Série D: clubes apostam em medalhoes do passado


Série D: clubes apostam em medalhões do passado

Eternas promessas das seleções de base e veteranos que já passaram por grandes times, são atrações da 4ª divisão nacional, que começa neste final de semana

Por Caio Costa em Futebol

18 de julho de 2014 às 09:30

Há 5 anos
Somália, Ruy, Alessandro, Ramon, Acosta e Fabão: todos já brilharam em grandes clubes e agora vão disputar a Série D Arte: Tiago Leita/Tribuna do Ceará

Somália, Ruy, Alessandro, Ramon, Acosta e Fabão: todos já brilharam em grandes clubes e agora vão disputar a Série D Arte: Tiago Leite/Tribuna do Ceará

Último degrau na escada do futebol brasileiro, a Série D sempre é vista com um torneio menor desde a sua primeira edição, em 2009. Apesar de ainda sofrer com a falta de um apoio maior da parte da CBF, que já acarretou em desistências, o primo mais pobre do Brasileirão terá ingredientes interessantes em 2014.

Primeiro será a presença de grandes clubes que buscam reencontrar o seu espaço no cenário nacional como Remo e Brasiliense, que está estiveram na elite e agora patinam das divisões inferiores. Além disso, alguns jogadores que já atuaram por gigantes do país do futebol e atualmente buscam reencontrar o brilho do passado.

Desta forma, o Tribuna do Ceará fez um pequeno perfil dos quinze jogadores mais badalados da competição que começa neste final de semana e que terá o Guarany de Sobral, semifinalista do último estadual, como o representante cearense.

Fabão – zagueiro – Goianésia-GO

Aos 38 anos, Fabão vai disputar a Série D pelo modesto Goianésia. Revelado pelo Bahia e com passagens por Flamengo e Betis, da Espanha, o zagueiro viveu o auge da carreira com a camisa do São Paulo, quando entre 2004 e 2006, acumulou títulos como Mundial de Clubes, Taça Libertadores da América e um Campeonato Brasileiro. Depois de se desligar do Tricolor Paulista, o defensor nunca mais conseguiu repetir o mesmo brilho.

Em 2008 esteve no Santos, passou também por Guarani de Campinas, Henan Jianye da China, Comercial de Ribeirão Preto e Sobradinho, do Distrito Federal, antes de acertar com o time goiano.

Ramon chegou a atuar pelo CSKA Foto: Divulgação

Ramon chegou a atuar pelo CSKA Foto: Divulgação

Ramon – meia – Goianésia-GO

Ramon foi revelado pelo Atlético-MG como promessa de craque. Após disputar o Mundial Sub-17 de 2005 – com direito de ser o camisa 10 do time que tinha Anderson (ex-Grêmio e Manchester United) e Renato Augusto (ex-Flamengo), se transferiu para o Corinthians. Sem espaço no Parque São Jorge, começou uma verdadeira peregrinação, passando por CSKA Moscou, Flamengo, Bahia e Náutico.

Com apenas 26 anos, foi dispensado pelo Remo logo após a conquista do título paraense, mas pouco tempo depois foi anunciado como reforço do Goianésia para Série D, onde vai tentar, mais uma vez, reconstruir a carreira que começou de forma promissora no Galo.

Gladstone – zagueiro – Cabofriense-RJ

Campeão da Copa do Brasil com apenas 18 anos e logo depois vendido à poderosa Juventus de Turim. Em seguida, titular da Seleção Brasileira no Mundial sub-20 de 2005. Tudo indicava que a carreira de Gladstone seria um pleno sucesso, com muitas conquistas e passagens por grandes clubes do futebol mundial. Mas não foi bem assim que aconteceu.

Depois de rodar por vários times, alguns importantes como Palmeiras e Portuguesa, o zagueiro acertou com o CRB no final de 2013. Da equipe alagoana se transferiu para a Cabofriense, com que quem, aos 29 anos, vai disputar a Série D de 2014.

Celsinho – meia – Londrina-PR

O “Ronaldinho Gaúcho do Canindé”. Era com essa credencial que Celsinho surgiu na Portuguesa, como o clone do então melhor jogador do mundo. Mesmo sem conseguir se firmar na Lusa, disputou ao lado do já citado Ramon, o Mundial Sub-17 de 2005 e depois foi contratado pelo Lokomoviv Moscou, da Rússia

Apesar da fama de craque, não se firmou na Europa, onde chegou a atuar até na Romênia. Depois de muito rodar, se encontrou no Londrina, onde fez boa temporada em 2013.  Ainda teve uma passagem relâmpago pelo Fortaleza, mas retornou ao clube paranaense, pelo qual conquistou o título estadual deste ano.

Somália – atacante – Princesa do Solimões-AM

Revelado pelo América-MG nos anos 90, Somália é um verdadeiro andarilho do futebol. Desde 1997 até 2014, vestiu 20 camisas diferentes, entre clubes importantes como o Fluminense, equipes da Holanda e da Eslováquia e agremiações menores como o Bonsucesso do Rio de Janeiro.

Agora, aos 37 anos, o atacante conhecido pela dancinhas para comemorar os seus gols, fechou com o Princesa do Solimões para a disputa da Série D.

Ex-Vasco e Botafogo, Zé Roberto está no Brasiliense Foto: Divulgação

Ex-Vasco e Botafogo, Zé Roberto está no Brasiliense Foto: Divulgação

Zé Roberto – meia – Brasiliense-DF

Velho conhecido da torcida do Botafogo, onde brilhou ao lado de Dodô e Lúcio Flávio, Zé Roberto vai disputar a Série D pelo Brasiliense, clube com mais medalhões na competição. Aos 33 anos, o meia-atacante tenta reconstruir a carreira atuando pelo vice-campeão da Copa do Brasil de 2002.

Em 15 anos como profissional, o jogador também teve destaque com a camisa do Vitória, mas nas últimas temporadas acumulou dispensas de Internacional, Bahia e Figueirense.

André Luiz – zagueiro – Brasiliense-DF

Campeão Brasileiro de 2002 pelo Santos, André Luiz ganhou fama por ser violento e “cabeça quente”. Já vestiu camisas importantes como de Benfica (Portugal), Olympique de Marselha (França), São Paulo, Fluminense e Botafogo, sempre acumulando expulsões e confusões, como em uma em que “deu” um cartão amarelo para um árbitro, quando defendia o Alvinegro Carioca.

Aos 35 anos acertou com o Brasiliense no início da temporada, depois de atuar pelo modesto Boa Esporte durante o último Campeonato Brasileiro da Série B.

Do Boca Juniors para a Série D Foto: Divulgação

Do Boca Juniors para a Série D Foto: Divulgação

Baiano – volante – Brasiliense-DF

Revelado pelo Santos, Baiano fez parte da Seleção Brasileira que disputou os Jogos Olímpicos de Sidney, comandada por Vanderlei Luxemburgo em 2000. Do Peixe, rodou por Las Palmas (Espanha), Atlético-MG, Palmeiras, Boca Juniors (Argentina) e Rubin Kazan (Rússia).

Conhecido pela bola parada, chegou a ter bons momentos na carreira, a maioria deles quando defendia o Alviverde Paulista, mas também acumula alguns fiascos, como o rebaixamento do Vasco à Série B em 2008. Está no Brasiliense desde 2012, sendo um dos remanescentes do time que caiu para a quarta divisão.

Ruy Cabeção – meia/lateral – Operário de Várzea Grande

Mais um jogador folclórico da década passada que vai atuar pelos gramados da Série D de 2014. Ruy Cabeção começou a carreira no América-MG, passou pelo Cruzeiro, mas ficou conhecido nacionalmente quando chegou no Botafogo, onde teve boas atuações. Depois, se transferiu para o Fluminense, se tornando vice-campeão da Copa Sul-Americana de 2008.

Após deixar o estádio das Laranjeiras em 2009, Ruy já vestiu as camisas de Boavista-RJ, Brasiliense, Ipatinga, Alecrim-RN, Mixto-MT e vai atuar pelo Operário de Várzea Grande na quarta divisão nacional.

Alessandro – lateral – Metropolitano-SC

Revelado pelo Vasco, mas sem espaço em São Januário, Alessandro ganhou destaque no Atlético-PR. O desempenho o levou para a Seleção Brasileira de Luiz Felipe Scolari, que o convocou para a Copa América de 2001, em que a Canarinha deu vexame e foi eliminada por Honduras. Naquele mesmo ano, foi Campeão Brasileiro pelo Furacão.

Depois de deixar o time paranaense, o lateral passou por Atlético-MG e São Caetano, antes de desembarcar no Botafogo, onde durante quatro temporadas viveu  uma relação de amor e ódio com a torcida. Com 36 anos, está no Metropolitano desde a temporada passada.

Carlos Alberto – volante – Metropolitano-SC

Mais um que se destacou nas seleções de base e que não conseguiu repetir o sucesso como profissional. Titular o Brasil campeão Mundial Sub-20 em 2003, Carlos Alberto virou alvo de disputa entre Corinthians e Flamengo, em que o Alvinegro levou a melhor. Entretanto, pouco tempo, o jogador relevou ter adulterado a sua identidade, que dizia que ele era de 1983, quando na verdade o volante é de 1978.

Sua passagem pelo Parque São Jorge foi curta e de lá ele rodou por vários clubes como Atlético-MG, Goiás, Joinville e Anapolina, antes de acertar com o Metropolitano para a Série D.

O uruguaio Acosta está no Santos, mas no de Macapá

O uruguaio Acosta está no Santos, mas no de Macapá

Acosta – atacante – Santos-AP

Acosta surgiu como o verdadeiro vendaval no futebol brasileiro. Contratado pelo Náutico, o uruguaio brilhou na Série A de 2008 e foi protagonista de uma verdadeira briga entre Corinthians e São Paulo, que tentaram a peso de ouro a sua contratação. Acabou acertando com o Timão, onde fez parte do time vice-campeão da Copa do Brasil de 2009, com direito a perder um gol feito na final contra o Sport, quando preferiu tentar cavar um pênalti.

De lá para cá, o atacante retornou ao Timbu, passou por Brasiliense, Central de Caruaru, União Barbarense, Resende-RJ, Operário de Várzea Grande e Santos de Macapá, clube pelo qual foi campeão amapaense e que vai disputar a Série D.

Eduardo Martini – goleiro – Brasil de Pelotas

Revelado pelo Grêmio, Eduardo Martini foi titular na Taça Libertadores da América de 2002, uma vez que o ídolo gremista, Danrlei estava suspenso,  mas viu o Tricolor Imortal ser eliminado nas semifinais pelo Olímpia, do Paraguai. Depois, teve boas passagens por Ponte Preta e Avaí.

Após deixar a Macaca seguiu a carreira por clubes do interior gaúcho, como Novo Hamburgo e Lajeadense, antes de chegar ao Brasil de Pelotas para disputar a Série D.

Romerito – meia – Anapolina-GO

Apesar de ter passado pelo Corinthians no início de carreira, Romerito ficou conhecido por brilhar na Copa do Brasil por outros clubes. Primeiro, foi vice-campeão da competição pelo Brasiliense, em 2002. Depois foi campeão em 2009 pelo Sport. A curiosidade fica por conta que as duas finais foram diante do Timão.

Além de Sport e Brasiliense, o meia, que atualmente está com 38 anos, também teve boa performace com a camisa do Goiás. Este ano, vai disputar a Série D pelo Anapolina.

Joílson – meia/lateral – Tombense-MG

Campeão Brasileiro de 2008 pelo São Paulo, Joílson teve passagem de destaque pelo Botafogo, onde foi eleito um dos melhores laterais da Série A de 2007, além de ter vestido as camisas de América-RJ e Cruzeiro. No ano passado, esteve no Fortaleza, onde sequer se firmou no time titular que fracassou na Série C.

Nesta temporada, retornou ao Tombense, clube administrado pelo empresário Eduardo Uram, e que fez boa campanha no Campeonato Mineiro, o que o credenciou para disputar a Série D.

Outros medalhões

Além dos 15 citados pelo Tribuna do Ceará, outras figurinhas carimbadas do futebol brasileiro também vão disputar a Série D do Campeonato Brasileiro, que começa no próximo final de semana. Confira alguns deles.

– Luiz Carlos (atacante do Brasiliense, 33 anos): ex-Vasco, Ceará, Fortaleza e Internacional
– Nonato (atacante do Goianésia, 33 anos): ex-Bahia, Goiás e Forteleza
– Fábio Braz (zagueiro do Brasiliense, 35 anos): ex-Vasco, Corinthians, Paraná e Guarani
Gustavo Papa (atacante do Brasil de Pelotas, 34 anos): ex-Internacional, São Caetano, Coritiba e Fortaleza
– Fabrício Carvalho (atacante do Cabofriense, 36 anos): ex-Ponte Preta, Goiás, São Caetano e Portuguesa
– Francismar (meia do Tombense, 30 anos): ex-Cruzeiro, América-MG e Vasco
– Têti (meia do Cabofriense, 36 anos): ex-Botafogo, Fluminense e Vasco
– Guaru (meia da Penapolense, 34 anos): ex-São Paulo, Bahia, Guarani e Fortaleza

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Dê sua opinião

Série D: clubes apostam em medalhões do passado

Eternas promessas das seleções de base e veteranos que já passaram por grandes times, são atrações da 4ª divisão nacional, que começa neste final de semana

Por Caio Costa em Futebol

18 de julho de 2014 às 09:30

Há 5 anos
Somália, Ruy, Alessandro, Ramon, Acosta e Fabão: todos já brilharam em grandes clubes e agora vão disputar a Série D Arte: Tiago Leita/Tribuna do Ceará

Somália, Ruy, Alessandro, Ramon, Acosta e Fabão: todos já brilharam em grandes clubes e agora vão disputar a Série D Arte: Tiago Leite/Tribuna do Ceará

Último degrau na escada do futebol brasileiro, a Série D sempre é vista com um torneio menor desde a sua primeira edição, em 2009. Apesar de ainda sofrer com a falta de um apoio maior da parte da CBF, que já acarretou em desistências, o primo mais pobre do Brasileirão terá ingredientes interessantes em 2014.

Primeiro será a presença de grandes clubes que buscam reencontrar o seu espaço no cenário nacional como Remo e Brasiliense, que está estiveram na elite e agora patinam das divisões inferiores. Além disso, alguns jogadores que já atuaram por gigantes do país do futebol e atualmente buscam reencontrar o brilho do passado.

Desta forma, o Tribuna do Ceará fez um pequeno perfil dos quinze jogadores mais badalados da competição que começa neste final de semana e que terá o Guarany de Sobral, semifinalista do último estadual, como o representante cearense.

Fabão – zagueiro – Goianésia-GO

Aos 38 anos, Fabão vai disputar a Série D pelo modesto Goianésia. Revelado pelo Bahia e com passagens por Flamengo e Betis, da Espanha, o zagueiro viveu o auge da carreira com a camisa do São Paulo, quando entre 2004 e 2006, acumulou títulos como Mundial de Clubes, Taça Libertadores da América e um Campeonato Brasileiro. Depois de se desligar do Tricolor Paulista, o defensor nunca mais conseguiu repetir o mesmo brilho.

Em 2008 esteve no Santos, passou também por Guarani de Campinas, Henan Jianye da China, Comercial de Ribeirão Preto e Sobradinho, do Distrito Federal, antes de acertar com o time goiano.

Ramon chegou a atuar pelo CSKA Foto: Divulgação

Ramon chegou a atuar pelo CSKA Foto: Divulgação

Ramon – meia – Goianésia-GO

Ramon foi revelado pelo Atlético-MG como promessa de craque. Após disputar o Mundial Sub-17 de 2005 – com direito de ser o camisa 10 do time que tinha Anderson (ex-Grêmio e Manchester United) e Renato Augusto (ex-Flamengo), se transferiu para o Corinthians. Sem espaço no Parque São Jorge, começou uma verdadeira peregrinação, passando por CSKA Moscou, Flamengo, Bahia e Náutico.

Com apenas 26 anos, foi dispensado pelo Remo logo após a conquista do título paraense, mas pouco tempo depois foi anunciado como reforço do Goianésia para Série D, onde vai tentar, mais uma vez, reconstruir a carreira que começou de forma promissora no Galo.

Gladstone – zagueiro – Cabofriense-RJ

Campeão da Copa do Brasil com apenas 18 anos e logo depois vendido à poderosa Juventus de Turim. Em seguida, titular da Seleção Brasileira no Mundial sub-20 de 2005. Tudo indicava que a carreira de Gladstone seria um pleno sucesso, com muitas conquistas e passagens por grandes clubes do futebol mundial. Mas não foi bem assim que aconteceu.

Depois de rodar por vários times, alguns importantes como Palmeiras e Portuguesa, o zagueiro acertou com o CRB no final de 2013. Da equipe alagoana se transferiu para a Cabofriense, com que quem, aos 29 anos, vai disputar a Série D de 2014.

Celsinho – meia – Londrina-PR

O “Ronaldinho Gaúcho do Canindé”. Era com essa credencial que Celsinho surgiu na Portuguesa, como o clone do então melhor jogador do mundo. Mesmo sem conseguir se firmar na Lusa, disputou ao lado do já citado Ramon, o Mundial Sub-17 de 2005 e depois foi contratado pelo Lokomoviv Moscou, da Rússia

Apesar da fama de craque, não se firmou na Europa, onde chegou a atuar até na Romênia. Depois de muito rodar, se encontrou no Londrina, onde fez boa temporada em 2013.  Ainda teve uma passagem relâmpago pelo Fortaleza, mas retornou ao clube paranaense, pelo qual conquistou o título estadual deste ano.

Somália – atacante – Princesa do Solimões-AM

Revelado pelo América-MG nos anos 90, Somália é um verdadeiro andarilho do futebol. Desde 1997 até 2014, vestiu 20 camisas diferentes, entre clubes importantes como o Fluminense, equipes da Holanda e da Eslováquia e agremiações menores como o Bonsucesso do Rio de Janeiro.

Agora, aos 37 anos, o atacante conhecido pela dancinhas para comemorar os seus gols, fechou com o Princesa do Solimões para a disputa da Série D.

Ex-Vasco e Botafogo, Zé Roberto está no Brasiliense Foto: Divulgação

Ex-Vasco e Botafogo, Zé Roberto está no Brasiliense Foto: Divulgação

Zé Roberto – meia – Brasiliense-DF

Velho conhecido da torcida do Botafogo, onde brilhou ao lado de Dodô e Lúcio Flávio, Zé Roberto vai disputar a Série D pelo Brasiliense, clube com mais medalhões na competição. Aos 33 anos, o meia-atacante tenta reconstruir a carreira atuando pelo vice-campeão da Copa do Brasil de 2002.

Em 15 anos como profissional, o jogador também teve destaque com a camisa do Vitória, mas nas últimas temporadas acumulou dispensas de Internacional, Bahia e Figueirense.

André Luiz – zagueiro – Brasiliense-DF

Campeão Brasileiro de 2002 pelo Santos, André Luiz ganhou fama por ser violento e “cabeça quente”. Já vestiu camisas importantes como de Benfica (Portugal), Olympique de Marselha (França), São Paulo, Fluminense e Botafogo, sempre acumulando expulsões e confusões, como em uma em que “deu” um cartão amarelo para um árbitro, quando defendia o Alvinegro Carioca.

Aos 35 anos acertou com o Brasiliense no início da temporada, depois de atuar pelo modesto Boa Esporte durante o último Campeonato Brasileiro da Série B.

Do Boca Juniors para a Série D Foto: Divulgação

Do Boca Juniors para a Série D Foto: Divulgação

Baiano – volante – Brasiliense-DF

Revelado pelo Santos, Baiano fez parte da Seleção Brasileira que disputou os Jogos Olímpicos de Sidney, comandada por Vanderlei Luxemburgo em 2000. Do Peixe, rodou por Las Palmas (Espanha), Atlético-MG, Palmeiras, Boca Juniors (Argentina) e Rubin Kazan (Rússia).

Conhecido pela bola parada, chegou a ter bons momentos na carreira, a maioria deles quando defendia o Alviverde Paulista, mas também acumula alguns fiascos, como o rebaixamento do Vasco à Série B em 2008. Está no Brasiliense desde 2012, sendo um dos remanescentes do time que caiu para a quarta divisão.

Ruy Cabeção – meia/lateral – Operário de Várzea Grande

Mais um jogador folclórico da década passada que vai atuar pelos gramados da Série D de 2014. Ruy Cabeção começou a carreira no América-MG, passou pelo Cruzeiro, mas ficou conhecido nacionalmente quando chegou no Botafogo, onde teve boas atuações. Depois, se transferiu para o Fluminense, se tornando vice-campeão da Copa Sul-Americana de 2008.

Após deixar o estádio das Laranjeiras em 2009, Ruy já vestiu as camisas de Boavista-RJ, Brasiliense, Ipatinga, Alecrim-RN, Mixto-MT e vai atuar pelo Operário de Várzea Grande na quarta divisão nacional.

Alessandro – lateral – Metropolitano-SC

Revelado pelo Vasco, mas sem espaço em São Januário, Alessandro ganhou destaque no Atlético-PR. O desempenho o levou para a Seleção Brasileira de Luiz Felipe Scolari, que o convocou para a Copa América de 2001, em que a Canarinha deu vexame e foi eliminada por Honduras. Naquele mesmo ano, foi Campeão Brasileiro pelo Furacão.

Depois de deixar o time paranaense, o lateral passou por Atlético-MG e São Caetano, antes de desembarcar no Botafogo, onde durante quatro temporadas viveu  uma relação de amor e ódio com a torcida. Com 36 anos, está no Metropolitano desde a temporada passada.

Carlos Alberto – volante – Metropolitano-SC

Mais um que se destacou nas seleções de base e que não conseguiu repetir o sucesso como profissional. Titular o Brasil campeão Mundial Sub-20 em 2003, Carlos Alberto virou alvo de disputa entre Corinthians e Flamengo, em que o Alvinegro levou a melhor. Entretanto, pouco tempo, o jogador relevou ter adulterado a sua identidade, que dizia que ele era de 1983, quando na verdade o volante é de 1978.

Sua passagem pelo Parque São Jorge foi curta e de lá ele rodou por vários clubes como Atlético-MG, Goiás, Joinville e Anapolina, antes de acertar com o Metropolitano para a Série D.

O uruguaio Acosta está no Santos, mas no de Macapá

O uruguaio Acosta está no Santos, mas no de Macapá

Acosta – atacante – Santos-AP

Acosta surgiu como o verdadeiro vendaval no futebol brasileiro. Contratado pelo Náutico, o uruguaio brilhou na Série A de 2008 e foi protagonista de uma verdadeira briga entre Corinthians e São Paulo, que tentaram a peso de ouro a sua contratação. Acabou acertando com o Timão, onde fez parte do time vice-campeão da Copa do Brasil de 2009, com direito a perder um gol feito na final contra o Sport, quando preferiu tentar cavar um pênalti.

De lá para cá, o atacante retornou ao Timbu, passou por Brasiliense, Central de Caruaru, União Barbarense, Resende-RJ, Operário de Várzea Grande e Santos de Macapá, clube pelo qual foi campeão amapaense e que vai disputar a Série D.

Eduardo Martini – goleiro – Brasil de Pelotas

Revelado pelo Grêmio, Eduardo Martini foi titular na Taça Libertadores da América de 2002, uma vez que o ídolo gremista, Danrlei estava suspenso,  mas viu o Tricolor Imortal ser eliminado nas semifinais pelo Olímpia, do Paraguai. Depois, teve boas passagens por Ponte Preta e Avaí.

Após deixar a Macaca seguiu a carreira por clubes do interior gaúcho, como Novo Hamburgo e Lajeadense, antes de chegar ao Brasil de Pelotas para disputar a Série D.

Romerito – meia – Anapolina-GO

Apesar de ter passado pelo Corinthians no início de carreira, Romerito ficou conhecido por brilhar na Copa do Brasil por outros clubes. Primeiro, foi vice-campeão da competição pelo Brasiliense, em 2002. Depois foi campeão em 2009 pelo Sport. A curiosidade fica por conta que as duas finais foram diante do Timão.

Além de Sport e Brasiliense, o meia, que atualmente está com 38 anos, também teve boa performace com a camisa do Goiás. Este ano, vai disputar a Série D pelo Anapolina.

Joílson – meia/lateral – Tombense-MG

Campeão Brasileiro de 2008 pelo São Paulo, Joílson teve passagem de destaque pelo Botafogo, onde foi eleito um dos melhores laterais da Série A de 2007, além de ter vestido as camisas de América-RJ e Cruzeiro. No ano passado, esteve no Fortaleza, onde sequer se firmou no time titular que fracassou na Série C.

Nesta temporada, retornou ao Tombense, clube administrado pelo empresário Eduardo Uram, e que fez boa campanha no Campeonato Mineiro, o que o credenciou para disputar a Série D.

Outros medalhões

Além dos 15 citados pelo Tribuna do Ceará, outras figurinhas carimbadas do futebol brasileiro também vão disputar a Série D do Campeonato Brasileiro, que começa no próximo final de semana. Confira alguns deles.

– Luiz Carlos (atacante do Brasiliense, 33 anos): ex-Vasco, Ceará, Fortaleza e Internacional
– Nonato (atacante do Goianésia, 33 anos): ex-Bahia, Goiás e Forteleza
– Fábio Braz (zagueiro do Brasiliense, 35 anos): ex-Vasco, Corinthians, Paraná e Guarani
Gustavo Papa (atacante do Brasil de Pelotas, 34 anos): ex-Internacional, São Caetano, Coritiba e Fortaleza
– Fabrício Carvalho (atacante do Cabofriense, 36 anos): ex-Ponte Preta, Goiás, São Caetano e Portuguesa
– Francismar (meia do Tombense, 30 anos): ex-Cruzeiro, América-MG e Vasco
– Têti (meia do Cabofriense, 36 anos): ex-Botafogo, Fluminense e Vasco
– Guaru (meia da Penapolense, 34 anos): ex-São Paulo, Bahia, Guarani e Fortaleza