Moradores relatam momentos de pavor após tragédia na Av. Raul Barbosa


Moradores relatam momentos de pavor após tragédia na Av. Raul Barbosa

O barulho foi motivo de grande susto. Vizinhos da obra de duplicação de ponte temem que o acidente prejudique a estrutura de suas casas

Por Rosana Romão em Cotidiano

23 de fevereiro de 2016 às 11:14

Há 3 anos
Acidente ocorreu por volta das 18h desta segunda-feira. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Acidente ocorreu por volta das 18h desta segunda-feira. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

A dona de casa Vera Maria mora exatamente vizinho à construção que integra viadutos e rotatória das avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges, e ainda se recupera do susto que teve na noite desta segunda-feira (22). O desabamento, que deixou dois mortos e três feridos, ocasionou um alvoroço entre os moradores da região. Vera Maria achou que sua casa também iria desabar.

“Foi muito forte, o barulho foi grande demais. Eu nunca tinha visto uma coisa assim. Todo mundo se apavorou e foi olhar a obra. Eu fiquei com medo porque tinha gente entre os ferros mas também fiquei com medo da minha casa cair”, relata. Ela teve que tomar um remédio para controlar o nervosismo e conseguir dormir, pois se assustava com qualquer barulho.

A filha de Vera Maria olha temerosa para a movimentação de trabalhadores, curiosos e trânsito no local. “Tinha gente chorando, dava pra ver que eles estavam sofrendo”, lamenta. A população compareceu ao local e tentou ajudar de alguma forma, mas o resgate chegou em pouco tempo e assumiu a responsabilidade. De acordo com os moradores, durante a noite não houve nenhum barulho na construção.

O frentista Paulo David da Silva, que trabalha em um posto de gasolina na Avenida Raul Barbosa, viu o momento do desabamento. “Foi um barulho enorme. Parecia uma quebradeira. Sabe dominó, quando caem as peças? Era tipo isso, deu foi uma agonia até parar”, relembra.

Ele também relata que a vizinhança saiu para olhar e, de certa forma, atrapalhou no resgate. “Muita gente faz é atrapalhar. Porque quem ajuda mesmo são os bombeiros e o Samu. Ainda bem que isolaram o local para poder fazer o trabalho deles”, completa.

Trabalhadores estão abalados com as fatalidades do acidente. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Trabalhadores estão abalados com as fatalidades do acidente. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Um dos trabalhadores da obra, que preferiu não se identificar, disse que trabalha com construção civil há mais de 20 anos e nunca tinha visto algo parecido. “Já tava terminando o concretamento da viga, ninguém esperava por isso. A mesma coisa que tem desse lado tem do outro. Se não investigarem direito, pode acontecer outro acidente”, afirma.

No início da manhã desta terça-feira (23), os trabalhadores foram ao local porque não haviam sido informados sobre o andamento da obra. A maioria lamentou o fato e reclamou porque não tinham nenhuma definição sobre o futuro do trabalho deles.

“A gente passa mais tempo aqui do que em casa, com a família. Tá todo mundo triste pelo que aconteceu, não tem nem como trabalhar”, acrescentou outro operário, que pediu para não ser identificado.

O acidente

O acidente, registrado por volta das 18h de segunda-feira (22), deixou dois mortos e três operários feridos. Uma espécie de escora rompeu, e parte da duplicação da ponte sobre o canal do Lagamar cedeu. A laudo das causas do desabamento deve ser concluído em até 30 dias.

A construtora Ferreira Guedes se pronunciou por meio de nota. A empresa disse lamentar profundamente o acidente e afirmou estar prestando total apoio às vítimas e seus familiares. Informou também que órgãos competentes pela investigação das causas do acidente foram até o local do ocorrido. Além disso, a Ferreira Guedes deixou claro que a responsabilidade da obra é de uma empresa terceirizada. 

Investimento

A obra da construção da rotatória e dos viadutos no cruzamento das Avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges começou em junho de 2015. O consórcio responsável pela obra de mobilidade urbana é o Grupo Agis. O investimento do pacote de mobilidade urbana (Túnel da Avenida Padre Antônio Tomás e Viaduto da Avenida Raul Barbosa) é de R$ 48 milhões. São R$ 17 milhões para o túnel da Avenida Padre Antônio Tomás e R$ 31 milhões para rotatória com viadutos na Raul Barbosa, segundo a Prefeitura. O prazo de entrega da primeira parte da obra seria para setembro de 2016.

Acompanhe o caso:

23 de fevereiro – Crea descarta que chuva tenha causado desabamento de obra na Av. Raul Barbosa

23 de fevereiro – Entenda qual foi o local onde ocorreu o desabamento da ponte em construção no Lagamar

23 de fevereiro – Prefeitura garante que não terá prejuízo financeiro com desabamento de obra na Raul Barbosa

22 de fevereiro – Desabamento nas obras das Avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges deixa operários soterrados

22 de fevereiro – AMC orienta que motoristas evitem a Avenida Raul Barbosa

22 de fevereiro – Socorrista foi o primeiro a chegar ao local e relata resgate de vítimas de desabamento

22 de fevereiro – Crea considera falha de escoramento como possível causa do desabamento no Lagamar

22 de fevereiro – Prefeitura notificará empresa responsável pela obra que desabou no Lagamar

22 de fevereiro – Dois operários morrem em desabamento na duplicação da ponte do Lagamar

Publicidade

Dê sua opinião

Moradores relatam momentos de pavor após tragédia na Av. Raul Barbosa

O barulho foi motivo de grande susto. Vizinhos da obra de duplicação de ponte temem que o acidente prejudique a estrutura de suas casas

Por Rosana Romão em Cotidiano

23 de fevereiro de 2016 às 11:14

Há 3 anos
Acidente ocorreu por volta das 18h desta segunda-feira. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Acidente ocorreu por volta das 18h desta segunda-feira. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

A dona de casa Vera Maria mora exatamente vizinho à construção que integra viadutos e rotatória das avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges, e ainda se recupera do susto que teve na noite desta segunda-feira (22). O desabamento, que deixou dois mortos e três feridos, ocasionou um alvoroço entre os moradores da região. Vera Maria achou que sua casa também iria desabar.

“Foi muito forte, o barulho foi grande demais. Eu nunca tinha visto uma coisa assim. Todo mundo se apavorou e foi olhar a obra. Eu fiquei com medo porque tinha gente entre os ferros mas também fiquei com medo da minha casa cair”, relata. Ela teve que tomar um remédio para controlar o nervosismo e conseguir dormir, pois se assustava com qualquer barulho.

A filha de Vera Maria olha temerosa para a movimentação de trabalhadores, curiosos e trânsito no local. “Tinha gente chorando, dava pra ver que eles estavam sofrendo”, lamenta. A população compareceu ao local e tentou ajudar de alguma forma, mas o resgate chegou em pouco tempo e assumiu a responsabilidade. De acordo com os moradores, durante a noite não houve nenhum barulho na construção.

O frentista Paulo David da Silva, que trabalha em um posto de gasolina na Avenida Raul Barbosa, viu o momento do desabamento. “Foi um barulho enorme. Parecia uma quebradeira. Sabe dominó, quando caem as peças? Era tipo isso, deu foi uma agonia até parar”, relembra.

Ele também relata que a vizinhança saiu para olhar e, de certa forma, atrapalhou no resgate. “Muita gente faz é atrapalhar. Porque quem ajuda mesmo são os bombeiros e o Samu. Ainda bem que isolaram o local para poder fazer o trabalho deles”, completa.

Trabalhadores estão abalados com as fatalidades do acidente. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Trabalhadores estão abalados com as fatalidades do acidente. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Um dos trabalhadores da obra, que preferiu não se identificar, disse que trabalha com construção civil há mais de 20 anos e nunca tinha visto algo parecido. “Já tava terminando o concretamento da viga, ninguém esperava por isso. A mesma coisa que tem desse lado tem do outro. Se não investigarem direito, pode acontecer outro acidente”, afirma.

No início da manhã desta terça-feira (23), os trabalhadores foram ao local porque não haviam sido informados sobre o andamento da obra. A maioria lamentou o fato e reclamou porque não tinham nenhuma definição sobre o futuro do trabalho deles.

“A gente passa mais tempo aqui do que em casa, com a família. Tá todo mundo triste pelo que aconteceu, não tem nem como trabalhar”, acrescentou outro operário, que pediu para não ser identificado.

O acidente

O acidente, registrado por volta das 18h de segunda-feira (22), deixou dois mortos e três operários feridos. Uma espécie de escora rompeu, e parte da duplicação da ponte sobre o canal do Lagamar cedeu. A laudo das causas do desabamento deve ser concluído em até 30 dias.

A construtora Ferreira Guedes se pronunciou por meio de nota. A empresa disse lamentar profundamente o acidente e afirmou estar prestando total apoio às vítimas e seus familiares. Informou também que órgãos competentes pela investigação das causas do acidente foram até o local do ocorrido. Além disso, a Ferreira Guedes deixou claro que a responsabilidade da obra é de uma empresa terceirizada. 

Investimento

A obra da construção da rotatória e dos viadutos no cruzamento das Avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges começou em junho de 2015. O consórcio responsável pela obra de mobilidade urbana é o Grupo Agis. O investimento do pacote de mobilidade urbana (Túnel da Avenida Padre Antônio Tomás e Viaduto da Avenida Raul Barbosa) é de R$ 48 milhões. São R$ 17 milhões para o túnel da Avenida Padre Antônio Tomás e R$ 31 milhões para rotatória com viadutos na Raul Barbosa, segundo a Prefeitura. O prazo de entrega da primeira parte da obra seria para setembro de 2016.

Acompanhe o caso:

23 de fevereiro – Crea descarta que chuva tenha causado desabamento de obra na Av. Raul Barbosa

23 de fevereiro – Entenda qual foi o local onde ocorreu o desabamento da ponte em construção no Lagamar

23 de fevereiro – Prefeitura garante que não terá prejuízo financeiro com desabamento de obra na Raul Barbosa

22 de fevereiro – Desabamento nas obras das Avenidas Raul Barbosa e Murilo Borges deixa operários soterrados

22 de fevereiro – AMC orienta que motoristas evitem a Avenida Raul Barbosa

22 de fevereiro – Socorrista foi o primeiro a chegar ao local e relata resgate de vítimas de desabamento

22 de fevereiro – Crea considera falha de escoramento como possível causa do desabamento no Lagamar

22 de fevereiro – Prefeitura notificará empresa responsável pela obra que desabou no Lagamar

22 de fevereiro – Dois operários morrem em desabamento na duplicação da ponte do Lagamar