Índice de evasão escolar no Ceará atinge menor patamar da história

AVANÇOS

Índice de evasão escolar no Ceará atinge menor patamar da história

O número de estudantes que abandonaram a escola no Ceará caiu de 16,4% para 5% de 2007 a 2018; meta do Governo é zerar abandono

Por Tribuna Bandnews FM em Educação

13 de março de 2019 às 12:09

Há 1 mês
Desde 2007, o índice de abandono escolar caiu de 16,4% para 5%. (Foto: Governo do Ceará)

Desde 2007, o índice de abandono escolar caiu de 16,4% para 5%. (Foto: Governo do Ceará)

Com taxa de evasão escolar em 5% no ensino médio, o Ceará atinge o menor índice da história do Estado de acordo com dados do Sistema Integrado de Gestão Escolar. Os números de 2018 foram divulgados nesta terça-feira (12) pelo Governo do Estado. A reportagem é de Jackson de Moura, da Tribuna BandNews FM.

A taxa cai continuamente desde 2007, quando o abandono escolar chegava a 16,4%. A exceção foi 2016, quando o indicador permaneceu igual ao de 2015, 8,9%.

Para o doutor em Linguística e professor do Centro Universitário Unifanor Wyden, Halysson Dantas, vários fatores geram a evasão escolar, desde questões socioeconômicas até dificuldade de aprendizagem. Ele destaca alguns programas desenvolvidos que monitoram frequências e recuperam a presença de estudantes no ambiente escolar em caso de abandono.

“Há um desenvolvimento de programas para buscar esse aluno, como os programas ‘Busca Ativa’, ‘Nenhum Aluno Fora da Escola’, em que se faz um acompanhamento da frequência diária do aluno. E quando o aluno passa mais de três dias sem frequentar as aulas, já se busca saber o motivo dessa ausência, entra em contato com a família”, ressalta Halysson.

A escola de ensino médio César Cals, que fica no Centro de Fortaleza, é uma das instituições de ensino com a menor taxa de evasão escolar do Estado, de 0,2%.

O diretor da instituição, Elizeu Paiva, afirma que alguns fatores como o acompanhamento direto e proximidade da gestão escolar com a família contribuíram para o resultado.

“O nosso foco é com a pontualidade e com a frequência diária. Registramos todas as faltas de aluno e, imediatamente, nos comunicamos com a família. Quando os meninos faltam, quando chegam atrasados… Outro projeto é o Diretor de Turma. Em todas as nossas turmas há um professor que acompanha a turma, tem um contato aproximado com a família. Ele tem quatro aulas por semana para ser o ‘pastor do rebanho’.

LEIA TAMBÉM: 

> Especial A Vitória do Ensino sobre a Distância

> Especial Vale da Rapadura

Brasil

Se compararmos com a média do Brasil, a taxa de abandono nacional é de 8,9%, acima dos 5% do Ceará.

Ontem durante transmissão ao vivo no Facebook, o governador Camilo Santana (PT) comentou o resultado.

“Há dez anos, a evasão chegava a quase 17%. A gente conseguiu reduzir, chegamos a 5% em 2018. Estou satisfeito? Não. Quero chegar a zero, que nenhum aluno deixe a escola no Estado do Ceará. A partir do momento em que a gente perde um aluno desse, a gente não sabe do futuro desse jovem, ele fica vulnerável”, ressaltou o governador.

Aprendizagem

O consultor em educação e doutorando em políticas públicas, Arnauld Cavalcante, ressalta que a evasão escolar ocorre não apenas por circunstâncias socioeconômicas que interferem na permanência do estudante na escola, mas também por deficiência na aprendizagem.

Por isso, ele diz que um dos principais desafios é garantir a qualidade do ensino e uma melhor aprendizagem do aluno ou a recuperação dela.

“Quando estes alunos chegam ao primeiro ano do ensino médio e fizeram o fundamental com muita deficiência de aprendizagem, logicamente eles vão se deparar com outros conhecimentos um tanto quanto mais complexos do que do ensino fundamental. Se isso não se consolidou no ensino fundamental, no ensino médio o trabalho do Estado tem que ser feito muito mais de forma consistente porque o trabalho é tanto de tentar nivelar o conhecimento desses alunos que não consolidaram no ensino fundamental como de manter também”, ressalta.

Em 2017, de acordo com o relatório Cenário da Exclusão Escolar no Brasil, da Unicef, o Ceará tinha o segundo menor índice de evasão escolar.

Publicidade

Dê sua opinião

AVANÇOS

Índice de evasão escolar no Ceará atinge menor patamar da história

O número de estudantes que abandonaram a escola no Ceará caiu de 16,4% para 5% de 2007 a 2018; meta do Governo é zerar abandono

Por Tribuna Bandnews FM em Educação

13 de março de 2019 às 12:09

Há 1 mês
Desde 2007, o índice de abandono escolar caiu de 16,4% para 5%. (Foto: Governo do Ceará)

Desde 2007, o índice de abandono escolar caiu de 16,4% para 5%. (Foto: Governo do Ceará)

Com taxa de evasão escolar em 5% no ensino médio, o Ceará atinge o menor índice da história do Estado de acordo com dados do Sistema Integrado de Gestão Escolar. Os números de 2018 foram divulgados nesta terça-feira (12) pelo Governo do Estado. A reportagem é de Jackson de Moura, da Tribuna BandNews FM.

A taxa cai continuamente desde 2007, quando o abandono escolar chegava a 16,4%. A exceção foi 2016, quando o indicador permaneceu igual ao de 2015, 8,9%.

Para o doutor em Linguística e professor do Centro Universitário Unifanor Wyden, Halysson Dantas, vários fatores geram a evasão escolar, desde questões socioeconômicas até dificuldade de aprendizagem. Ele destaca alguns programas desenvolvidos que monitoram frequências e recuperam a presença de estudantes no ambiente escolar em caso de abandono.

“Há um desenvolvimento de programas para buscar esse aluno, como os programas ‘Busca Ativa’, ‘Nenhum Aluno Fora da Escola’, em que se faz um acompanhamento da frequência diária do aluno. E quando o aluno passa mais de três dias sem frequentar as aulas, já se busca saber o motivo dessa ausência, entra em contato com a família”, ressalta Halysson.

A escola de ensino médio César Cals, que fica no Centro de Fortaleza, é uma das instituições de ensino com a menor taxa de evasão escolar do Estado, de 0,2%.

O diretor da instituição, Elizeu Paiva, afirma que alguns fatores como o acompanhamento direto e proximidade da gestão escolar com a família contribuíram para o resultado.

“O nosso foco é com a pontualidade e com a frequência diária. Registramos todas as faltas de aluno e, imediatamente, nos comunicamos com a família. Quando os meninos faltam, quando chegam atrasados… Outro projeto é o Diretor de Turma. Em todas as nossas turmas há um professor que acompanha a turma, tem um contato aproximado com a família. Ele tem quatro aulas por semana para ser o ‘pastor do rebanho’.

LEIA TAMBÉM: 

> Especial A Vitória do Ensino sobre a Distância

> Especial Vale da Rapadura

Brasil

Se compararmos com a média do Brasil, a taxa de abandono nacional é de 8,9%, acima dos 5% do Ceará.

Ontem durante transmissão ao vivo no Facebook, o governador Camilo Santana (PT) comentou o resultado.

“Há dez anos, a evasão chegava a quase 17%. A gente conseguiu reduzir, chegamos a 5% em 2018. Estou satisfeito? Não. Quero chegar a zero, que nenhum aluno deixe a escola no Estado do Ceará. A partir do momento em que a gente perde um aluno desse, a gente não sabe do futuro desse jovem, ele fica vulnerável”, ressaltou o governador.

Aprendizagem

O consultor em educação e doutorando em políticas públicas, Arnauld Cavalcante, ressalta que a evasão escolar ocorre não apenas por circunstâncias socioeconômicas que interferem na permanência do estudante na escola, mas também por deficiência na aprendizagem.

Por isso, ele diz que um dos principais desafios é garantir a qualidade do ensino e uma melhor aprendizagem do aluno ou a recuperação dela.

“Quando estes alunos chegam ao primeiro ano do ensino médio e fizeram o fundamental com muita deficiência de aprendizagem, logicamente eles vão se deparar com outros conhecimentos um tanto quanto mais complexos do que do ensino fundamental. Se isso não se consolidou no ensino fundamental, no ensino médio o trabalho do Estado tem que ser feito muito mais de forma consistente porque o trabalho é tanto de tentar nivelar o conhecimento desses alunos que não consolidaram no ensino fundamental como de manter também”, ressalta.

Em 2017, de acordo com o relatório Cenário da Exclusão Escolar no Brasil, da Unicef, o Ceará tinha o segundo menor índice de evasão escolar.