Após tragédia no Nepal, montanhista cearense promete escalar o Everest em 2016


Após tragédia no Nepal, montanhista cearense promete escalar o Everest em 2016

Rosier Alexandre foi recepcionado pela esposa e o filho, após 40 dias longe de casa; ele promete voltar ao Everest pela 3ª vez com o objetivo de concluir o Projeto Sete Cumes

Por Roberta Tavares em Cotidiano

8 de maio de 2015 às 10:35

Há 4 anos
Rosier Alexandre estava no Monte Everest quando foi surpreendido por uma avalanche (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Rosier Alexandre estava no Monte Everest quando foi surpreendido por uma avalanche (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O montanhista cearense que sobreviveu ao terremoto no Nepal, Rosier Alexandre Saraiva, chegou a Fortaleza na madrugada desta sexta-feira (8) e prometeu voltar ao Monte Everest em 2016, para concluir o Projeto Sete Cumes. “Já tenho uma nova estratégia; mas, certamente, o sonho continua. Entre os meses de abril e maio estou voltando com todo vapor”, assegura.

Quarenta dias longe de casa, Rosier foi recepcionado pela esposa e o filho mais novo, no Aeroporto Internacional Pinto Martins. A chegada foi emocionante, e o abraço caloroso. “É uma sensação maravilhosa. Foi um recorde para mim. Nunca passei tanto tempo fora de casa. Chegar saudável é bom demais, porque vivemos um verdadeiro terror lá”, conta. No Nepal, ele fazia sua 2ª tentativa de escalar o monte mais alto do mundo, quando aconteceu o terremoto que resultou na morte de mais de 7 mil pessoas.

Rosier Alexandre foi resgatado de helicóptero do Everest na madrugada de 27 de abril. O tempo limpo permitiu que os helicópteros fizessem várias viagens para resgatar outros montanhistas que estavam no campo 1, a 5.900 metros de altitude. O cearense relatou que, ao descer do helicóptero, viu um cenário de guerra, pela destruição que a avalanche causou no campo-base. “A gente escutou um estrondo muito forte, o chão tremendo, a sensação era de que o chão ia se abrir (…) Quando chegamos ao campo-base, vimos pedaços de barraca para todos os lados, pedaços de mochila, pedaços de computador”.

O abalo sísmico foi o maior a atingir o pequeno país do Himalaia, desde 1934. Mas a tragédia não vai fazer o montanhista nem equipe desistirem do sonho. “Do meu time, da equipe toda, todos afirmaram que voltam, talvez mudando a estratégia, voltando pela China, quem sabe, em vez de voltar pelo Nepal”.

Esposa do montanhista, Danúbia Pereira, apoia o marido na 3ª tentativa de escalada (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Esposa do montanhista, Danúbia Pereira, apoia o marido na 3ª tentativa de escalada (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

A esposa, Danúbia Pereira, apoia a terceira tentativa de subida ao Everest. Nas duas tentativas de chegada de Rosier ao cume da montanha, duas avalanches arrasaram o plano e deixaram uma lista de óbitos na equipe. Ela ressalta que o marido é bastante determinado e que apoiará sua decisão. “Já estava preparada, e a gente vai junto no coração”.

O filho do montanhista, Davi Souto, que acompanhou o pai nessa última etapa do projeto, estava no campo-base no momento da avalanche, mas não ficou ferido. Na volta, ele viajou com Rosier até Katmandu – capital e principal cidade de Nepal, mas continuou intercâmbio na Ásia.

Projeto Sete Cumes

O montanhista cearense Rosier Alexandre já escalou o Monte McKinley (6.194 m), na América do Norte; Monte Carstensz (4.884 m), na Oceania; Monte Vinson (4.897 m), na Antártida; Kilimanjaro (5.895 m), na África; Monte Elbrus (5.642 m), na Europa; e Monte Aconcágua (6.962 m), na América do Sul.

Durante a tentativa de 2014, de escalar o Monte Everest (a maior montanha da Terra, com 8.884 m de altitude), um grande bloco de gelo deslizou da montanha e matou 16 pessoas que tentavam chegar ao cume do Everest. Rosier estava em um nível abaixo, por isso não foi atingido. Da equipe do cearense, três pessoas morreram e duas ficaram hospitalizadas.

“Me preparei muito, foram dois anos de catástrofes naturais. A gente não tem nenhum controle sobre isso. O que a gente faz na vida pode até ser difícil, mas em nenhum momento passou pela minha cabeça parar”, finaliza.

Tragédia

Mais de 7 mil pessoas morreram na tragédia no Nepal. Suprimentos e ajuda internacional começaram a chegar ao país, mas 1,4 milhão ainda requerem ajuda alimentar, afirmaram as Nações Unidas. A cidade de Katmandu ficou completamente destruída, com milhares de pessoas desabrigadas. A histórica torre Dharahara, de nove andares, ruiu completamente.

Destruição no Nepal
1/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
2/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
3/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
4/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
5/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
6/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
7/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
8/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
9/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
10/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
11/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
12/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
13/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
14/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
15/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Publicidade

Dê sua opinião

Após tragédia no Nepal, montanhista cearense promete escalar o Everest em 2016

Rosier Alexandre foi recepcionado pela esposa e o filho, após 40 dias longe de casa; ele promete voltar ao Everest pela 3ª vez com o objetivo de concluir o Projeto Sete Cumes

Por Roberta Tavares em Cotidiano

8 de maio de 2015 às 10:35

Há 4 anos
Rosier Alexandre estava no Monte Everest quando foi surpreendido por uma avalanche (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Rosier Alexandre estava no Monte Everest quando foi surpreendido por uma avalanche (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O montanhista cearense que sobreviveu ao terremoto no Nepal, Rosier Alexandre Saraiva, chegou a Fortaleza na madrugada desta sexta-feira (8) e prometeu voltar ao Monte Everest em 2016, para concluir o Projeto Sete Cumes. “Já tenho uma nova estratégia; mas, certamente, o sonho continua. Entre os meses de abril e maio estou voltando com todo vapor”, assegura.

Quarenta dias longe de casa, Rosier foi recepcionado pela esposa e o filho mais novo, no Aeroporto Internacional Pinto Martins. A chegada foi emocionante, e o abraço caloroso. “É uma sensação maravilhosa. Foi um recorde para mim. Nunca passei tanto tempo fora de casa. Chegar saudável é bom demais, porque vivemos um verdadeiro terror lá”, conta. No Nepal, ele fazia sua 2ª tentativa de escalar o monte mais alto do mundo, quando aconteceu o terremoto que resultou na morte de mais de 7 mil pessoas.

Rosier Alexandre foi resgatado de helicóptero do Everest na madrugada de 27 de abril. O tempo limpo permitiu que os helicópteros fizessem várias viagens para resgatar outros montanhistas que estavam no campo 1, a 5.900 metros de altitude. O cearense relatou que, ao descer do helicóptero, viu um cenário de guerra, pela destruição que a avalanche causou no campo-base. “A gente escutou um estrondo muito forte, o chão tremendo, a sensação era de que o chão ia se abrir (…) Quando chegamos ao campo-base, vimos pedaços de barraca para todos os lados, pedaços de mochila, pedaços de computador”.

O abalo sísmico foi o maior a atingir o pequeno país do Himalaia, desde 1934. Mas a tragédia não vai fazer o montanhista nem equipe desistirem do sonho. “Do meu time, da equipe toda, todos afirmaram que voltam, talvez mudando a estratégia, voltando pela China, quem sabe, em vez de voltar pelo Nepal”.

Esposa do montanhista, Danúbia Pereira, apoia o marido na 3ª tentativa de escalada (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Esposa do montanhista, Danúbia Pereira, apoia o marido na 3ª tentativa de escalada (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

A esposa, Danúbia Pereira, apoia a terceira tentativa de subida ao Everest. Nas duas tentativas de chegada de Rosier ao cume da montanha, duas avalanches arrasaram o plano e deixaram uma lista de óbitos na equipe. Ela ressalta que o marido é bastante determinado e que apoiará sua decisão. “Já estava preparada, e a gente vai junto no coração”.

O filho do montanhista, Davi Souto, que acompanhou o pai nessa última etapa do projeto, estava no campo-base no momento da avalanche, mas não ficou ferido. Na volta, ele viajou com Rosier até Katmandu – capital e principal cidade de Nepal, mas continuou intercâmbio na Ásia.

Projeto Sete Cumes

O montanhista cearense Rosier Alexandre já escalou o Monte McKinley (6.194 m), na América do Norte; Monte Carstensz (4.884 m), na Oceania; Monte Vinson (4.897 m), na Antártida; Kilimanjaro (5.895 m), na África; Monte Elbrus (5.642 m), na Europa; e Monte Aconcágua (6.962 m), na América do Sul.

Durante a tentativa de 2014, de escalar o Monte Everest (a maior montanha da Terra, com 8.884 m de altitude), um grande bloco de gelo deslizou da montanha e matou 16 pessoas que tentavam chegar ao cume do Everest. Rosier estava em um nível abaixo, por isso não foi atingido. Da equipe do cearense, três pessoas morreram e duas ficaram hospitalizadas.

“Me preparei muito, foram dois anos de catástrofes naturais. A gente não tem nenhum controle sobre isso. O que a gente faz na vida pode até ser difícil, mas em nenhum momento passou pela minha cabeça parar”, finaliza.

Tragédia

Mais de 7 mil pessoas morreram na tragédia no Nepal. Suprimentos e ajuda internacional começaram a chegar ao país, mas 1,4 milhão ainda requerem ajuda alimentar, afirmaram as Nações Unidas. A cidade de Katmandu ficou completamente destruída, com milhares de pessoas desabrigadas. A histórica torre Dharahara, de nove andares, ruiu completamente.

Destruição no Nepal
1/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
2/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
3/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
4/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
5/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
6/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
7/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
8/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
9/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
10/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
11/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
12/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
13/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
14/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)

Destruição no Nepal
15/15

Destruição no Nepal

Com diversos desabrigados, cidades ficaram destruídas após terremoto (FOTO: Laxmi Prasad Ngakhusi)