"É uma indignidade dos tempos da ditadura", diz Tasso sobre desligamento de Dra. Mayra do HGF

PSDB

“É uma indignidade dos tempos da ditadura”, diz Tasso sobre desligamento de Dra. Mayra do HGF

Nesta sexta-feira, Dra. Mayra, que foi candidata ao Senado pelo PSDB, diz que não vai se intimidar por desligamento do HGF: “perseguição e retaliação”

Por Tribuna do Ceará em Eleições 2018

26 de outubro de 2018 às 16:05

Há 7 meses
Mayra foi candidata pelo PSDB e fez campanha ao lado de Tasso. (Foto: Divulgação)

Mayra foi candidata pelo PSDB e fez campanha ao lado de Tasso. (Foto: Divulgação)

O senador Tasso Jereissati (PSDB) se manifestou nesta sexta-feira (26), nas redes sociais, sobre o afastamento da médica Mayra Pinheiro do Hospital Geral de Fortaleza (HGF). “É uma indignidade dos tempos da ditadura neste País, do tempo das práticas políticas mais antigas e condenáveis da história do Ceará”, afirmou o tucano.

Tasso também repudiou a atitude e cobrou posicionamento do Governo. “Não é possível que um governo que se diz contra o candidato Jair Bolsonaro aja pior do que ele diz que vai fazer”, escreveu.

Após ser comunicada sobre desligamento do HGF, a ex-presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec) disse que não “vai se intimidar”. Em entrevista na rádio Tribuna BandNews FM, nesta sexta-feira (26), ela julgou o fato como “perseguição e retaliação” pela série de denúncias do descaso com a saúde pública.

O afastamento da Dra. Mayra por ter denunciado constantemente as mazelas da saúde pública no Ceará, principalmente no…

Posted by Tasso Jereissati on Friday, October 26, 2018

Segundo a médica, na quinta-feira (25), o desligamento foi comunicado pelo presidente da Cooperativa dos Pediatras do Ceará (Coopedce), Dr. Osmiro Barreto. Parte dos profissionais médicos que trabalham no HGF, que pertence ao Governo do Ceará, são contratados via cooperativas profissionais.

“Isso não vai intimidar a Dra. Mayra, nem deve intimidar a nenhum profissional de saúde solidário ao sofrimento e ao descaso que passam os paciente no Ceará”, ressaltou a médica durante a entrevista.

Mayra lembrou ainda que, há três anos, quando foi eleita presidente do Simec, uma das ações mais emblemáticas de sua gestão foi a criação do “Corredômetro”, que contabilizava os pacientes nos corredores dos hospitais.

“Corredor não é leito. Esses pacientes são tratados de forma indigna. A gente sabe que os profissionais fazem tudo que está ao alcance para atendê-los, mas não é possível que as pessoas sejam tratadas dessa forma”, ressaltou.

Para Mayra, a atuação no Sindicato lhe conferiu proteção por determinado tempo. “Coincidência que, logo depois de ter terminado a eleição, eu seja impedida de exercer atividade no hospital onde trabalho há mais de 20 anos”, frisou.

A médica disse ainda que, como não foi notificada oficialmente, voltará para as atividades no hospital. Segundo ela, instituições de diversos lugares do País estão se manifestando em apoio a ela. O HGF não se pronunciou sobre o assunto.

“Sábado estarei de plantão e vou desenvolver minhas atividades em respeito à vida e às dezenas de bebês que estão lá”, ressaltou.

Dra. Mayra publicou recentemente, em 21 de outubro, um vídeo mostrando o corredor do HGF com vários pacientes à espera de atendimento. A médica, que recentemente presidiu o Sindicato dos Médicos, afirmou que está esperando a notificação oficial para entrar com ação no judiciário por abuso de poder.

Publicidade

Dê sua opinião

PSDB

“É uma indignidade dos tempos da ditadura”, diz Tasso sobre desligamento de Dra. Mayra do HGF

Nesta sexta-feira, Dra. Mayra, que foi candidata ao Senado pelo PSDB, diz que não vai se intimidar por desligamento do HGF: “perseguição e retaliação”

Por Tribuna do Ceará em Eleições 2018

26 de outubro de 2018 às 16:05

Há 7 meses
Mayra foi candidata pelo PSDB e fez campanha ao lado de Tasso. (Foto: Divulgação)

Mayra foi candidata pelo PSDB e fez campanha ao lado de Tasso. (Foto: Divulgação)

O senador Tasso Jereissati (PSDB) se manifestou nesta sexta-feira (26), nas redes sociais, sobre o afastamento da médica Mayra Pinheiro do Hospital Geral de Fortaleza (HGF). “É uma indignidade dos tempos da ditadura neste País, do tempo das práticas políticas mais antigas e condenáveis da história do Ceará”, afirmou o tucano.

Tasso também repudiou a atitude e cobrou posicionamento do Governo. “Não é possível que um governo que se diz contra o candidato Jair Bolsonaro aja pior do que ele diz que vai fazer”, escreveu.

Após ser comunicada sobre desligamento do HGF, a ex-presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (Simec) disse que não “vai se intimidar”. Em entrevista na rádio Tribuna BandNews FM, nesta sexta-feira (26), ela julgou o fato como “perseguição e retaliação” pela série de denúncias do descaso com a saúde pública.

O afastamento da Dra. Mayra por ter denunciado constantemente as mazelas da saúde pública no Ceará, principalmente no…

Posted by Tasso Jereissati on Friday, October 26, 2018

Segundo a médica, na quinta-feira (25), o desligamento foi comunicado pelo presidente da Cooperativa dos Pediatras do Ceará (Coopedce), Dr. Osmiro Barreto. Parte dos profissionais médicos que trabalham no HGF, que pertence ao Governo do Ceará, são contratados via cooperativas profissionais.

“Isso não vai intimidar a Dra. Mayra, nem deve intimidar a nenhum profissional de saúde solidário ao sofrimento e ao descaso que passam os paciente no Ceará”, ressaltou a médica durante a entrevista.

Mayra lembrou ainda que, há três anos, quando foi eleita presidente do Simec, uma das ações mais emblemáticas de sua gestão foi a criação do “Corredômetro”, que contabilizava os pacientes nos corredores dos hospitais.

“Corredor não é leito. Esses pacientes são tratados de forma indigna. A gente sabe que os profissionais fazem tudo que está ao alcance para atendê-los, mas não é possível que as pessoas sejam tratadas dessa forma”, ressaltou.

Para Mayra, a atuação no Sindicato lhe conferiu proteção por determinado tempo. “Coincidência que, logo depois de ter terminado a eleição, eu seja impedida de exercer atividade no hospital onde trabalho há mais de 20 anos”, frisou.

A médica disse ainda que, como não foi notificada oficialmente, voltará para as atividades no hospital. Segundo ela, instituições de diversos lugares do País estão se manifestando em apoio a ela. O HGF não se pronunciou sobre o assunto.

“Sábado estarei de plantão e vou desenvolver minhas atividades em respeito à vida e às dezenas de bebês que estão lá”, ressaltou.

Dra. Mayra publicou recentemente, em 21 de outubro, um vídeo mostrando o corredor do HGF com vários pacientes à espera de atendimento. A médica, que recentemente presidiu o Sindicato dos Médicos, afirmou que está esperando a notificação oficial para entrar com ação no judiciário por abuso de poder.