PT abre mão do Senado, acata Cid Gomes como candidato e Eunício fica de fora

CEARÁ

PT abre mão do Senado, acata Cid Gomes como candidato e Eunício fica de fora

Venceu o grupo do PT que defendia a não indicação ao Senado; partido oficializou campanha em prol da reeleição de Camilo e da eleição de Lula

Por Jéssica Welma em Eleições 2018

28 de julho de 2018 às 15:22

Há 9 meses
Camilo Santana declarou apoio a Lula no encontro. (Foto: Divulgação/PT)

Camilo Santana declarou apoio a Lula no encontro. (Foto: Divulgação/PT)

O PT do Ceará não terá candidato ao Senado nas eleições de 2018. Essa foi a decisão da maioria dos delegados do partido durante encontro neste sábado (28), em Fortaleza. A legenda vai acatar uma candidatura de senador do PDT que, provavelmente, será a Cid Gomes, e deixará em aberto a segunda vaga, almejada por Eunício Oliveira (MDB).

Outro ponto alto do evento foi o anúncio do governador Camilo Santana (PT) de que apoiará candidatura de Lula nas eleições de 2018. Ele não deixou claro, porém, se o apoio se estende a outro nome do PT.

Por isso, a deputada federal Luizianne Lins (PT), derrotada na tese da candidatura própria ao Senado, aprovou emenda à fala de Camilo para garantir a extensão do palanque a outro petista.

PDT

O vereador de Fortaleza Acrísio Sena reforçou o apoio ao PDT. “O PT terá apenas uma candidatura na disputa eleitoral de 2018, na aliança com o PDT. O ex-governador Cid Gomes. Esse é o nosso candidato oficial, aliado, e que nós vamos trabalhar na perspectiva de 2018”, disse.

Luizianne, no entanto, adversária ferrenha dos Ferreira Gomes, negou que o apoio seja claramente a Cid Gomes. Ela pontuou ainda que o próprio deputado José Guimarães, que era contra a indicação ao Senado, disse que pode haver mudança de planos.

Para o PT, caso o PDT indique um segundo nome para a disputa – como já defendeu o candidato à presidência da República Ciro Gomes – o partido volta atrás na decisão e vai indicar um nome para senador.

MDB

Os rumos definidos pelo PT indicam que o governador Camilo Santana manterá a defesa da candidatura ao Senado de Eunício Oliveira, ainda que numa “chapa branca”, na qual não há posição oficial do partido.

Sem indicar nome para vaga de senador e afirmando aliança com o candidato do PDT, o Partido dos Trabalhadores não ajuda diretamente nem atrapalha os planos de Eunício, que precisa do grupo de Camilo para garantir a reeleição.

Com informações de Alex Mineiro, da Tribuna BandNews

Nota do PT após a decisão:

O Partido dos Trabalhadores do Ceará decidiu abrir mão de disputar uma vaga para o Senado Federal nas eleições de 2018. A decisão de liberar a vaga para as articulações políticas do governador Camilo Santana foi tomada, por maioria, dos delegados e delegadas presentes no Encontro de Tática Eleitoral, realizado em 28/7, em Fortaleza. A resolução confirma, ainda, que priorizará a candidatura à reeleição do governador Camilo Santana e a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República.

Como senador da República, eleito em 2010 com 2.397.851 votos, agradeço às famílias cearenses que me honraram com cinco mandatos parlamentares, sendo 16 anos como deputado federal e oito anos como senador da República. Período em que pude construir, articular e defender várias conquistas, como o ganho real do salário-mínimo, o Bolsa-Família, o Minha Casa Minha Vida, o programa Mais Médicos, além da expansão das universidades, das escolas técnicas, das creches e pré-escolas, do Ciência sem Fronteiras, do Fies e ProUni.

Pude também trabalhar pelo fortalecimento da agricultura familiar, das micro e pequenas empresas, da saúde pública (SUS) e pela melhoria dos serviços da Previdência Social – quando exerci o cargo de ministro da Previdência no governo Lula. Dentre muitas outras decisões que foram fundamentais para tantos brasileiros e brasileiras.

Lamento muito a decisão do meu partido de abrir mão de disputar uma das duas vagas ao Senado Federal. Entendo que ela enfraquece a campanha Lula Presidente no Ceará e possibilita o fortalecimento dos setores que hoje atacam as conquistas sociais, retirando direitos de quem mais precisa. As consequências dessa decisão serão históricas e percebidas a partir de 2019.

Continuarei na luta por uma sociedade mais justa, por um Brasil e um Ceará com desenvolvimento e inclusão social, com mais emprego e renda para a maioria do nosso povo.

Sou muito grato a todos que me acompanham nessa caminhada.

Senador José Pimentel

Publicidade

Dê sua opinião

CEARÁ

PT abre mão do Senado, acata Cid Gomes como candidato e Eunício fica de fora

Venceu o grupo do PT que defendia a não indicação ao Senado; partido oficializou campanha em prol da reeleição de Camilo e da eleição de Lula

Por Jéssica Welma em Eleições 2018

28 de julho de 2018 às 15:22

Há 9 meses
Camilo Santana declarou apoio a Lula no encontro. (Foto: Divulgação/PT)

Camilo Santana declarou apoio a Lula no encontro. (Foto: Divulgação/PT)

O PT do Ceará não terá candidato ao Senado nas eleições de 2018. Essa foi a decisão da maioria dos delegados do partido durante encontro neste sábado (28), em Fortaleza. A legenda vai acatar uma candidatura de senador do PDT que, provavelmente, será a Cid Gomes, e deixará em aberto a segunda vaga, almejada por Eunício Oliveira (MDB).

Outro ponto alto do evento foi o anúncio do governador Camilo Santana (PT) de que apoiará candidatura de Lula nas eleições de 2018. Ele não deixou claro, porém, se o apoio se estende a outro nome do PT.

Por isso, a deputada federal Luizianne Lins (PT), derrotada na tese da candidatura própria ao Senado, aprovou emenda à fala de Camilo para garantir a extensão do palanque a outro petista.

PDT

O vereador de Fortaleza Acrísio Sena reforçou o apoio ao PDT. “O PT terá apenas uma candidatura na disputa eleitoral de 2018, na aliança com o PDT. O ex-governador Cid Gomes. Esse é o nosso candidato oficial, aliado, e que nós vamos trabalhar na perspectiva de 2018”, disse.

Luizianne, no entanto, adversária ferrenha dos Ferreira Gomes, negou que o apoio seja claramente a Cid Gomes. Ela pontuou ainda que o próprio deputado José Guimarães, que era contra a indicação ao Senado, disse que pode haver mudança de planos.

Para o PT, caso o PDT indique um segundo nome para a disputa – como já defendeu o candidato à presidência da República Ciro Gomes – o partido volta atrás na decisão e vai indicar um nome para senador.

MDB

Os rumos definidos pelo PT indicam que o governador Camilo Santana manterá a defesa da candidatura ao Senado de Eunício Oliveira, ainda que numa “chapa branca”, na qual não há posição oficial do partido.

Sem indicar nome para vaga de senador e afirmando aliança com o candidato do PDT, o Partido dos Trabalhadores não ajuda diretamente nem atrapalha os planos de Eunício, que precisa do grupo de Camilo para garantir a reeleição.

Com informações de Alex Mineiro, da Tribuna BandNews

Nota do PT após a decisão:

O Partido dos Trabalhadores do Ceará decidiu abrir mão de disputar uma vaga para o Senado Federal nas eleições de 2018. A decisão de liberar a vaga para as articulações políticas do governador Camilo Santana foi tomada, por maioria, dos delegados e delegadas presentes no Encontro de Tática Eleitoral, realizado em 28/7, em Fortaleza. A resolução confirma, ainda, que priorizará a candidatura à reeleição do governador Camilo Santana e a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República.

Como senador da República, eleito em 2010 com 2.397.851 votos, agradeço às famílias cearenses que me honraram com cinco mandatos parlamentares, sendo 16 anos como deputado federal e oito anos como senador da República. Período em que pude construir, articular e defender várias conquistas, como o ganho real do salário-mínimo, o Bolsa-Família, o Minha Casa Minha Vida, o programa Mais Médicos, além da expansão das universidades, das escolas técnicas, das creches e pré-escolas, do Ciência sem Fronteiras, do Fies e ProUni.

Pude também trabalhar pelo fortalecimento da agricultura familiar, das micro e pequenas empresas, da saúde pública (SUS) e pela melhoria dos serviços da Previdência Social – quando exerci o cargo de ministro da Previdência no governo Lula. Dentre muitas outras decisões que foram fundamentais para tantos brasileiros e brasileiras.

Lamento muito a decisão do meu partido de abrir mão de disputar uma das duas vagas ao Senado Federal. Entendo que ela enfraquece a campanha Lula Presidente no Ceará e possibilita o fortalecimento dos setores que hoje atacam as conquistas sociais, retirando direitos de quem mais precisa. As consequências dessa decisão serão históricas e percebidas a partir de 2019.

Continuarei na luta por uma sociedade mais justa, por um Brasil e um Ceará com desenvolvimento e inclusão social, com mais emprego e renda para a maioria do nosso povo.

Sou muito grato a todos que me acompanham nessa caminhada.

Senador José Pimentel