Fortaleza no caminho certo: 10 ações que promoveram a mobilidade urbana


Fortaleza no caminho certo: 10 ações que promoveram a mobilidade urbana

O Tribuna do Ceará listou intervenções efetivadas nos últimos três anos para tentar diminuir os congestionamentos da capital cearense

Por Roberta Tavares e Rosana Romão em Mobilidade Urbana

31 de agosto de 2015 às 08:00

Há 4 anos

O crescimento desordenado das grandes cidades pede soluções urgentes para minimizar os efeitos caóticos do trânsito. Grandes congestionamentos, como os que existem em Fortaleza, revelam a necessidade em se pensar em alternativas para dar fluidez ao trânsito. A área de mobilidade urbana tem sido foco da gestão do prefeito Roberto Cláudio, com implantação de ciclovias, corredores de ônibus, programa de bicicletas compartilhadas e obras que tentam diminuir o gargalo dos congestionamentos em Fortaleza.

“Fortaleza, assim como 99% das cidades brasileiras, não foi planejada. Foi inchando, crescendo. Somado a isso, ainda houve o estímulo do governo na aquisição de veículos particulares com facilidade. Agora, a prefeitura tenta mudar esse quadro, com implantação de faixas exclusivas para ônibus e para bicicletas”, explica o técnico em Gestão e Direito de Trânsito, professor Renato Reis.

O Tribuna do Ceará listou 10 ações de mobilidade urbana efetivadas nos últimos três anos:

Fortaleza tem 40 estações de bicicletas, totalizando 400 equipamentos (FOTO: Divulgação)

Fortaleza tem 40 estações de bicicletas, totalizando 400 equipamentos (FOTO: Divulgação)

Criação do Bicicletar

O Bicicletar, Programa de Bicicletas Compartilhadas de Fortaleza, tem como objetivo incentivar o transporte não-motorizado e a mobilidade sustentável na cidade. As primeiras estações começaram a ser instaladas na cidade em dezembro de 2014, e a primeira etapa foi concluída em abril de 2015.

Até 2016, Fortaleza deve receber 40 novas estações do programa. De acordo com a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, as novas estações chegarão a bairros como Montese, Bom Futuro, Jardim América, Parreão, Fátima, Damas, Presidente Kennedy, São Gerardo, Luciano Cavalcante, Edson Queiroz, Cocó, Papicu e Cidade 2000. Dos 40 equipamentos, 20 serão entregues até dezembro deste ano e os restantes até março de 2016. Veja os locais beneficiados.

Para utilizar o sistema, os interessados devem se cadastrar no site Bicicletar. Durante o cadastro, o usuário optará por um plano de adesão com taxa diária (R$ 5), mensal (R$ 10) ou anual (R$ 60) informando o cartão de crédito de onde será debitado o valor do plano escolhido. O usuário do Bilhete Único (BU) pode utilizar gratuitamente o sistema.

Aplicativo “Meu Ônibus”

O aplicativo “Meu Ônibus” foi disponibilizado em julho deste ano, com a finalidade de oferecer aos usuários do transporte público as informações sobre horários de chegada dos veículos nos pontos de parada. As ações preveem ainda a instalação de painéis de informação nos pontos de parada com o itinerário/mapa das linhas que passam pelo referido ponto. Para baixar o aplicativo, basta acessar o Google Play ou a Apple Store.

Passageiros pagam somente uma tarifa no intervalo de duas horas (FOTO: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)

Passageiros pagam somente uma tarifa no intervalo de duas horas (FOTO: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)

Bilhete Único

O Bilhete Único foi criado em 2013 e criou uma integração entre os transportes urbanos. Com ele, os passageiros pagam somente uma tarifa (ou meia, no caso dos estudantes) no intervalo de duas horas e podem trafegar livremente em mais de um ônibus ou van. O serviço trata-se de um cartão de crédito pré-pago para o transporte coletivo, em que o usuário pode inserir o valor que desejar. Com o bilhete, ciclistas também podem se cadastrar gratuitamente no sistema de bicicletas compartilhadas.

Ciclofaixa de lazer

Fortaleza ganhou um passeio ciclístico semanal desde setembro de 2014. A Ciclofaixa de Lazer tem mão dupla e conta com esquema de mobilidade, com cooperação entre órgãos de trânsito e transporte. Com a iniciativa, algumas faixas de vias da cidade (dependendo do trajeto) ficam restritas ao uso de ciclistas e também podem ser utilizadas até por quem estiver de skate, patins ou qualquer outro equipamento não motorizado. O serviço ocorre todos os domingos, das 7h às 13h.

Rede Cicloviária

No início da atual gestão, a capital cearense tinha 73 km de infraestrutura cicloviária. Com a inauguração da ciclofaixa que liga o Montese ao Benfica, Fortaleza conta agora com 127,5 km, sendo 78,8 km de ciclovias e 48,7 km de ciclofaixas. Portanto, a malha cicloviária atual de Fortaleza teve um aumento de 54,5 km. Até agosto de 2016, a expectativa é de que a cidade possua 216 km de infraestrutura cicloviária.

Faixas exclusivas para ônibus

O objetivo do programa de faixas exclusivas é priorizar o transporte público coletivo, promovendo a equidade no uso do espaço viário. Além disso, o projeto também aumenta a velocidade operacional e a produtividade do transporte público. Fortaleza conta com 79,8 km de faixas exclusivas para ônibus, um aumento de 714% nos últimos três anos.

A meta do programa é ter 135 km de faixas exclusivas até 2016. As próximas avenidas que receberão as adequações para implantação das faixas exclusivas são a Avenida Alberto Craveiro (4,9 km) e a Avenida Juscelino Kubitschek (5 km).

Implantação de Binários

O sistema binário teve o objetivo de deixar as vias de acesso mais livres, sem congestionamento. Atualmente, Fortaleza possui três binários, nos bairros Aldeota, Papicu e Montese. O primeiro a ser implementado foi o da Avenida Dom Luís/Avenida Santos Dumont. Foram instaladas três faixas para veículos, uma preferencial para ônibus, além de uma ciclofaixa.

O segundo binário, no Bairro Papicu, Avenida Alberto Sá/ Fausto Cabral possui dois quilômetros de extensão. Já o binário do Montese, nas ruas Alberto Magno/ Professor Gomes de Matos, que já existia, foi requalificado e feito o reordenamento de circulação viária do entorno. Além disso, foram implantadas ciclofaixas e uma faixa exclusiva para ônibus.

Ônibus com ar-condicionado

Atualmente, 5,7% da frota de ônibus de Fortaleza é refrigerada. Dos 2.026 ônibus que a cidade possui, 144 veículos têm ar refrigerado, distribuídos em 40 linhas. A taxa de renovação é de 12,5% ao ano, no mínimo, para atingir a meta que, em 2020, toda a frota de ônibus já esteja com ar condicionadoPara proporcionar mais conforto aos usuários, a prefeitura adotou a medida de garantir que cada veículo adquirido seja incluído no sistema de transporte com ar-condicionado.

Túneis e viadutos
Entre as obras entregues, estão o Túnel da Avenida Santos Dumont, rotatória e túnel Castelão, e os dois viadutos no Bairro Cocó: Celina Queiroz e Reitor Antônio Martins Filho. Já entre as obras iniciadas, estão o túnel da Avenida Engenheiro Santana Júnior com Avenida Padre Antônio Tomás, o túnel da Avenida Padre Antônio Tomás sobre a Via Expressa, e o viaduto e rotatória da Avenida Raul Barbosa com Avenida Murilo Borges. E previstos para até o fim de 2016 estão o túnel longitudinal sobre a Via Expressa e o túnel Alberto Sá sobre Via Expressa.

Corredores exclusivos de ônibus

O primeiro corredor exclusivo, Antônio Bezerra/ Centro, foi entregue no dia 18 de julho de 2015, com 11 estações junto ao canteiro central da Avenida Bezerra de Menezes. Com extensão de 8,2 km, o corredor liga o novo terminal do Antônio Bezerra ao centro da cidade. Entre os corredores previstos para o fim de 2016 estão: o Expresso Messejana/Centro (com viaduto na rotatória da Avenida Aguanambi e túnel da Avenida Domingos Olímpio) e o Antônio Bezerra/Papicu, que, quando concluído, terá 17,4 km.

Apesar de uma série de ações ter sido implementada na cidade, como o Bilhete Único e corredores exclusivos para transporte coletivo, por exemplo, de acordo com o professor, muitos moradores da capital veem as iniciativas como negativas. “As pessoas estranham, se incomodam com fiscalizações eletrônicas, recebem isso de forma negativa. Mas é preciso analisar que a cidade precisa ser adaptada à nova realidade. Essa adaptação depende das intervenções, que vão incomodar alguns”, explica o professor Renato Reis.

Mesmo com as iniciativas, ele acredita que ainda há muito a ser feito, como aumentar a frota de transporte coletivo e disponibilizar mais conforto aos passageiros. “Isso é necessário para que as pessoas queiram usar os ônibus. Muita gente ainda prefere ficar no carro particular com ar-condicionado durante 40 minutos do que ficar em um coletivo em pé por 15 minutos”, compara, acrescentando ser necessário educar a população.

Publicidade

Dê sua opinião

Fortaleza no caminho certo: 10 ações que promoveram a mobilidade urbana

O Tribuna do Ceará listou intervenções efetivadas nos últimos três anos para tentar diminuir os congestionamentos da capital cearense

Por Roberta Tavares e Rosana Romão em Mobilidade Urbana

31 de agosto de 2015 às 08:00

Há 4 anos

O crescimento desordenado das grandes cidades pede soluções urgentes para minimizar os efeitos caóticos do trânsito. Grandes congestionamentos, como os que existem em Fortaleza, revelam a necessidade em se pensar em alternativas para dar fluidez ao trânsito. A área de mobilidade urbana tem sido foco da gestão do prefeito Roberto Cláudio, com implantação de ciclovias, corredores de ônibus, programa de bicicletas compartilhadas e obras que tentam diminuir o gargalo dos congestionamentos em Fortaleza.

“Fortaleza, assim como 99% das cidades brasileiras, não foi planejada. Foi inchando, crescendo. Somado a isso, ainda houve o estímulo do governo na aquisição de veículos particulares com facilidade. Agora, a prefeitura tenta mudar esse quadro, com implantação de faixas exclusivas para ônibus e para bicicletas”, explica o técnico em Gestão e Direito de Trânsito, professor Renato Reis.

O Tribuna do Ceará listou 10 ações de mobilidade urbana efetivadas nos últimos três anos:

Fortaleza tem 40 estações de bicicletas, totalizando 400 equipamentos (FOTO: Divulgação)

Fortaleza tem 40 estações de bicicletas, totalizando 400 equipamentos (FOTO: Divulgação)

Criação do Bicicletar

O Bicicletar, Programa de Bicicletas Compartilhadas de Fortaleza, tem como objetivo incentivar o transporte não-motorizado e a mobilidade sustentável na cidade. As primeiras estações começaram a ser instaladas na cidade em dezembro de 2014, e a primeira etapa foi concluída em abril de 2015.

Até 2016, Fortaleza deve receber 40 novas estações do programa. De acordo com a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, as novas estações chegarão a bairros como Montese, Bom Futuro, Jardim América, Parreão, Fátima, Damas, Presidente Kennedy, São Gerardo, Luciano Cavalcante, Edson Queiroz, Cocó, Papicu e Cidade 2000. Dos 40 equipamentos, 20 serão entregues até dezembro deste ano e os restantes até março de 2016. Veja os locais beneficiados.

Para utilizar o sistema, os interessados devem se cadastrar no site Bicicletar. Durante o cadastro, o usuário optará por um plano de adesão com taxa diária (R$ 5), mensal (R$ 10) ou anual (R$ 60) informando o cartão de crédito de onde será debitado o valor do plano escolhido. O usuário do Bilhete Único (BU) pode utilizar gratuitamente o sistema.

Aplicativo “Meu Ônibus”

O aplicativo “Meu Ônibus” foi disponibilizado em julho deste ano, com a finalidade de oferecer aos usuários do transporte público as informações sobre horários de chegada dos veículos nos pontos de parada. As ações preveem ainda a instalação de painéis de informação nos pontos de parada com o itinerário/mapa das linhas que passam pelo referido ponto. Para baixar o aplicativo, basta acessar o Google Play ou a Apple Store.

Passageiros pagam somente uma tarifa no intervalo de duas horas (FOTO: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)

Passageiros pagam somente uma tarifa no intervalo de duas horas (FOTO: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)

Bilhete Único

O Bilhete Único foi criado em 2013 e criou uma integração entre os transportes urbanos. Com ele, os passageiros pagam somente uma tarifa (ou meia, no caso dos estudantes) no intervalo de duas horas e podem trafegar livremente em mais de um ônibus ou van. O serviço trata-se de um cartão de crédito pré-pago para o transporte coletivo, em que o usuário pode inserir o valor que desejar. Com o bilhete, ciclistas também podem se cadastrar gratuitamente no sistema de bicicletas compartilhadas.

Ciclofaixa de lazer

Fortaleza ganhou um passeio ciclístico semanal desde setembro de 2014. A Ciclofaixa de Lazer tem mão dupla e conta com esquema de mobilidade, com cooperação entre órgãos de trânsito e transporte. Com a iniciativa, algumas faixas de vias da cidade (dependendo do trajeto) ficam restritas ao uso de ciclistas e também podem ser utilizadas até por quem estiver de skate, patins ou qualquer outro equipamento não motorizado. O serviço ocorre todos os domingos, das 7h às 13h.

Rede Cicloviária

No início da atual gestão, a capital cearense tinha 73 km de infraestrutura cicloviária. Com a inauguração da ciclofaixa que liga o Montese ao Benfica, Fortaleza conta agora com 127,5 km, sendo 78,8 km de ciclovias e 48,7 km de ciclofaixas. Portanto, a malha cicloviária atual de Fortaleza teve um aumento de 54,5 km. Até agosto de 2016, a expectativa é de que a cidade possua 216 km de infraestrutura cicloviária.

Faixas exclusivas para ônibus

O objetivo do programa de faixas exclusivas é priorizar o transporte público coletivo, promovendo a equidade no uso do espaço viário. Além disso, o projeto também aumenta a velocidade operacional e a produtividade do transporte público. Fortaleza conta com 79,8 km de faixas exclusivas para ônibus, um aumento de 714% nos últimos três anos.

A meta do programa é ter 135 km de faixas exclusivas até 2016. As próximas avenidas que receberão as adequações para implantação das faixas exclusivas são a Avenida Alberto Craveiro (4,9 km) e a Avenida Juscelino Kubitschek (5 km).

Implantação de Binários

O sistema binário teve o objetivo de deixar as vias de acesso mais livres, sem congestionamento. Atualmente, Fortaleza possui três binários, nos bairros Aldeota, Papicu e Montese. O primeiro a ser implementado foi o da Avenida Dom Luís/Avenida Santos Dumont. Foram instaladas três faixas para veículos, uma preferencial para ônibus, além de uma ciclofaixa.

O segundo binário, no Bairro Papicu, Avenida Alberto Sá/ Fausto Cabral possui dois quilômetros de extensão. Já o binário do Montese, nas ruas Alberto Magno/ Professor Gomes de Matos, que já existia, foi requalificado e feito o reordenamento de circulação viária do entorno. Além disso, foram implantadas ciclofaixas e uma faixa exclusiva para ônibus.

Ônibus com ar-condicionado

Atualmente, 5,7% da frota de ônibus de Fortaleza é refrigerada. Dos 2.026 ônibus que a cidade possui, 144 veículos têm ar refrigerado, distribuídos em 40 linhas. A taxa de renovação é de 12,5% ao ano, no mínimo, para atingir a meta que, em 2020, toda a frota de ônibus já esteja com ar condicionadoPara proporcionar mais conforto aos usuários, a prefeitura adotou a medida de garantir que cada veículo adquirido seja incluído no sistema de transporte com ar-condicionado.

Túneis e viadutos
Entre as obras entregues, estão o Túnel da Avenida Santos Dumont, rotatória e túnel Castelão, e os dois viadutos no Bairro Cocó: Celina Queiroz e Reitor Antônio Martins Filho. Já entre as obras iniciadas, estão o túnel da Avenida Engenheiro Santana Júnior com Avenida Padre Antônio Tomás, o túnel da Avenida Padre Antônio Tomás sobre a Via Expressa, e o viaduto e rotatória da Avenida Raul Barbosa com Avenida Murilo Borges. E previstos para até o fim de 2016 estão o túnel longitudinal sobre a Via Expressa e o túnel Alberto Sá sobre Via Expressa.

Corredores exclusivos de ônibus

O primeiro corredor exclusivo, Antônio Bezerra/ Centro, foi entregue no dia 18 de julho de 2015, com 11 estações junto ao canteiro central da Avenida Bezerra de Menezes. Com extensão de 8,2 km, o corredor liga o novo terminal do Antônio Bezerra ao centro da cidade. Entre os corredores previstos para o fim de 2016 estão: o Expresso Messejana/Centro (com viaduto na rotatória da Avenida Aguanambi e túnel da Avenida Domingos Olímpio) e o Antônio Bezerra/Papicu, que, quando concluído, terá 17,4 km.

Apesar de uma série de ações ter sido implementada na cidade, como o Bilhete Único e corredores exclusivos para transporte coletivo, por exemplo, de acordo com o professor, muitos moradores da capital veem as iniciativas como negativas. “As pessoas estranham, se incomodam com fiscalizações eletrônicas, recebem isso de forma negativa. Mas é preciso analisar que a cidade precisa ser adaptada à nova realidade. Essa adaptação depende das intervenções, que vão incomodar alguns”, explica o professor Renato Reis.

Mesmo com as iniciativas, ele acredita que ainda há muito a ser feito, como aumentar a frota de transporte coletivo e disponibilizar mais conforto aos passageiros. “Isso é necessário para que as pessoas queiram usar os ônibus. Muita gente ainda prefere ficar no carro particular com ar-condicionado durante 40 minutos do que ficar em um coletivo em pé por 15 minutos”, compara, acrescentando ser necessário educar a população.