Moradores de cidades do Centro-Sul do Ceará se assustam com tremor de terra

NOVO CASO

Moradores de cidades do Centro-Sul do Ceará se assustam com tremor de terra

Os abalos sísmicos foram registrados entre os municípios de Orós e Iguatu, por volta de 18 horas de segunda-feira

Por Jangadeiro FM em Ceará

25 de outubro de 2016 às 08:59

Há 3 anos
Moradores de diversas cidades do Centro-Sul ouviram forte barulho, e depois as coisas começaram a se mexer (FOTO: 125 CilindrAventuras/Divulgação)

Moradores do Centro-Sul ouviram forte barulho, e depois as coisas começaram a se mexer (FOTO: 125 CilindrAventuras/Divulgação)

Moradores das cidades da região Centro-Sul do Ceará relataram um tremor de terra no fim da tarde desta segunda-feira (24). Os abalos sísmicos foram registrados entre os municípios de Orós e Iguatu, por volta de 18 horas, alcançando também a região do Cedro.

Em Quixelô, município a 25 km de Iguatu, moradores dizem que também sentiram o tremor de terra no final da tarde. As pessoas contam ter ouvido fortes barulhos, e os objetos começaram a se mexer. “Algumas pessoas confundiram com um trovão, só que o barulho é diferente”, relatou Tatiana Guedes, moradora de Quixelô.

De acordo as pessoas ouvidas pela Rede Jangadeiro FM, na cidade nenhuma residência foi afetada com o abalo que durou poucos segundos, mas o fenômeno também pôde ser sentido em outros municípios da região Centro-Sul, como Orós e Icó. Não há informações de pessoas feridas.

No início da noite, moradores contam que ouviram um estrondo e as coisas começaram a se mexer. “Tudo foi muito rápido, questão de segundos”, contou um moradora.

Tatiana relata ainda que os adultos perceberam logo que se tratava de um tremor de terra. As crianças, embora tenham ficado assustadas, não compreendiam o que estava acontecendo. 

Ainda acordo com os moradores de Quixelô, essa foi a primeira vez que um fenômeno como esse ocorreu. Embora eles tenham ficado assustados, moradores ouvidos contam ainda que não houve registro de maiores danos em residências, mas o susto foi grande.

Na tarde segunda, circularam nas redes sociais boatos de tremores de terra em Sobral e Jijoca de Jericoacorara, mas nem a Defesa Civil e a Polícia Militar confirmam os abalos sísmicos nas cidades. Uma foto de uma parede rachada, atribuída supostamente ao tremor, também foi compartilhada nas redes, mas sem comprovação do fato.

Histórico de casos

Em 2015, o Ceará registrou pelo menos 12 tremores de terra. Um deles aconteceu em Irauçuba, na região Norte, a 154 km de Fortaleza. O abalo sísmico aconteceu no dia 9 de outubro, com tremor de magnitude 3.3, o que, segundo especialistas, pode ser considerado leve. Os meses de julho e setembro concentraram o maior número de ocorrências, um total de três casos em cada mês.

Os especialistas recomendam que, em casos de tremores de terra, a população deve adotar medidas simples, como ficar debaixo da mesa quando a terra está tremendo, por exemplo. Como as pessoas constroem casa no interior e deixam um espaço muito grande entre uma ripa e outra, a outra orientação é ficar fora de casa, longe dos postes e de vidraças.

Explicações para o fenômeno

Os tremores são comuns na região em razão das fossas subterrâneas que estão constantemente em atividade sismológica. As fossas são ligadas ao encontro das placas tectônicas no Oceano Atlântico, que conectam a América do Sul ao continente africano. Os tremores também podem estar relacionados à atividade sismológica das placas tectônicas.

Escala Ritcher

Criada em 1935 pelo sismólogo americano Charles F. Richter, integrante do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a escala Richter foi desenvolvida para medir a magnitude dos terremotos, que consiste no ato de quantificar a energia liberada no foco do terremoto.

É uma escala que se inicia no grau zero e é infinita (teoricamente), no entanto, nunca foi registrado um terremoto igual ou superior a 10 graus na escala Richter. Um dos fatores é que ela se baseia num princípio logarítmico, ou seja, um terremoto de magnitude 6, por exemplo, produz efeitos dez vezes maiores que um outro de 5, e assim sucessivamente.

Publicidade

Dê sua opinião

NOVO CASO

Moradores de cidades do Centro-Sul do Ceará se assustam com tremor de terra

Os abalos sísmicos foram registrados entre os municípios de Orós e Iguatu, por volta de 18 horas de segunda-feira

Por Jangadeiro FM em Ceará

25 de outubro de 2016 às 08:59

Há 3 anos
Moradores de diversas cidades do Centro-Sul ouviram forte barulho, e depois as coisas começaram a se mexer (FOTO: 125 CilindrAventuras/Divulgação)

Moradores do Centro-Sul ouviram forte barulho, e depois as coisas começaram a se mexer (FOTO: 125 CilindrAventuras/Divulgação)

Moradores das cidades da região Centro-Sul do Ceará relataram um tremor de terra no fim da tarde desta segunda-feira (24). Os abalos sísmicos foram registrados entre os municípios de Orós e Iguatu, por volta de 18 horas, alcançando também a região do Cedro.

Em Quixelô, município a 25 km de Iguatu, moradores dizem que também sentiram o tremor de terra no final da tarde. As pessoas contam ter ouvido fortes barulhos, e os objetos começaram a se mexer. “Algumas pessoas confundiram com um trovão, só que o barulho é diferente”, relatou Tatiana Guedes, moradora de Quixelô.

De acordo as pessoas ouvidas pela Rede Jangadeiro FM, na cidade nenhuma residência foi afetada com o abalo que durou poucos segundos, mas o fenômeno também pôde ser sentido em outros municípios da região Centro-Sul, como Orós e Icó. Não há informações de pessoas feridas.

No início da noite, moradores contam que ouviram um estrondo e as coisas começaram a se mexer. “Tudo foi muito rápido, questão de segundos”, contou um moradora.

Tatiana relata ainda que os adultos perceberam logo que se tratava de um tremor de terra. As crianças, embora tenham ficado assustadas, não compreendiam o que estava acontecendo. 

Ainda acordo com os moradores de Quixelô, essa foi a primeira vez que um fenômeno como esse ocorreu. Embora eles tenham ficado assustados, moradores ouvidos contam ainda que não houve registro de maiores danos em residências, mas o susto foi grande.

Na tarde segunda, circularam nas redes sociais boatos de tremores de terra em Sobral e Jijoca de Jericoacorara, mas nem a Defesa Civil e a Polícia Militar confirmam os abalos sísmicos nas cidades. Uma foto de uma parede rachada, atribuída supostamente ao tremor, também foi compartilhada nas redes, mas sem comprovação do fato.

Histórico de casos

Em 2015, o Ceará registrou pelo menos 12 tremores de terra. Um deles aconteceu em Irauçuba, na região Norte, a 154 km de Fortaleza. O abalo sísmico aconteceu no dia 9 de outubro, com tremor de magnitude 3.3, o que, segundo especialistas, pode ser considerado leve. Os meses de julho e setembro concentraram o maior número de ocorrências, um total de três casos em cada mês.

Os especialistas recomendam que, em casos de tremores de terra, a população deve adotar medidas simples, como ficar debaixo da mesa quando a terra está tremendo, por exemplo. Como as pessoas constroem casa no interior e deixam um espaço muito grande entre uma ripa e outra, a outra orientação é ficar fora de casa, longe dos postes e de vidraças.

Explicações para o fenômeno

Os tremores são comuns na região em razão das fossas subterrâneas que estão constantemente em atividade sismológica. As fossas são ligadas ao encontro das placas tectônicas no Oceano Atlântico, que conectam a América do Sul ao continente africano. Os tremores também podem estar relacionados à atividade sismológica das placas tectônicas.

Escala Ritcher

Criada em 1935 pelo sismólogo americano Charles F. Richter, integrante do Instituto de Tecnologia da Califórnia, a escala Richter foi desenvolvida para medir a magnitude dos terremotos, que consiste no ato de quantificar a energia liberada no foco do terremoto.

É uma escala que se inicia no grau zero e é infinita (teoricamente), no entanto, nunca foi registrado um terremoto igual ou superior a 10 graus na escala Richter. Um dos fatores é que ela se baseia num princípio logarítmico, ou seja, um terremoto de magnitude 6, por exemplo, produz efeitos dez vezes maiores que um outro de 5, e assim sucessivamente.