Estudo comprova relação direta entre obesidade e fraco desempenho sexual


Estudo comprova relação direta entre obesidade e fraco desempenho sexual

O aumento vertiginoso do consumo de medicamentos para a disfunção erétil está diretamente ligado ao aumento da obesidade no mundo.

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

13 de outubro de 2012 às 15:13

Há 7 anos
Estudo comprova relação direta entre obesidade e fraco desempenho sexual

51% dos brasileiros estão acima ou muito acima do peso (FOTO: Divulgação)

O aumento vertiginoso do consumo de medicamentos para a disfunção erétil está diretamente ligado ao aumento da obesidade no mundo. O excesso de peso reduz a libido e prejudica diretamente o desempenho sexual.

No Brasil, pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), envolvendo 5 mil homens, mostra que 51% dos brasileiros estão acima ou muito acima do peso e que 37% deles admitem o uso de remédio para ereção. No Rio de Janeiro este percentual chega a 60%.

Mais da metade da população de Fortaleza está acima do peso

Fortaleza é a segunda capital brasileira com maior número de pessoas com excesso de peso. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde (MS), nesta terça-feira (10), e apontam que cerca 53% da população fortalezense está com excesso de peso, ficando atrás de Porto Alegre (55%).

O excesso de peso e a obesidade aumentaram nos últimos seis anos no Brasil, é o que diz o mais recente levantamento realizado pelo Ministério da Saúde, onde comprova que mais da metade da população brasileira está acima do peso.

Disfunção erétil x obesidade

Na avaliação do coordenador do Grupo Longevidade Saudável no Rio de Janeiro, o geriatra e endocrinologista, Jorge Jamili, não há dúvida de que o aumento de casos de disfunção erétil está relacionado ao aumento da obesidade entre os brasileiros.

O endocrinologista explicou que as alterações hormonais provocadas pela obesidade comprometem o equilíbrio do corpo humano. Levam a desajustes fisiológicos que podem afetar todos os órgãos e sistemas e, em consequência, a saúde e a qualidade de vida.

“O tecido adiposo hipertrofiado dos obesos produz uma excessiva quantidade da substância conhecida como leptina, que tem por finalidade sinalizar ao cérebro a saciedade produzida pelo alimento.

Desequilíbrio hormonal

Jamili explica que quando uma pessoa engorda ocorre o desequilíbrio do hormônio insulina e do seu contraregulador glucagon, o que faz com que a produção de insulina seja cada vez maior em decorrência da resistência que o corpo desenvolve a esse hormônio.

“Os efeitos são devastadores e podem levar, caso fora de controle, ao aumento da obesidade. Causam processos inflamatórios, além de servir como a base da síndrome metabólica, que é, de longe, a maior causa de mortes no mundo atual”.

Para melhorar os níveis hormonais, o especialista diz que a saída não é repor a testosterona, sobretudo em homens mais jovens, e muito menos utilizar medicamentos para disfunção erétil.

Desempenho sexual do obeso

Jamili diz que é preciso ter consciência de que, do ponto de vista do interesse do homem pela mulher, é preciso separar a questão relativa ao desempenho sexual decorrente da presença satisfatória da libido e da ereção propriamente dita.

“No caso do obeso, sob os dois pontos de vista, o desempenho sexual fica comprometido: Tanto o desejo sexual como o desempenho mesmo – este diretamente ligado à ereção”.

E é, segundo ele, neste ponto que reside o problema: “A utilização de medicamentos como o Viagra e similares promove a ereção, mas não melhora a libido.

Com informações da Agência Brasil

Publicidade

Dê sua opinião

Estudo comprova relação direta entre obesidade e fraco desempenho sexual

O aumento vertiginoso do consumo de medicamentos para a disfunção erétil está diretamente ligado ao aumento da obesidade no mundo.

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

13 de outubro de 2012 às 15:13

Há 7 anos
Estudo comprova relação direta entre obesidade e fraco desempenho sexual

51% dos brasileiros estão acima ou muito acima do peso (FOTO: Divulgação)

O aumento vertiginoso do consumo de medicamentos para a disfunção erétil está diretamente ligado ao aumento da obesidade no mundo. O excesso de peso reduz a libido e prejudica diretamente o desempenho sexual.

No Brasil, pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), envolvendo 5 mil homens, mostra que 51% dos brasileiros estão acima ou muito acima do peso e que 37% deles admitem o uso de remédio para ereção. No Rio de Janeiro este percentual chega a 60%.

Mais da metade da população de Fortaleza está acima do peso

Fortaleza é a segunda capital brasileira com maior número de pessoas com excesso de peso. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde (MS), nesta terça-feira (10), e apontam que cerca 53% da população fortalezense está com excesso de peso, ficando atrás de Porto Alegre (55%).

O excesso de peso e a obesidade aumentaram nos últimos seis anos no Brasil, é o que diz o mais recente levantamento realizado pelo Ministério da Saúde, onde comprova que mais da metade da população brasileira está acima do peso.

Disfunção erétil x obesidade

Na avaliação do coordenador do Grupo Longevidade Saudável no Rio de Janeiro, o geriatra e endocrinologista, Jorge Jamili, não há dúvida de que o aumento de casos de disfunção erétil está relacionado ao aumento da obesidade entre os brasileiros.

O endocrinologista explicou que as alterações hormonais provocadas pela obesidade comprometem o equilíbrio do corpo humano. Levam a desajustes fisiológicos que podem afetar todos os órgãos e sistemas e, em consequência, a saúde e a qualidade de vida.

“O tecido adiposo hipertrofiado dos obesos produz uma excessiva quantidade da substância conhecida como leptina, que tem por finalidade sinalizar ao cérebro a saciedade produzida pelo alimento.

Desequilíbrio hormonal

Jamili explica que quando uma pessoa engorda ocorre o desequilíbrio do hormônio insulina e do seu contraregulador glucagon, o que faz com que a produção de insulina seja cada vez maior em decorrência da resistência que o corpo desenvolve a esse hormônio.

“Os efeitos são devastadores e podem levar, caso fora de controle, ao aumento da obesidade. Causam processos inflamatórios, além de servir como a base da síndrome metabólica, que é, de longe, a maior causa de mortes no mundo atual”.

Para melhorar os níveis hormonais, o especialista diz que a saída não é repor a testosterona, sobretudo em homens mais jovens, e muito menos utilizar medicamentos para disfunção erétil.

Desempenho sexual do obeso

Jamili diz que é preciso ter consciência de que, do ponto de vista do interesse do homem pela mulher, é preciso separar a questão relativa ao desempenho sexual decorrente da presença satisfatória da libido e da ereção propriamente dita.

“No caso do obeso, sob os dois pontos de vista, o desempenho sexual fica comprometido: Tanto o desejo sexual como o desempenho mesmo – este diretamente ligado à ereção”.

E é, segundo ele, neste ponto que reside o problema: “A utilização de medicamentos como o Viagra e similares promove a ereção, mas não melhora a libido.

Com informações da Agência Brasil