

Publicidade

Dê sua opinião

Conselheiro da OAB questiona Prefeita de Fortaleza

Segundo Fábio Timbó, os problemas dos buracos são causados pelo desgaste da malha viária, e não pelas intervenções realizadas pela Cagece

Por Tribuna do Ceará em Política

11 de fevereiro de 2011 às 09:52

Há 8 anos

Prefeita Luizianne Lins (Foto: Arquivo)

O coordenador das comissões de Políticas Urbanas, Direito Imobiliário e Meio Ambiente e conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Ceará, (OAB-CE), Fábio Timbó, questiona as últimas declarações da prefeita Luizianne Lins que responsabilizou a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) por 60% dos buracos que tomam conta da Capital cearense.

Para ele, os problemas dos buracos e, consequentemente, os transtornos na cidade são causados pelo desgaste da malha viária, e não pelas intervenções realizadas pela Companhia de Água.”Não podemos aceitar que a população seja induzida ao erro. Não podemos nos silenciar, quando a prefeita deveria chamar a responsabilidade para si e fazer o que determina a lei”, enfatiza Fábio Timbó.

O conselheiro garante que visitou algumas obras nas ruas e avenidas de Fortaleza e constatou que a maioria delas, como as das avenidas 13 de Maio e Abolição, fazem parte do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) e do Programa de Drenagem Urbana de Fortaleza (Drenurb), respectivamente. Ambos desenvolvidos pela Prefeitura.

De acordo com Fábio, o ideal para que a situação não seja ainda mais agravada e que tenha solução é que os órgãos envolvidos tomem medidas urgentes, como cumprimento de prazos de finalização, prestação de serviços de qualidade e uma maior fiscalização dos órgãos da Prefeitura.

O conselheiro disse ainda que, até a próxima segunda-feira (14), será realizada uma reunião interna entre integrantes das comissões de Políticas Urbanas, Direito Imobiliário e Meio Ambiente para discutir o assunto e levá-lo aos demais conselheiros da OAB-Ceará. A partir de então, será decidido quais medidas serão tomadas na busca de solução para os problemas de infraestrutura da Capital cearense.

Sobre o assunto, a coordenação de Comunicação Social da Prefeitura de Fortaleza informou que a gestão está fazendo a sua obrigação de cobrar da Cagece explicações e soluções para a situação. A assessoria afirmou estar ciente do desgaste da malha viária da Capital e que, por conta disso, diversos serviços de pavimentação e drenagem estão sendo realizados, como aqueles relacionados ao Transfor.

A assessoria de imprensa da Cagece, por sua vez, afirmou que, por orientação do governador Cid Gomes, não irá mais se pronunciar sobre o caso. Já o coordenador do Transfor, Daniel Lustosa reconhece que as intervenções causam transtornos, mas explica que é algo inevitável em obras de tal magnitude.

Com informações do Diário do Nordeste