Em 8 anos, proporção de fumantes diminui 53% em Fortaleza


Em 8 anos, proporção de fumantes diminui 53% em Fortaleza

Ministério da Saúde alerta que o tabagismo é responsável por 200 mil mortes todos os anos no Brasil – 25% delas por angina e infarto

Por Roberta Tavares em Cotidiano

30 de maio de 2015 às 14:00

Há 4 anos
Tabagismo favorece o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (FOTO: Flickr/Creative Commons/DigaoSPBR)

Tabagismo favorece o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (FOTO: Flickr/Creative Commons/DigaoSPBR)

A proporção de fumantes em Fortaleza diminuiu 53% entre os anos de 2006 e 2014, segundo o Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). A notícia marca o Dia Mundial sem Tabaco, comemorado neste domingo (31).

Em 2006, 16,3% da população de maiores de 18 anos da capital se declaravam fumantes, percentual reduzido para 7,6% no ano passado. A redução é maior que a queda de 30,7% no percentual de fumantes nos últimos nove anos. Entre os homens, o tabagismo é menos frequente em Fortaleza que nas outras capitais, com a redução de 19,6% de homens fumantes em 2006 para 8,6% em 2014.

O tabagismo favorece o desenvolvimento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) – como câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares – e o uso do tabaco continua sendo a principal causa de mortes evitáveis. O Ministério da Saúde alerta que o tabagismo é responsável por 200 mil mortes todos os anos no Brasil – 25% delas por angina e infarto do miocárdio, 45% por infarto agudo do miocárdio (abaixo de 65 anos) e 85% das mortes por bronquite e enfisema pulmonar.

O hábito também responde por 90% dos casos de câncer de pulmão no país. Entre os 10% restantes, um terço dos casos ocorre em fumantes passivos. Esse tipo de tumor é considerado o mais letal e umas das principais causas de morte no Brasil. A estimativa do governo é que 27.330 novos casos de câncer de pulmão sejam registrados no país este ano.

Tratamento em Fortaleza

Na rede pública do estado em Fortaleza, fumantes que querem para de fumar encontram tratamento gratuito no Hospital de Messejana e no Centro de Saúde do Meireles, da Secretaria da Saúde do Estado, na Avenida Antônio Justa, 3113. Nessas unidades funciona o Programa de Controle do tabagismo, que trata os fumantes com avaliação clínica, realiza abordagem mínima ou intensiva individual ou em grupo e, se preciso, com terapia medicamentosa.

Publicidade

Dê sua opinião

Em 8 anos, proporção de fumantes diminui 53% em Fortaleza

Ministério da Saúde alerta que o tabagismo é responsável por 200 mil mortes todos os anos no Brasil – 25% delas por angina e infarto

Por Roberta Tavares em Cotidiano

30 de maio de 2015 às 14:00

Há 4 anos
Tabagismo favorece o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (FOTO: Flickr/Creative Commons/DigaoSPBR)

Tabagismo favorece o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (FOTO: Flickr/Creative Commons/DigaoSPBR)

A proporção de fumantes em Fortaleza diminuiu 53% entre os anos de 2006 e 2014, segundo o Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). A notícia marca o Dia Mundial sem Tabaco, comemorado neste domingo (31).

Em 2006, 16,3% da população de maiores de 18 anos da capital se declaravam fumantes, percentual reduzido para 7,6% no ano passado. A redução é maior que a queda de 30,7% no percentual de fumantes nos últimos nove anos. Entre os homens, o tabagismo é menos frequente em Fortaleza que nas outras capitais, com a redução de 19,6% de homens fumantes em 2006 para 8,6% em 2014.

O tabagismo favorece o desenvolvimento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) – como câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares – e o uso do tabaco continua sendo a principal causa de mortes evitáveis. O Ministério da Saúde alerta que o tabagismo é responsável por 200 mil mortes todos os anos no Brasil – 25% delas por angina e infarto do miocárdio, 45% por infarto agudo do miocárdio (abaixo de 65 anos) e 85% das mortes por bronquite e enfisema pulmonar.

O hábito também responde por 90% dos casos de câncer de pulmão no país. Entre os 10% restantes, um terço dos casos ocorre em fumantes passivos. Esse tipo de tumor é considerado o mais letal e umas das principais causas de morte no Brasil. A estimativa do governo é que 27.330 novos casos de câncer de pulmão sejam registrados no país este ano.

Tratamento em Fortaleza

Na rede pública do estado em Fortaleza, fumantes que querem para de fumar encontram tratamento gratuito no Hospital de Messejana e no Centro de Saúde do Meireles, da Secretaria da Saúde do Estado, na Avenida Antônio Justa, 3113. Nessas unidades funciona o Programa de Controle do tabagismo, que trata os fumantes com avaliação clínica, realiza abordagem mínima ou intensiva individual ou em grupo e, se preciso, com terapia medicamentosa.