Cearenses usam Panamericano como preparação para Olimpíadas


Cearenses usam Panamericano como preparação para Olimpíadas Rio 2016

Vôlei de praia, atletismo e handebol serão alguns dos esportes que podem contar com cearenses na seleção

Por Lucas Matos em Outros Esportes

5 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos

As Olimpíadas Rio 2016 estão chegando. No próximo ano, os olhos do mundo estarão voltados para a cidade do Rio de Janeiro e os atletas brasileiros. Atletismo, lançamento de dardo, tênis de mesa, vôlei de praia serão alguns dos esportes que podem ter representantes cearenses.

O ano de 2015 servirá como preparação para a Rio 2016, e os atletas já começam a melhorar seus rankings para chegar à competição, e melhor, com chances de medalhas na capital carioca.

Ana Claudia LemosNascida em Jaguaretama, na região Jaguaribara, a pequena Ana Cláudia Lemos, de 1,58m, disputou os jogos panamericanos de 2011, em Guadalajara, no México. Lemos conquistou duas medalhas de ouro. Já no ano seguinte, nas Olimpíadas de Londres, ela não conseguiu repetir o feito do último Pan, sendo eliminada ainda nas eliminatórias, terminando em quinto lugar na terceira bateria, com o tempo de 23”40. Mesmo sem ter ficado com nenhuma chance de medalha, a expectativa ficara para 2013, no Mundial de Moscou, na Rússia. Novamente não teve sucesso.

A “ressureição” tendia a ser em 2014, mas a cearense não começou nada bem. Devido a uma lesão, ela passou bom tempo sem disputar campeonatos internacionais. Contudo, o tempo foi passando e, em agosto do mesmo ano, Ana Cláudia voltou ao lugar mais alto do pódio, em São Paulo, durante o campeonato Ibero-Americano, batendo o recorde da competição.

Tendo chances de medalhas, para 2016, a equipe brasileira está se preparando, a fim de evitar o que aconteceu no último Mundial, quando o bastão caiu e o revezamento 4×100 do Brasil foi desclassificado.

Laila Ferrer lançamento de dardo

No lançamento de dardo, Laila não decepcionou. Em 2014, a atleta, também durante o campeonato Ibero-Americano, ficou com a medalha de prata. Já no sul-americano, a cearense conquistou a medalha de bronze.

 

Juliana Vôlei de Praia

Para o vôlei de praia, o cenário é dos melhores. Duas duplas representarão o verde-amarelo nas Olimpíadas 2016. Para Ronald Rocha, treinador e presidente da Federação Cearense de Vôlei, na modalidade feminina, a probabilidade maior é de que Larissa e Talita (PA/AL) e Juliana e Maria Elisa (CE/PE) sejam as escolhidas. Juliana e Larissa já foram uma das duplas mais vitoriosas do vôlei brasileiro e mundial. Em 2008, a atleta nascida em São Paulo, mas radicada em Fortaleza se machucou às vésperas de Pequim, obrigando a paraense também radicada na capital cearense a jogar com outra jogadora. Em 2012, a dupla foi reeditada, ficando com a medalha de bronze.

No masculino, Hevaldo está com uma probabilidade grande de medalhas, junto com Bruno, sua dupla. Márcio Araújo corre por fora.

Depois de ter ficado afastado da seleção brasileira, Araújo praticamente zerou a pontuação no ranking mundial. O jogador espera apoio do governo municipal e estadual para que possa recuperar o tempo perdido e tentar uma vaga no Rio 2016.

Elaine Gomes Handebol

O handebol feminino foi uma enorme surpresa. Contando com uma cearense, a pivô Elaine Gomes, a seleção da modalidade marcou história ao ganhar o primeiro título da história, no mundial da Sérvia. De acordo com o dirigente da entidade do esporte no Ceará, Fabiano Lima, a expectativa é que Gomes integre a seleção que se prepara para os jogos olímpicos.

“Elaine está praticamente há dois anos e meio na seleção brasileira principal. No final de 2013, ela foi campeã mundial, e trouxe um título inédito para nós. Dentro do grupo, ela é uma das atletas novatas que foram para a Europa. O treinador [Morten Soubak] gosta muito dela, além do grupo está praticamente fechado”, afirmou Lima.

Thiago Monteiro

Já no tênis de mesa, a situação do mesatenista cearense Thiago Monteiro é um pouco delicada. Atual 4º colocado do ranking brasileiro, o esporte só tem direito a três vagas, tanto no Pan, como nos jogos olímpicos.

Segundo o próprio atleta, mesmo correndo por fora, a expectativa é para que ele possa disputar mais um torneio com a equipe brasileira.

“Eu acredito bastante nas minhas chances, e esses são meus objetivos principais. Em relação ao ranking, não creio que somente isso seja levado em conta, pois acredito que o meu histórico tenha sua influência e meus resultados na Liga Francesa também, embora não conte pontos pro ranking mundial, eu ganhei de uns top 10, 30 e 100”, afirmou.

Em relação a preparação para os jogos olímpicos, Monteiro acredita em um bom papel. “No Pan somos favoritos e, em Olimpíadas, fazemos parte dos que podem surpreender”.

De acordo com Paulo Molitor, ex-vice-presidente da Federação Cearense de Tênis de Mesa, o Brasil dificilmente terá chance de medalha olímpica, porém, no Pan, sendo individual ou em equipe, o pódio chegará.

Vôlei de praia
1/5

Vôlei de praia

Com a dupla desfeita, agora o foco se vira para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016 (Foto: Divulgação/FIVB)

Vôlei de praia
2/5

Vôlei de praia

Com chances mínimas de Panamericano e Olimpíadas, Márcio corre por fora (Foto: Divulgação/FIVB)

Tênis de Mesa
3/5

Tênis de Mesa

Cearense Thiago Monteiro ainda tenta “cavar” uma vaga para o Pan de Toronto e jogos olímpicos (Foto: Divulgação/Alaor Azevedo/CBTM)

Atletismo
4/5

Atletismo

Ana Cláudia Lemos é um dos principais nomes do revezamento 4×100 feminino brasileiro (Foto: Divulgação/Wagner do Carmo/CBAt)

Handebol
5/5

Handebol

Atualmente ela joga da Europa, sendo uma das atletas brasileiras mais novas no Velho Continente (Foto: Reprodução/Facebook)

Publicidade

Dê sua opinião

Cearenses usam Panamericano como preparação para Olimpíadas Rio 2016

Vôlei de praia, atletismo e handebol serão alguns dos esportes que podem contar com cearenses na seleção

Por Lucas Matos em Outros Esportes

5 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos

As Olimpíadas Rio 2016 estão chegando. No próximo ano, os olhos do mundo estarão voltados para a cidade do Rio de Janeiro e os atletas brasileiros. Atletismo, lançamento de dardo, tênis de mesa, vôlei de praia serão alguns dos esportes que podem ter representantes cearenses.

O ano de 2015 servirá como preparação para a Rio 2016, e os atletas já começam a melhorar seus rankings para chegar à competição, e melhor, com chances de medalhas na capital carioca.

Ana Claudia LemosNascida em Jaguaretama, na região Jaguaribara, a pequena Ana Cláudia Lemos, de 1,58m, disputou os jogos panamericanos de 2011, em Guadalajara, no México. Lemos conquistou duas medalhas de ouro. Já no ano seguinte, nas Olimpíadas de Londres, ela não conseguiu repetir o feito do último Pan, sendo eliminada ainda nas eliminatórias, terminando em quinto lugar na terceira bateria, com o tempo de 23”40. Mesmo sem ter ficado com nenhuma chance de medalha, a expectativa ficara para 2013, no Mundial de Moscou, na Rússia. Novamente não teve sucesso.

A “ressureição” tendia a ser em 2014, mas a cearense não começou nada bem. Devido a uma lesão, ela passou bom tempo sem disputar campeonatos internacionais. Contudo, o tempo foi passando e, em agosto do mesmo ano, Ana Cláudia voltou ao lugar mais alto do pódio, em São Paulo, durante o campeonato Ibero-Americano, batendo o recorde da competição.

Tendo chances de medalhas, para 2016, a equipe brasileira está se preparando, a fim de evitar o que aconteceu no último Mundial, quando o bastão caiu e o revezamento 4×100 do Brasil foi desclassificado.

Laila Ferrer lançamento de dardo

No lançamento de dardo, Laila não decepcionou. Em 2014, a atleta, também durante o campeonato Ibero-Americano, ficou com a medalha de prata. Já no sul-americano, a cearense conquistou a medalha de bronze.

 

Juliana Vôlei de Praia

Para o vôlei de praia, o cenário é dos melhores. Duas duplas representarão o verde-amarelo nas Olimpíadas 2016. Para Ronald Rocha, treinador e presidente da Federação Cearense de Vôlei, na modalidade feminina, a probabilidade maior é de que Larissa e Talita (PA/AL) e Juliana e Maria Elisa (CE/PE) sejam as escolhidas. Juliana e Larissa já foram uma das duplas mais vitoriosas do vôlei brasileiro e mundial. Em 2008, a atleta nascida em São Paulo, mas radicada em Fortaleza se machucou às vésperas de Pequim, obrigando a paraense também radicada na capital cearense a jogar com outra jogadora. Em 2012, a dupla foi reeditada, ficando com a medalha de bronze.

No masculino, Hevaldo está com uma probabilidade grande de medalhas, junto com Bruno, sua dupla. Márcio Araújo corre por fora.

Depois de ter ficado afastado da seleção brasileira, Araújo praticamente zerou a pontuação no ranking mundial. O jogador espera apoio do governo municipal e estadual para que possa recuperar o tempo perdido e tentar uma vaga no Rio 2016.

Elaine Gomes Handebol

O handebol feminino foi uma enorme surpresa. Contando com uma cearense, a pivô Elaine Gomes, a seleção da modalidade marcou história ao ganhar o primeiro título da história, no mundial da Sérvia. De acordo com o dirigente da entidade do esporte no Ceará, Fabiano Lima, a expectativa é que Gomes integre a seleção que se prepara para os jogos olímpicos.

“Elaine está praticamente há dois anos e meio na seleção brasileira principal. No final de 2013, ela foi campeã mundial, e trouxe um título inédito para nós. Dentro do grupo, ela é uma das atletas novatas que foram para a Europa. O treinador [Morten Soubak] gosta muito dela, além do grupo está praticamente fechado”, afirmou Lima.

Thiago Monteiro

Já no tênis de mesa, a situação do mesatenista cearense Thiago Monteiro é um pouco delicada. Atual 4º colocado do ranking brasileiro, o esporte só tem direito a três vagas, tanto no Pan, como nos jogos olímpicos.

Segundo o próprio atleta, mesmo correndo por fora, a expectativa é para que ele possa disputar mais um torneio com a equipe brasileira.

“Eu acredito bastante nas minhas chances, e esses são meus objetivos principais. Em relação ao ranking, não creio que somente isso seja levado em conta, pois acredito que o meu histórico tenha sua influência e meus resultados na Liga Francesa também, embora não conte pontos pro ranking mundial, eu ganhei de uns top 10, 30 e 100”, afirmou.

Em relação a preparação para os jogos olímpicos, Monteiro acredita em um bom papel. “No Pan somos favoritos e, em Olimpíadas, fazemos parte dos que podem surpreender”.

De acordo com Paulo Molitor, ex-vice-presidente da Federação Cearense de Tênis de Mesa, o Brasil dificilmente terá chance de medalha olímpica, porém, no Pan, sendo individual ou em equipe, o pódio chegará.

Vôlei de praia
1/5

Vôlei de praia

Com a dupla desfeita, agora o foco se vira para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016 (Foto: Divulgação/FIVB)

Vôlei de praia
2/5

Vôlei de praia

Com chances mínimas de Panamericano e Olimpíadas, Márcio corre por fora (Foto: Divulgação/FIVB)

Tênis de Mesa
3/5

Tênis de Mesa

Cearense Thiago Monteiro ainda tenta “cavar” uma vaga para o Pan de Toronto e jogos olímpicos (Foto: Divulgação/Alaor Azevedo/CBTM)

Atletismo
4/5

Atletismo

Ana Cláudia Lemos é um dos principais nomes do revezamento 4×100 feminino brasileiro (Foto: Divulgação/Wagner do Carmo/CBAt)

Handebol
5/5

Handebol

Atualmente ela joga da Europa, sendo uma das atletas brasileiras mais novas no Velho Continente (Foto: Reprodução/Facebook)