Campeão cearense de ciclismo começou a andar com 5 anos e já conquistou 150 pódios

SUPERAÇÃO

Campeão cearense de ciclismo começou a andar com 5 anos e já conquistou 150 pódios

Gilberto de Sousa contraiu paralisia infantil e teve de se submeter a cinco cirurgias. Agora, sonha em subir ao pódio internacional

Por Roberta Tavares em Perfil

3 de agosto de 2016 às 06:25

Há 3 anos
Atleta ganhou, da empresa onde trabalha, a primeira bicicleta profissional (FOTO: Divulgação)

Atleta ganhou, da empresa onde trabalha, a primeira bicicleta profissional (FOTO: Divulgação)

São mais de 150 pódios. Centenas de medalhas e prêmios guardados com todo cuidado e orgulho na casa onde mora com a mulher e os dois filhos, no Bairro Parque Luzardo Viana, em Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza.

Aos 33 anos, seu nome talvez ainda não tenha ganhado o destaque merecido; mas, pela sequência de conquistas, não falta muito para Gilberto de Sousa Silva, paraciclista cearense patrocinado pelo Instituto Aço Cearense, conseguir realizar o maior sonho como atleta: subir em um pódio internacional. Apostando firme em sua capacidade, Gilberto está pronto para alcançar voos ainda mais altos.

A história do cearense se confunde com a trajetória de tantos outros, mas a superação dos obstáculos o tem levado a correr atrás de cada vitória e a comemorá-las com bastante satisfação. Logo que nasceu, Gilberto contraiu paralisia infantil e, para reverter o problema, teve de se submeter a cinco cirurgias, o que o deixou com um desnível entre as duas pernas. Dessa forma, apenas aos 5 anos começou a andar e, com 8, aprendeu a pedalar em uma bicicleta que ganhou da avó materna.

Campeonato de ciclismo

Em 2004, Gilberto participou do seu primeiro campeonato de ciclismo e, mesmo iniciante em competições, conquistou o primeiro lugar e mais dois títulos na prova: atleta revelação e prêmio de destaque.

Após perceber que o ciclismo tinha se apropriado de um espaço especial em sua vida, Sousa não parou mais de competir. E foram sucessivos títulos. Gilberto ainda via os campeonatos nacionais como algo distante, até que encontrou importantes apoiadores ao seu talento, o que viria a ser decisivo para alavancar a sua carreira como atleta profissional.

Colaborador da empresa Aço Cearense há 9 anos, Gilberto entrou na indústria como cortador de arame, passou para Auxiliar de Expedição e, há 5 anos, atua como motorista da empresa.

“Lembro que tinha acabado de ser contratado e teria que participar de um evento no final de semana. Mas já estava inscrito para competir no Crato, em uma prova que duraria 6 horas. Ninguém na empresa sabia que eu disputava provas de ciclismo. Ao explicar que não poderia ir devido a um torneio, a psicóloga da Aço Cearense na época, disse-me que, se eu ganhasse a competição, poderia voltar lá, que o Instituto, responsável pelo trabalho social da empresa, patrocinaria a minha carreira no ciclismo”.

Gilberto foi vitorioso na corrida no Crato e, daquela vez, conquistou não apenas mais uma medalha, mas também o apoio do Instituto Aço Cearense, que também lhe presenteou com a sua primeira bicicleta profissional.

A partir de então, o ciclista passou a viajar o Brasil inteiro em competições oficiais, tanto como paraciclista na categoria C5, quanto como ciclista de elite, uma vez que seu pequeno problema físico o permite competir nas duas modalidades

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho (FOTO: Divulgação)

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho (FOTO: Divulgação)

Conquistas

Atualmente, já são três medalhas de bronze e uma de prata na Copa Brasil de Paraciclismo; outra de bronze no Campeonato Brasileiro de Pista de Paraciclismo; o bicampeonato Norte e Nordeste de Mountain Bike; o tricampeonato no Rally Cerapió e Piocerá de Mountain Bike; além de 10 títulos de Campeão Cearense de Mountain Bike Elite, estando como o atual vice-líder. Foi também vice-campeão no Ranking Nacional de Mountain Bike Elite e o 10° lugar no Ranking de Mountain Bike Elite XCO. Hoje é o 5° colocado no Ranking Nacional de Paraciclismo.

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho. “Tenho muito que agradecer ao meu treinador, Maurício Leão, que desde cedo apostou no meu potencial e está comigo até hoje; ao Instituto Aço Cearense, patrocinador número 1 de meus projetos e conquistas; à loja Bicipeças, de Canindé, e à Nacional Gás Boa Viagem, que também me patrocinam e exercem papel essencial na minha carreira. Serei eternamente grato a esses parceiros”, ressalta o ciclista.

Para este ano, Gilberto ainda tem dois importantes desafios: o Campeonato Brasileiro de Mountain bike XCM, que acontece em agosto, no Rio de Janeiro, e o Campeonato Brasileiro de Pista, em setembro, em Maringá. “Pretendo me destacar nessas duas competições para chegar cada vez mais perto do meu sonho de ir além dos pódios nacionais”, finaliza Silva.

Publicidade

Dê sua opinião

SUPERAÇÃO

Campeão cearense de ciclismo começou a andar com 5 anos e já conquistou 150 pódios

Gilberto de Sousa contraiu paralisia infantil e teve de se submeter a cinco cirurgias. Agora, sonha em subir ao pódio internacional

Por Roberta Tavares em Perfil

3 de agosto de 2016 às 06:25

Há 3 anos
Atleta ganhou, da empresa onde trabalha, a primeira bicicleta profissional (FOTO: Divulgação)

Atleta ganhou, da empresa onde trabalha, a primeira bicicleta profissional (FOTO: Divulgação)

São mais de 150 pódios. Centenas de medalhas e prêmios guardados com todo cuidado e orgulho na casa onde mora com a mulher e os dois filhos, no Bairro Parque Luzardo Viana, em Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza.

Aos 33 anos, seu nome talvez ainda não tenha ganhado o destaque merecido; mas, pela sequência de conquistas, não falta muito para Gilberto de Sousa Silva, paraciclista cearense patrocinado pelo Instituto Aço Cearense, conseguir realizar o maior sonho como atleta: subir em um pódio internacional. Apostando firme em sua capacidade, Gilberto está pronto para alcançar voos ainda mais altos.

A história do cearense se confunde com a trajetória de tantos outros, mas a superação dos obstáculos o tem levado a correr atrás de cada vitória e a comemorá-las com bastante satisfação. Logo que nasceu, Gilberto contraiu paralisia infantil e, para reverter o problema, teve de se submeter a cinco cirurgias, o que o deixou com um desnível entre as duas pernas. Dessa forma, apenas aos 5 anos começou a andar e, com 8, aprendeu a pedalar em uma bicicleta que ganhou da avó materna.

Campeonato de ciclismo

Em 2004, Gilberto participou do seu primeiro campeonato de ciclismo e, mesmo iniciante em competições, conquistou o primeiro lugar e mais dois títulos na prova: atleta revelação e prêmio de destaque.

Após perceber que o ciclismo tinha se apropriado de um espaço especial em sua vida, Sousa não parou mais de competir. E foram sucessivos títulos. Gilberto ainda via os campeonatos nacionais como algo distante, até que encontrou importantes apoiadores ao seu talento, o que viria a ser decisivo para alavancar a sua carreira como atleta profissional.

Colaborador da empresa Aço Cearense há 9 anos, Gilberto entrou na indústria como cortador de arame, passou para Auxiliar de Expedição e, há 5 anos, atua como motorista da empresa.

“Lembro que tinha acabado de ser contratado e teria que participar de um evento no final de semana. Mas já estava inscrito para competir no Crato, em uma prova que duraria 6 horas. Ninguém na empresa sabia que eu disputava provas de ciclismo. Ao explicar que não poderia ir devido a um torneio, a psicóloga da Aço Cearense na época, disse-me que, se eu ganhasse a competição, poderia voltar lá, que o Instituto, responsável pelo trabalho social da empresa, patrocinaria a minha carreira no ciclismo”.

Gilberto foi vitorioso na corrida no Crato e, daquela vez, conquistou não apenas mais uma medalha, mas também o apoio do Instituto Aço Cearense, que também lhe presenteou com a sua primeira bicicleta profissional.

A partir de então, o ciclista passou a viajar o Brasil inteiro em competições oficiais, tanto como paraciclista na categoria C5, quanto como ciclista de elite, uma vez que seu pequeno problema físico o permite competir nas duas modalidades

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho (FOTO: Divulgação)

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho (FOTO: Divulgação)

Conquistas

Atualmente, já são três medalhas de bronze e uma de prata na Copa Brasil de Paraciclismo; outra de bronze no Campeonato Brasileiro de Pista de Paraciclismo; o bicampeonato Norte e Nordeste de Mountain Bike; o tricampeonato no Rally Cerapió e Piocerá de Mountain Bike; além de 10 títulos de Campeão Cearense de Mountain Bike Elite, estando como o atual vice-líder. Foi também vice-campeão no Ranking Nacional de Mountain Bike Elite e o 10° lugar no Ranking de Mountain Bike Elite XCO. Hoje é o 5° colocado no Ranking Nacional de Paraciclismo.

Gilberto reconhece que não conseguiu nada sozinho. “Tenho muito que agradecer ao meu treinador, Maurício Leão, que desde cedo apostou no meu potencial e está comigo até hoje; ao Instituto Aço Cearense, patrocinador número 1 de meus projetos e conquistas; à loja Bicipeças, de Canindé, e à Nacional Gás Boa Viagem, que também me patrocinam e exercem papel essencial na minha carreira. Serei eternamente grato a esses parceiros”, ressalta o ciclista.

Para este ano, Gilberto ainda tem dois importantes desafios: o Campeonato Brasileiro de Mountain bike XCM, que acontece em agosto, no Rio de Janeiro, e o Campeonato Brasileiro de Pista, em setembro, em Maringá. “Pretendo me destacar nessas duas competições para chegar cada vez mais perto do meu sonho de ir além dos pódios nacionais”, finaliza Silva.