Após um mês, advogado de servidor xingado em carta racista espera que suspeita responda por danos morais


Após um mês, advogado de servidor xingado em carta racista espera que suspeita responda por danos morais

O processo foi encaminhado nessa semana pela Polícia Civil ao Ministério Público. A mulher xingou os servidores do Detran, em 11 de novembro, por ter o carro rebocado

Por Roberta Tavares em Cotidiano

11 de dezembro de 2014 às 15:24

Há 5 anos
Servidores foram xingados em carta entregue ao Detran (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Servidores foram xingados em carta entregue ao Detran (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O caso da carta com teor racista, repleta de xingamentos contra servidores do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran/CE), completa um mês nesta quinta-feira (11). O advogado do motorista do reboque que foi chamado de ‘cor da noite sem estrelas’ espera que a suspeita responda na Justiça por danos morais.

“Estou esperando a decisão da Justiça. Vamos ver se ela responde por danos morais”, declarou ao Tribuna do Ceará. De acordo com ele, apesar de Jane Cordeiro Alves negar a autoria da carta, existem testemunhas que comprovam que a mesma escreveu a mensagem. “Temos testemunhas oculares, que viram o momento em que ela entregou a carta no Detran”, completa.

Segundo o titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC), delegado Gustavo Pernambuco, o processo foi encaminhado nesta semana para o Ministério Público e aguarda retorno. “O Ministério Público vai analisar e, se entender que tem material suficiente, faz a denúncia, e o juiz marca a audiência”, explica. No processo, foram incluídas imagens que flagram a entrada de Jane Cordeiro no órgão de trânsito. A Central de Inquérito do Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza, ainda aguarda distribuição a uma das varas criminais.

Viagem?

Depois de permanecer em silêncio durante depoimento, na Superintendência da Polícia Civil, Jane Cordeiro Alves teria viajado a Paris, sem previsão de volta. O Tribuna do Ceará foi à residência da mulher, no Bairro Cidade dos Funcionários, e falou por interfone com uma pessoa que se identificou como governanta. “Ela já viajou, está em Paris. Esqueçam isso. Ela não está mais aqui não, já encerrou esse assunto”, explicou. “Ela mora lá, aliás”, acrescentou.

Presente de Natal

Mauro César Cabral, funcionário do Detran há dois anos, relatou que a suspeita chegou ao local dizendo que queria fazer uma surpresa ao servidor. “Ela chegou ao Detran dizendo que queria me dar um presente de Natal, porque foi bem atendida. No dia seguinte, a supervisora explicou que a motorista tinha deixado uma carta. Quando vi, não acreditei, fiquei abismado. Depois que li, a gente foi rezar, porque era tanta expressão pesada naquele texto”, desabafa.

Conteúdo da carta

O veículo da possível autora da carta foi rebocado em 11 de novembro, na Rua Marcos Macedo, no Bairro Aldeota. A mulher entregou, pessoalmente, três cartas, uma para o diretor do órgão e duas para os dois agentes. “Seus desgraçados, excomungados, amaldiçoados: que o diabo, o satanás, o senhor das trevas acompanhe vocês a partir de agora (…) Eu ainda desejo que vocês sejam demitidos, percam o emprego”, dizia um trecho da carta.

A mensagem menciona os dois servidores e ainda o motorista do reboque. “Agora vou me referir ao da cor da noite sem estrelas, o que estava dirigindo o carro do reboque: hoje tu vive como gente, convivendo com gente, por causa da maldita princesa Isabel. Senão, hoje, tu viveria no tronco, com teus antepassados, levando chicotada nos lombos. Tem inveja de mim porque sou branca, né? Se tu tivesse vivendo na época dos meus bisavós (que eram senhores portugueses, donos de escravos) e dos teus antepassados, hoje tu estaria lambendo o chão que eu piso. Morre de inveja, né, desgraçado, amaldiçoado: tu nunca será como eu. Nunca estará à minha altura”.

(FOTO: Reprodução)

(FOTO: Reprodução)

Publicidade

Dê sua opinião

Após um mês, advogado de servidor xingado em carta racista espera que suspeita responda por danos morais

O processo foi encaminhado nessa semana pela Polícia Civil ao Ministério Público. A mulher xingou os servidores do Detran, em 11 de novembro, por ter o carro rebocado

Por Roberta Tavares em Cotidiano

11 de dezembro de 2014 às 15:24

Há 5 anos
Servidores foram xingados em carta entregue ao Detran (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Servidores foram xingados em carta entregue ao Detran (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O caso da carta com teor racista, repleta de xingamentos contra servidores do Departamento Estadual de Trânsito do Ceará (Detran/CE), completa um mês nesta quinta-feira (11). O advogado do motorista do reboque que foi chamado de ‘cor da noite sem estrelas’ espera que a suspeita responda na Justiça por danos morais.

“Estou esperando a decisão da Justiça. Vamos ver se ela responde por danos morais”, declarou ao Tribuna do Ceará. De acordo com ele, apesar de Jane Cordeiro Alves negar a autoria da carta, existem testemunhas que comprovam que a mesma escreveu a mensagem. “Temos testemunhas oculares, que viram o momento em que ela entregou a carta no Detran”, completa.

Segundo o titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos e Cargas (DRFVC), delegado Gustavo Pernambuco, o processo foi encaminhado nesta semana para o Ministério Público e aguarda retorno. “O Ministério Público vai analisar e, se entender que tem material suficiente, faz a denúncia, e o juiz marca a audiência”, explica. No processo, foram incluídas imagens que flagram a entrada de Jane Cordeiro no órgão de trânsito. A Central de Inquérito do Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza, ainda aguarda distribuição a uma das varas criminais.

Viagem?

Depois de permanecer em silêncio durante depoimento, na Superintendência da Polícia Civil, Jane Cordeiro Alves teria viajado a Paris, sem previsão de volta. O Tribuna do Ceará foi à residência da mulher, no Bairro Cidade dos Funcionários, e falou por interfone com uma pessoa que se identificou como governanta. “Ela já viajou, está em Paris. Esqueçam isso. Ela não está mais aqui não, já encerrou esse assunto”, explicou. “Ela mora lá, aliás”, acrescentou.

Presente de Natal

Mauro César Cabral, funcionário do Detran há dois anos, relatou que a suspeita chegou ao local dizendo que queria fazer uma surpresa ao servidor. “Ela chegou ao Detran dizendo que queria me dar um presente de Natal, porque foi bem atendida. No dia seguinte, a supervisora explicou que a motorista tinha deixado uma carta. Quando vi, não acreditei, fiquei abismado. Depois que li, a gente foi rezar, porque era tanta expressão pesada naquele texto”, desabafa.

Conteúdo da carta

O veículo da possível autora da carta foi rebocado em 11 de novembro, na Rua Marcos Macedo, no Bairro Aldeota. A mulher entregou, pessoalmente, três cartas, uma para o diretor do órgão e duas para os dois agentes. “Seus desgraçados, excomungados, amaldiçoados: que o diabo, o satanás, o senhor das trevas acompanhe vocês a partir de agora (…) Eu ainda desejo que vocês sejam demitidos, percam o emprego”, dizia um trecho da carta.

A mensagem menciona os dois servidores e ainda o motorista do reboque. “Agora vou me referir ao da cor da noite sem estrelas, o que estava dirigindo o carro do reboque: hoje tu vive como gente, convivendo com gente, por causa da maldita princesa Isabel. Senão, hoje, tu viveria no tronco, com teus antepassados, levando chicotada nos lombos. Tem inveja de mim porque sou branca, né? Se tu tivesse vivendo na época dos meus bisavós (que eram senhores portugueses, donos de escravos) e dos teus antepassados, hoje tu estaria lambendo o chão que eu piso. Morre de inveja, né, desgraçado, amaldiçoado: tu nunca será como eu. Nunca estará à minha altura”.

(FOTO: Reprodução)

(FOTO: Reprodução)