RMF tem cerca de 6.050 crianças em trabalho infantil doméstico


RMF tem cerca de 6.050 crianças em trabalho infantil doméstico

Cerca de 6.050 crianças e adolescentes – de 10 a 17 anos – estão trabalhando em domicílios na RMF, segundo um levantamento realizado pelo MPT

Por Tribuna do Ceará em Ceará

9 de outubro de 2012 às 15:33

Há 7 anos

Cerca de 6.050 crianças e adolescentes – de 10 a 17 anos – estão trabalhando em domicílios na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), segundo um levantamento realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Em números absolutos, o total coloca a região como uma das que mais possuem trabalhadores infantis nesta condição no país.

O levantamento leva em consideração os números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 2011 e divulgada no final de setembro deste ano.Segundo a Pnad, esse número representa 14,73% do total de crianças que trabalham nessa faixa etária (41.079) na região metropolitana.

Tal percentual é segundo maior entre as regiões metropolitanas, ficando abaixo apenas da região metropolitana de Belém, onde o trabalho infantil doméstico correspondente a 16,28% do trabalho infantil em geral. A pesquisa do IBGE leva em consideração as seguintes regiões metropolitanas do país: Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Análise

“Os números da pesquisa apontam para uma realidade cruel. Sob o manto da caridade, milhares meninos e meninas ainda são submetidos a trabalho em casas de terceiros, em condições de semiescravidão”, avaliou o procurador do trabalho Antonio de Oliveira Lima, responsável pelo levantamento.

Dados estaduais

O Pnad indica que no Ceará existem 16.985 crianças e adolescentes de 5 a 17 anos no trabalho doméstico. Desse total, levando-se em consideração apenas os de 10 a 14 anos, existem 6.009 meninos e meninas trabalhando em casas de terceiros.

“Durante dois meses, estivemos percorrendo todo o Ceará na Caravana contra o trabalho infantil e ouvimos vários depoimentos, principalmente de meninas, que faziam faxina nas casas e recebiam R$ 2 por um dia inteiro de trabalho. Precisamos mudar essa realidade”, comentou o procurador.

Publicidade

Dê sua opinião

RMF tem cerca de 6.050 crianças em trabalho infantil doméstico

Cerca de 6.050 crianças e adolescentes – de 10 a 17 anos – estão trabalhando em domicílios na RMF, segundo um levantamento realizado pelo MPT

Por Tribuna do Ceará em Ceará

9 de outubro de 2012 às 15:33

Há 7 anos

Cerca de 6.050 crianças e adolescentes – de 10 a 17 anos – estão trabalhando em domicílios na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), segundo um levantamento realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). Em números absolutos, o total coloca a região como uma das que mais possuem trabalhadores infantis nesta condição no país.

O levantamento leva em consideração os números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 2011 e divulgada no final de setembro deste ano.Segundo a Pnad, esse número representa 14,73% do total de crianças que trabalham nessa faixa etária (41.079) na região metropolitana.

Tal percentual é segundo maior entre as regiões metropolitanas, ficando abaixo apenas da região metropolitana de Belém, onde o trabalho infantil doméstico correspondente a 16,28% do trabalho infantil em geral. A pesquisa do IBGE leva em consideração as seguintes regiões metropolitanas do país: Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Análise

“Os números da pesquisa apontam para uma realidade cruel. Sob o manto da caridade, milhares meninos e meninas ainda são submetidos a trabalho em casas de terceiros, em condições de semiescravidão”, avaliou o procurador do trabalho Antonio de Oliveira Lima, responsável pelo levantamento.

Dados estaduais

O Pnad indica que no Ceará existem 16.985 crianças e adolescentes de 5 a 17 anos no trabalho doméstico. Desse total, levando-se em consideração apenas os de 10 a 14 anos, existem 6.009 meninos e meninas trabalhando em casas de terceiros.

“Durante dois meses, estivemos percorrendo todo o Ceará na Caravana contra o trabalho infantil e ouvimos vários depoimentos, principalmente de meninas, que faziam faxina nas casas e recebiam R$ 2 por um dia inteiro de trabalho. Precisamos mudar essa realidade”, comentou o procurador.