Governo recorrige reajuste de benefícios do INSS acima do salário mínimo


Governo recorrige reajuste de benefícios do INSS acima do salário mínimo

A correção foi feita porque esses benefícios têm que ser reajustados pelo INPC, calculado pelo IBGE

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

10 de janeiro de 2013 às 18:36

Há 6 anos

O índice de reajuste para os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com valor acima do salário mínimo será de 6,2%, e não de 6,15%, como tinha sido oficializado nessa quarta-feira (9), no Diário Oficial da União, pelos ministérios da Fazenda e da Previdência Social. A correção foi feita porque esses benefícios têm que ser reajustados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o Ministério da Previdência, a portaria com os índices de reajuste dos benefícios e a nova tabela de contribuição dos segurados empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos será republicada, nesta sexta-feira (11), com a atualização dos valores. O novo teto da Previdência Social será, dessa forma, R$ 4.159,00, e não R$ 4,157,05, como tinha sido anunciado.

O Ministério da Previdência Social informou também que, com a correção do índice de 6,15% para 6,20%, os 9,2 milhões de benefícios acima do piso previdenciário representarão impacto líquido de R$ 9,2 bilhões.

Publicidade

Dê sua opinião

Governo recorrige reajuste de benefícios do INSS acima do salário mínimo

A correção foi feita porque esses benefícios têm que ser reajustados pelo INPC, calculado pelo IBGE

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

10 de janeiro de 2013 às 18:36

Há 6 anos

O índice de reajuste para os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com valor acima do salário mínimo será de 6,2%, e não de 6,15%, como tinha sido oficializado nessa quarta-feira (9), no Diário Oficial da União, pelos ministérios da Fazenda e da Previdência Social. A correção foi feita porque esses benefícios têm que ser reajustados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o Ministério da Previdência, a portaria com os índices de reajuste dos benefícios e a nova tabela de contribuição dos segurados empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos será republicada, nesta sexta-feira (11), com a atualização dos valores. O novo teto da Previdência Social será, dessa forma, R$ 4.159,00, e não R$ 4,157,05, como tinha sido anunciado.

O Ministério da Previdência Social informou também que, com a correção do índice de 6,15% para 6,20%, os 9,2 milhões de benefícios acima do piso previdenciário representarão impacto líquido de R$ 9,2 bilhões.