Subtenente do Exército mata filho autista, agride esposa e anuncia crimes no Facebook


Subtenente é suspeito de matar filho autista, agredir esposa e anunciar crimes no Facebook

A esposa relatou em depoimento que o filho do casal era autista e que desconhece os motivos de o marido ter cometido o crime

Por Roberta Tavares em Cotidiano

12 de novembro de 2014 às 09:23

Há 5 anos
Subtenente teria agredido a esposa, antes de obrigá-la a tomar a medicação (FOTO: Reprodução/Facebook)

Subtenente teria agredido a esposa, antes de obrigá-la a tomar a medicação (FOTO: Reprodução/Facebook)

Selo SubtenenteUm subtenente do Exército Brasileiro, de 45 anos, é suspeito de assassinar o filho autista, de apenas 9 anos, com tranquilizantes. Antes, o homem teria agredido a esposa e a obrigado a tomar a medicação. Depois, ele ingeriu o mesmo remédio tarja preta, com o objetivo de tirar a própria vida. O caso ocorreu na madrugada de terça-feira (11), no Conjunto Napoleão Viana, no Bairro Dias Macedo, em Fortaleza.

Logo após o fato, o militar identificado como Francilewdo Bezerra teria publicado uma mensagem na rede social Facebook. “Temos dois filhos especiais. Vou levar um comigo. Obriguei ela [esposa] a beber vinho com seus tranquilizantes para dormir e não ver o que vou fazer. Me perdoem, família, mas a carga tá grande demais, e não aguento mais sofrer calado vendo essa mulher se anular há 10 anos”, conta na publicação.

Ainda na publicação, o subtenente explica que a esposa pediu o divórcio, por tratá-lo como irmão, e que supostamente teria um caso com outro homem. “Sei que ela nunca escondeu ser casada, e abdicou a vida pelos filhos. Queria morrer ao lado dela (…) Eu a machuquei muito, eu enlouqueci. Quem ver essa postagem veja se ainda há jeito de salvá-la”, diz.

Após a medicação, a mulher sobreviveu. O filho não resistiu e morreu na hora. Já o subtenente está internado em estado grave no Hospital Geral Militar, no Bairro Aldeota, na capital. A polícia informou que o remédio usado no crime foi um anticonvulsivo tranquilizante tarja preta. A esposa do militar relatou em depoimento que o filho do casal era autista e que desconhece os motivos de o marido ter cometido tais crimes.

Segundo o delegado Jairo Façanha Pequeno, Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, o militar foi autuado por homicídio, lesão corporal e por violência doméstica na Lei Maria da Penha. O caso foi encaminhado ao 16º Distrito Policial, que investigará o crime. A polícia aguarda a recuperação do subtenente para ouvir o depoimento.

Mensagem no Facebook
1/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
2/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Publicidade

Dê sua opinião

Subtenente é suspeito de matar filho autista, agredir esposa e anunciar crimes no Facebook

A esposa relatou em depoimento que o filho do casal era autista e que desconhece os motivos de o marido ter cometido o crime

Por Roberta Tavares em Cotidiano

12 de novembro de 2014 às 09:23

Há 5 anos
Subtenente teria agredido a esposa, antes de obrigá-la a tomar a medicação (FOTO: Reprodução/Facebook)

Subtenente teria agredido a esposa, antes de obrigá-la a tomar a medicação (FOTO: Reprodução/Facebook)

Selo SubtenenteUm subtenente do Exército Brasileiro, de 45 anos, é suspeito de assassinar o filho autista, de apenas 9 anos, com tranquilizantes. Antes, o homem teria agredido a esposa e a obrigado a tomar a medicação. Depois, ele ingeriu o mesmo remédio tarja preta, com o objetivo de tirar a própria vida. O caso ocorreu na madrugada de terça-feira (11), no Conjunto Napoleão Viana, no Bairro Dias Macedo, em Fortaleza.

Logo após o fato, o militar identificado como Francilewdo Bezerra teria publicado uma mensagem na rede social Facebook. “Temos dois filhos especiais. Vou levar um comigo. Obriguei ela [esposa] a beber vinho com seus tranquilizantes para dormir e não ver o que vou fazer. Me perdoem, família, mas a carga tá grande demais, e não aguento mais sofrer calado vendo essa mulher se anular há 10 anos”, conta na publicação.

Ainda na publicação, o subtenente explica que a esposa pediu o divórcio, por tratá-lo como irmão, e que supostamente teria um caso com outro homem. “Sei que ela nunca escondeu ser casada, e abdicou a vida pelos filhos. Queria morrer ao lado dela (…) Eu a machuquei muito, eu enlouqueci. Quem ver essa postagem veja se ainda há jeito de salvá-la”, diz.

Após a medicação, a mulher sobreviveu. O filho não resistiu e morreu na hora. Já o subtenente está internado em estado grave no Hospital Geral Militar, no Bairro Aldeota, na capital. A polícia informou que o remédio usado no crime foi um anticonvulsivo tranquilizante tarja preta. A esposa do militar relatou em depoimento que o filho do casal era autista e que desconhece os motivos de o marido ter cometido tais crimes.

Segundo o delegado Jairo Façanha Pequeno, Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, o militar foi autuado por homicídio, lesão corporal e por violência doméstica na Lei Maria da Penha. O caso foi encaminhado ao 16º Distrito Policial, que investigará o crime. A polícia aguarda a recuperação do subtenente para ouvir o depoimento.

Mensagem no Facebook
1/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
2/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)