Música de Safadão revela comportamento masculino durante paquera, diz pesquisa

AQUELE 1%

Música de Safadão revela comportamento masculino durante paquera, diz pesquisa

As perguntas foram baseadas na canção “Aquele 1%”

Por Rosana Romão em Música

14 de maio de 2016 às 06:00

Há 3 anos
A música também fala sobre romantismo. (FOTO: divulgação)

A música também fala sobre romantismo. (FOTO: divulgação)

Levando em conta os ensinamentos de Wesley Safadão no hit “Aquele 1%”, o site de relacionamento ParPerfeito resolveu descobrir quais as lições de conquista mostradas pelo cantor na música que são mais praticadas pelos homens e as mais apreciadas pelas mulheres.  O resultado revela que 35% dos homens entre 26 e 33 anos preferem a estratégia: “Eu abro a porta e puxo a cadeira do jantar à luz de velas para ela se apaixonar”. Essa também foi a opção preferida de 33% dos homens na faixa entre 42 e 49 anos.

O resultado só foi diferente para o público masculino entre 34 e 41 anos que prefere ligar no outro dia, no estilo “Don Juan”.  E quem optou por essa última alternativa deve se dar muito bem com as mulheres, já que para 42% das que estão na faixa entre 34 e 41 anos e 36% das que têm entre 34 e 41 anos afirmaram que essa é a atitude mais importante. As mais novas de 26 a 33 anos preferem os homens que mandam flores, chocolates e cartão.

Rosana Braga, consultora de relacionamento do ParPerfeito, comenta esse conflito de interesses, pois eles preferem parecer cavalheiros no primeiro encontro, enquanto para elas o mais importante é o que fazem no dia seguinte. “Esses números mostram claramente as diferenças entre o comportamento masculino e o feminino, porque grande parte dos homens privilegia um comportamento encantador durante a conquista, enquanto a maioria das mulheres busca consistência”, analisa a consultora.

Segundo ela, em geral, as mulheres esperam que eles continuem sendo gentis no dia seguinte, enquanto eles, muitas vezes, estão mais dispostos em conseguir um encontro pontual, sem comprometimento. “Mas vale ressaltar que há controvérsias e que não podemos generalizar, pois certamente existem homens dispostos a se relacionar e muitas vezes eles acabam sendo mal recebidos por algumas mulheres que os julgam ‘rápidos demais’”, pondera Rosana. 

Músicas de Sandy, Anitta e Ludmilla

Outras músicas do momento também foram usadas para retratar o comportamento que prevalece no mundo da paquera. Pediram para os homens contarem qual música melhor define as mulheres que tomam a iniciativa e, em todas as faixas etárias, a maioria deles acha que isso é sinônimo de mulher sincera, como Sandy ensina na música “Quando você Passa (Turu Turu)”. Na segunda posição ficou a música “Bang” da Anitta, mostrando que eles gostam de mulher decidida. Uma pequena porcentagem deles acha que a mulher que faz isso é atirada, como Ludmilla canta na música “Hoje”.

As mesmas músicas foram mostradas para as mulheres escolherem qual retrata melhor as suas atitudes para demonstrar que estão a fim de alguém e, neste caso, também há uma divergência entre o sexo feminino e masculino. Para as que têm idade entre 26 e 33 anos, o melhor é ser decidida e abordá-los como ensina a música “Bang” da Anitta. Já para as de 34 a 49 anos, é melhor ser sincera, no estilo Sandy. Ser atirada, como na música da Ludmilla, ficou na terceira posição.

“Na verdade, tanto homens quanto mulheres se encantam com a transparência colocada de forma elegante. Mulheres com autoestima em dia, de bem consigo mesmas, tendem a mostrar o que querem, mas sem fazer isso de modo atirado ou ‘desesperado’. O fato é que ninguém gosta de ter de lidar com pessoas ansiosas e inseguras na hora da conquista. E por mais que demonstrar o que se quer possa ser um comportamento bem avaliado, tudo vai depender da forma como as intenções são colocadas”, avalia a consultora de relacionamento.

“No fim das contas, tudo isso mostra o quanto homens e mulheres estão em busca de espontaneidade e verdade. Mas o problema é que, apesar dessa procura, muitos ainda se defendem e se escondem atrás de comportamentos engessados e joguinhos que terminam revelando o quanto estão com medo de se expor e não corresponder às expectativas do outro. É por isso que, no mundo em geral e especialmente na paquera, vai se dar bem melhor quem estiver seguro do que quer e bancar suas escolhas com coerência”, finaliza.

Publicidade

Dê sua opinião

AQUELE 1%

Música de Safadão revela comportamento masculino durante paquera, diz pesquisa

As perguntas foram baseadas na canção “Aquele 1%”

Por Rosana Romão em Música

14 de maio de 2016 às 06:00

Há 3 anos
A música também fala sobre romantismo. (FOTO: divulgação)

A música também fala sobre romantismo. (FOTO: divulgação)

Levando em conta os ensinamentos de Wesley Safadão no hit “Aquele 1%”, o site de relacionamento ParPerfeito resolveu descobrir quais as lições de conquista mostradas pelo cantor na música que são mais praticadas pelos homens e as mais apreciadas pelas mulheres.  O resultado revela que 35% dos homens entre 26 e 33 anos preferem a estratégia: “Eu abro a porta e puxo a cadeira do jantar à luz de velas para ela se apaixonar”. Essa também foi a opção preferida de 33% dos homens na faixa entre 42 e 49 anos.

O resultado só foi diferente para o público masculino entre 34 e 41 anos que prefere ligar no outro dia, no estilo “Don Juan”.  E quem optou por essa última alternativa deve se dar muito bem com as mulheres, já que para 42% das que estão na faixa entre 34 e 41 anos e 36% das que têm entre 34 e 41 anos afirmaram que essa é a atitude mais importante. As mais novas de 26 a 33 anos preferem os homens que mandam flores, chocolates e cartão.

Rosana Braga, consultora de relacionamento do ParPerfeito, comenta esse conflito de interesses, pois eles preferem parecer cavalheiros no primeiro encontro, enquanto para elas o mais importante é o que fazem no dia seguinte. “Esses números mostram claramente as diferenças entre o comportamento masculino e o feminino, porque grande parte dos homens privilegia um comportamento encantador durante a conquista, enquanto a maioria das mulheres busca consistência”, analisa a consultora.

Segundo ela, em geral, as mulheres esperam que eles continuem sendo gentis no dia seguinte, enquanto eles, muitas vezes, estão mais dispostos em conseguir um encontro pontual, sem comprometimento. “Mas vale ressaltar que há controvérsias e que não podemos generalizar, pois certamente existem homens dispostos a se relacionar e muitas vezes eles acabam sendo mal recebidos por algumas mulheres que os julgam ‘rápidos demais’”, pondera Rosana. 

Músicas de Sandy, Anitta e Ludmilla

Outras músicas do momento também foram usadas para retratar o comportamento que prevalece no mundo da paquera. Pediram para os homens contarem qual música melhor define as mulheres que tomam a iniciativa e, em todas as faixas etárias, a maioria deles acha que isso é sinônimo de mulher sincera, como Sandy ensina na música “Quando você Passa (Turu Turu)”. Na segunda posição ficou a música “Bang” da Anitta, mostrando que eles gostam de mulher decidida. Uma pequena porcentagem deles acha que a mulher que faz isso é atirada, como Ludmilla canta na música “Hoje”.

As mesmas músicas foram mostradas para as mulheres escolherem qual retrata melhor as suas atitudes para demonstrar que estão a fim de alguém e, neste caso, também há uma divergência entre o sexo feminino e masculino. Para as que têm idade entre 26 e 33 anos, o melhor é ser decidida e abordá-los como ensina a música “Bang” da Anitta. Já para as de 34 a 49 anos, é melhor ser sincera, no estilo Sandy. Ser atirada, como na música da Ludmilla, ficou na terceira posição.

“Na verdade, tanto homens quanto mulheres se encantam com a transparência colocada de forma elegante. Mulheres com autoestima em dia, de bem consigo mesmas, tendem a mostrar o que querem, mas sem fazer isso de modo atirado ou ‘desesperado’. O fato é que ninguém gosta de ter de lidar com pessoas ansiosas e inseguras na hora da conquista. E por mais que demonstrar o que se quer possa ser um comportamento bem avaliado, tudo vai depender da forma como as intenções são colocadas”, avalia a consultora de relacionamento.

“No fim das contas, tudo isso mostra o quanto homens e mulheres estão em busca de espontaneidade e verdade. Mas o problema é que, apesar dessa procura, muitos ainda se defendem e se escondem atrás de comportamentos engessados e joguinhos que terminam revelando o quanto estão com medo de se expor e não corresponder às expectativas do outro. É por isso que, no mundo em geral e especialmente na paquera, vai se dar bem melhor quem estiver seguro do que quer e bancar suas escolhas com coerência”, finaliza.