Grafiteiros transformam capela centenária de Fortaleza em obra de arte


Grafiteiros transformam capela centenária de Fortaleza em obra de arte

O colorido do grafite chama a atenção para a capela do Bairro Mondubim, na periferia da cidade. Porém, a pedido dos moradores, a cor branca será retomada ainda em 2014

Por Roberta Tavares em Cotidiano

19 de outubro de 2014 às 12:00

Há 5 anos
Intervenção foi feita por grafiteiros do bairro (FOTO: Edimar Bento)

Intervenção foi feita por grafiteiros do bairro (FOTO: Edimar Bento)

Na história da Igreja Católica, esculturas e pinturas se tornaram uma das grandes marcas dos templos, sempre ricamente ornamentados, sobretudo no período marcado pela arte barroca. “Relembrando” os velhos tempos, uma capela em Fortaleza virou palco para a arte de rua no Bairro Mondubim, localizado na periferia.

Um grupo de grafiteiros resolveu renovar a união de igreja e arte transformando a centenária Capela de Santo Antônio em um grande painel de pintura. A iniciativa ocorreu quando jovens artistas fizeram intervenções pelos bairros da capital, mostrando sua arte. A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros. Foram rolos, pincéis e sprays de tintas para cobrir cada centímetro da edificação com seus traços característicos. A novidade ficou pronta em apenas um dia.

“O padre da paróquia autorizou, moradores também. Os jovens passaram o dia fazendo o grafite da igreja. Algumas pessoas não gostaram, porque são muito tradicionais… Acharam tudo moderno demais”, conta Rosa Maria da Silva, coordenadora do grupo de oração da capela há 35 anos.

Capela Santo Antônio
1/9

Capela Santo Antônio

A edificação foi construída em 1879; as missas são realizadas às terças-feiras e a cada dia 13 do mês (FOTO: Edimar Bento)

Capela Santo Antônio
2/9

Capela Santo Antônio

A edificação foi construída em 1879; as missas são realizadas às terças-feiras e a cada dia 13 do mês (FOTO: Edimar Bento)

Grafite na Capela Santo Antônio
3/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
4/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
5/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
6/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
7/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A intervenção já completou um ano, inclusive há pichação em cima do grafite (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
8/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Edimar Bento)

Grafite na Capela Santo Antônio
9/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Edimar Bento)

A combinação entre a arquitetura tradicional e o grafite, implementada em 2013, chama a atenção de quem passa pela capela que já possui 136 anos. O técnico em Turismo Edimar Bento não concorda com intervenções em monumentos religiosos e patrimônios culturais. “Não estava nem acreditando no que estava acontecendo. Tirou toda e qualquer identidade cultural e memória cultural. Como se identificar com a centenária capela depois dessa intervenção?”, indaga, acrescentando que deixou de frequentar a igreja. “Pode até ser bonito para quem passa e olha, mas para as pessoas que frequentam a capela é como uma perda da identidade. Elas deixam de se identificar com aquele monumento”.

A intervenção já completou um ano, inclusive há pichação em cima do grafite. Entre polêmicas se a arte urbana é realmente necessária, a coordenadora do grupo de oração informou ao Tribuna do Ceará que a capela terá sua pintura original restabelecida até dezembro de 2014. “Ela vai voltar a ser branca. Querem que volte ao tradicional”, conclui.

História da Capela de Santo Antônio

A Capela de Santo Antônio, localizada no Bairro Mondubim, fica próximo ao Cuca Chico Anísio, da Regional V, em Fortaleza. A edificação foi construída em 1879, aos cuidados do major Antônio Carneiro Monteiro, devoto de Santo Antônio.

Tão grande era a sua devoção, que o português trouxe do país de origem uma imagem do santo, feita de madeira, para inaugurar a capela, que mais tarde deixaria como patrimônio para a família. No local, estão sepultadas duas crianças, ambas vítimas da febre amarela. As missas são realizadas às terças-feiras, das 18h30 às 20h, e a cada dia 13 do mês.

Publicidade

Dê sua opinião

Grafiteiros transformam capela centenária de Fortaleza em obra de arte

O colorido do grafite chama a atenção para a capela do Bairro Mondubim, na periferia da cidade. Porém, a pedido dos moradores, a cor branca será retomada ainda em 2014

Por Roberta Tavares em Cotidiano

19 de outubro de 2014 às 12:00

Há 5 anos
Intervenção foi feita por grafiteiros do bairro (FOTO: Edimar Bento)

Intervenção foi feita por grafiteiros do bairro (FOTO: Edimar Bento)

Na história da Igreja Católica, esculturas e pinturas se tornaram uma das grandes marcas dos templos, sempre ricamente ornamentados, sobretudo no período marcado pela arte barroca. “Relembrando” os velhos tempos, uma capela em Fortaleza virou palco para a arte de rua no Bairro Mondubim, localizado na periferia.

Um grupo de grafiteiros resolveu renovar a união de igreja e arte transformando a centenária Capela de Santo Antônio em um grande painel de pintura. A iniciativa ocorreu quando jovens artistas fizeram intervenções pelos bairros da capital, mostrando sua arte. A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros. Foram rolos, pincéis e sprays de tintas para cobrir cada centímetro da edificação com seus traços característicos. A novidade ficou pronta em apenas um dia.

“O padre da paróquia autorizou, moradores também. Os jovens passaram o dia fazendo o grafite da igreja. Algumas pessoas não gostaram, porque são muito tradicionais… Acharam tudo moderno demais”, conta Rosa Maria da Silva, coordenadora do grupo de oração da capela há 35 anos.

Capela Santo Antônio
1/9

Capela Santo Antônio

A edificação foi construída em 1879; as missas são realizadas às terças-feiras e a cada dia 13 do mês (FOTO: Edimar Bento)

Capela Santo Antônio
2/9

Capela Santo Antônio

A edificação foi construída em 1879; as missas são realizadas às terças-feiras e a cada dia 13 do mês (FOTO: Edimar Bento)

Grafite na Capela Santo Antônio
3/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
4/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
5/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
6/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
7/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A intervenção já completou um ano, inclusive há pichação em cima do grafite (FOTO: Tribuna do Ceará/Roberta Tavares)

Grafite na Capela Santo Antônio
8/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Edimar Bento)

Grafite na Capela Santo Antônio
9/9

Grafite na Capela Santo Antônio

A capela – inicialmente branca – foi um dos pontos escolhidos pela Prefeitura de Fortaleza para a atuação dos grafiteiros (FOTO: Edimar Bento)

A combinação entre a arquitetura tradicional e o grafite, implementada em 2013, chama a atenção de quem passa pela capela que já possui 136 anos. O técnico em Turismo Edimar Bento não concorda com intervenções em monumentos religiosos e patrimônios culturais. “Não estava nem acreditando no que estava acontecendo. Tirou toda e qualquer identidade cultural e memória cultural. Como se identificar com a centenária capela depois dessa intervenção?”, indaga, acrescentando que deixou de frequentar a igreja. “Pode até ser bonito para quem passa e olha, mas para as pessoas que frequentam a capela é como uma perda da identidade. Elas deixam de se identificar com aquele monumento”.

A intervenção já completou um ano, inclusive há pichação em cima do grafite. Entre polêmicas se a arte urbana é realmente necessária, a coordenadora do grupo de oração informou ao Tribuna do Ceará que a capela terá sua pintura original restabelecida até dezembro de 2014. “Ela vai voltar a ser branca. Querem que volte ao tradicional”, conclui.

História da Capela de Santo Antônio

A Capela de Santo Antônio, localizada no Bairro Mondubim, fica próximo ao Cuca Chico Anísio, da Regional V, em Fortaleza. A edificação foi construída em 1879, aos cuidados do major Antônio Carneiro Monteiro, devoto de Santo Antônio.

Tão grande era a sua devoção, que o português trouxe do país de origem uma imagem do santo, feita de madeira, para inaugurar a capela, que mais tarde deixaria como patrimônio para a família. No local, estão sepultadas duas crianças, ambas vítimas da febre amarela. As missas são realizadas às terças-feiras, das 18h30 às 20h, e a cada dia 13 do mês.