Avô é condenado a mais de 17 anos de prisão por estuprar neta - Noticias


Avô é condenado a mais de 17 anos de prisão por estuprar neta

Antônio Pereira da Silva foi condenado a 17 anos e seis meses de reclusão por ter estuprado a neta, de 12 anos de idade. A sentença foi publicada nesta quinta-feira (12)

Por Rodrigo Cavalcante em Fortaleza

13 de janeiro de 2012 às 20:41

Há 7 anos

Antônio Pereira da Silva foi condenado a 17 anos e seis meses de reclusão por ter estuprado a neta, de 12 anos de idade. A sentença foi publicada nesta quinta-feira (12).

Segundo denúncia do Ministério Público do Ceará (MP/CE), no dia 1º de junho do ano passado, por volta das 3h, Antônio da Silva constrangeu a vítima a manter relações sexuais, sob grave ameaça. A garota acordou para urinar quando o avô materno a acompanhou. Naquele momento, o acusado segurou a menina pelo pescoço e disse que, caso ela gritasse, a mataria.

Em seguida, tirou a roupa, colocou a vítima na cama e cometeu o estupro. Ainda de acordo com o MP/CE, cerca de 15 dias depois, o acusado retornou à casa da neta e pediu para dormir. Novamente, durante a madrugada, “se postou de pé ao lado da rede da vítima que no momento gritou por socorro, sendo acudida pela mãe e pelo padrasto”.

Revoltado, puxou uma faca e cortou os punhos da rede onde estava a menina, além de ameaçar as pessoas que estavam no local. O Ministério Público denunciou Antônio Pereira da Silva pelo crime de estupro contra vulnerável duas vezes, uma na forma consumada e outra na forma tentada.

Ao julgar o processo, o magistrado considerou que, apesar de o defensor afirmar que não há elementos para a condenação, as provas corroboram com a versão da vítima. “Ademais, há ocorrência de crime continuado”.

A pena

Por esses motivos, o juiz fixou a pena-base em dez anos. Além disso, aumentou em um sexto pela tentativa de estupro, considerada como continuação da conjunção carnal. Como o acusado é ascendente (avô) da vítima, a pena teve aumento, ainda, de metade. Com isso, chegou a 17 anos e seis meses. A pena será cumprida, inicialmente, no regime fechado.

Ele permanecerá preso enquanto aguarda o trânsito em julgado da sentença (quando não há mais possibilidade de recorrer).

Leia também:
Homem é condenado por roubo e tortura a casal de namorados em Acopiara
Associação dos Magistrados aciona CNJ contra demora em processos no TJCE
Prefeito afastado de Pacajus tem liberdade provisória revogada

Com informações do TJCE

Publicidade

Dê sua opinião

Avô é condenado a mais de 17 anos de prisão por estuprar neta

Antônio Pereira da Silva foi condenado a 17 anos e seis meses de reclusão por ter estuprado a neta, de 12 anos de idade. A sentença foi publicada nesta quinta-feira (12)

Por Rodrigo Cavalcante em Fortaleza

13 de janeiro de 2012 às 20:41

Há 7 anos

Antônio Pereira da Silva foi condenado a 17 anos e seis meses de reclusão por ter estuprado a neta, de 12 anos de idade. A sentença foi publicada nesta quinta-feira (12).

Segundo denúncia do Ministério Público do Ceará (MP/CE), no dia 1º de junho do ano passado, por volta das 3h, Antônio da Silva constrangeu a vítima a manter relações sexuais, sob grave ameaça. A garota acordou para urinar quando o avô materno a acompanhou. Naquele momento, o acusado segurou a menina pelo pescoço e disse que, caso ela gritasse, a mataria.

Em seguida, tirou a roupa, colocou a vítima na cama e cometeu o estupro. Ainda de acordo com o MP/CE, cerca de 15 dias depois, o acusado retornou à casa da neta e pediu para dormir. Novamente, durante a madrugada, “se postou de pé ao lado da rede da vítima que no momento gritou por socorro, sendo acudida pela mãe e pelo padrasto”.

Revoltado, puxou uma faca e cortou os punhos da rede onde estava a menina, além de ameaçar as pessoas que estavam no local. O Ministério Público denunciou Antônio Pereira da Silva pelo crime de estupro contra vulnerável duas vezes, uma na forma consumada e outra na forma tentada.

Ao julgar o processo, o magistrado considerou que, apesar de o defensor afirmar que não há elementos para a condenação, as provas corroboram com a versão da vítima. “Ademais, há ocorrência de crime continuado”.

A pena

Por esses motivos, o juiz fixou a pena-base em dez anos. Além disso, aumentou em um sexto pela tentativa de estupro, considerada como continuação da conjunção carnal. Como o acusado é ascendente (avô) da vítima, a pena teve aumento, ainda, de metade. Com isso, chegou a 17 anos e seis meses. A pena será cumprida, inicialmente, no regime fechado.

Ele permanecerá preso enquanto aguarda o trânsito em julgado da sentença (quando não há mais possibilidade de recorrer).

Leia também:
Homem é condenado por roubo e tortura a casal de namorados em Acopiara
Associação dos Magistrados aciona CNJ contra demora em processos no TJCE
Prefeito afastado de Pacajus tem liberdade provisória revogada

Com informações do TJCE