MC cearense foi o único rapper brasileiro selecionado para projeto internacional


MC cearense foi o único rapper brasileiro selecionado para projeto internacional

Coro MC foi um dos 84 artistas selecionados pelo Converse Rubber Tracks para gravar em um dos maiores estúdios do mundo

Por Ana Beatriz Leite em Música

30 de dezembro de 2015 às 06:00

Há 3 anos
Jonas de Lima Silva, conhecido como Coro MC, gravou um EP no estúdio carioca Toca do Bandido (FOTO: Reprodução/Converse Rubber Tracks)

Jonas de Lima Silva, conhecido como Coro MC, gravou um EP no estúdio carioca Toca do Bandido (FOTO: Reprodução/Converse Rubber Tracks)

Em setembro de 2015, a Converse deu a 84 artistas emergentes de diversas nacionalidades a oportunidade de gravar nos maiores estúdios do mundo. Entre os brasileiros selecionados no projeto, o Rubber Tracks, apenas um representava o rap.

Coro MC, uma das maiores apostas do projeto, foi o único rapper brasileiro selecionado. E ele é cearense. De Fortaleza, foi ao Rio de Janeiro para gravar suas músicas autorais no Estúdio Toca do Bandido, um dos mais renomados do País.

Relatos da Barra do Ceará

Jonas de Lima Silva cresceu na Barra do Ceará, bairro onde reside até hoje. O talento foi descoberto ainda na infância, quando tocava na igreja do bairro, mas sua relação com a música foi interrompida por uma sequência de acontecimentos. “Parei de tocar com 11, quando meus pais se separaram. Aí saí da igreja e comecei a me envolver com umas coisas meio erradas no bairro”, conta.

Porém, da vivência pessoal nos problemas sociais da periferia também vieram bons frutos. Aos 19 anos, Jonas começou a compor relatos de situações vividas por ele e amigos próximos. O colega que teve que mudar de cidade após ameaças de homicídio, o vizinho envolvido com drogas e o amigo presidiário, todos serviram de inspiração para os primeiros raps do artista que viria a ser Coro MC.

“Desisti dos estudos com 15 anos, no 1º ano do Ensino Médio. Mas eu gostava de escrever, de criar poesia, texto. E quando descobri que eu sabia escrever música, comecei a falar sobre os problemas sociais do bairro”.

Ao lado do grupo RDF (Relatos de Fortal), se inseriu na cena do rap. Com composições próprias, gravaram o primeiro disco com Erivan Produtos do Morro, produtor que incentivou Jonas a começar a criar suas próprias batidas.

Só em 2012, já com produções próprias, feitas em casa, deu os primeiros passos de sua carreira solo, quando o grupo começou a trabalhar com o produtor Billy Gringo, que investiu em seu trabalho autoral como Coro MC. Neste ano, lançaram o primeiro EP de Jonas, “2012: O Começo”.

Sessões da Converse Rubber Tracks

Billy Gringo foi também quem incentivou Jonas a se inscrever para o projeto Converse Rubber Tracks. “Como ele é gringo, ele sempre fica sabendo dessas coisas. Era tudo em inglês. Eu pensei: ‘Será que eu vou ser selecionado nisso, um rapper do Brasil?’. Eu mesmo subestimei o meu trabalho”. Mas, como já sabemos, o resultado foi positivo e Coro MC foi escolhido para representar o rap brasileiro e gravar suas músicas no Sunset Sound, em Los Angeles.

Porém, o artista e sua equipe não conseguiram o visto para viajar aos Estados Unidos, por não possuírem “vínculos fortes” com o Brasil. “Os vínculos que eles falavam eram conta no banco bem recheada, um documento de uma casa, documento de um carro, e a gente não levou isso. A gente levou o que a gente podia comprovar que a gente tem, mas não o que eles queriam”, explica. Já conformados em terem que voltar para casa de mãos vazias, receberam a notícia de que seriam remanejados para o Estúdio Toca do Bandido, no Rio de Janeiro.

Com a mudança de planos, Coro MC precisou também pensar um novo trabalho e levou à capital carioca quatro músicas que compôs especialmente para o Converse Rubber Tracks. Devido à experiência com produção, o processo foi mais rápido que o imaginado, o que permitiu que gravasse outras duas faixas. O EP, intitulado “Vem Desse Naipe”, ainda não possui data certa para o lançamento, porém já é possível ter uma prévia com a música “Insólita Sensação”, que compõe a playlist da ação.

“Você vê altos playboys no rap que estão fazendo sucesso. Não sou contra não, sou bem eclético, mas quero ver vir de onde a gente veio, lá de baixo mesmo. Por que quando o cara tem condição, grava nos melhores estúdios, paga os melhores mixadores… É começou ontem e você tá no game. Mas para quem não tem, tem que tirar do bolso. Eu investi meu trabalho nisso, abandonei meu trampo e eu tenho dois pivetes, mas eu investi. E ‘Vem Desse Naipe’ é essa ideia aí, de chegar a um trabalho desse nível vindo de onde eu vim”.

Acompanhe as novidades na página do Facebook e no Soundcloud do Coro MC.

Confira como foram as gravações de Coro MC na Toca do Bandido.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15719902″]

Publicidade

Dê sua opinião

MC cearense foi o único rapper brasileiro selecionado para projeto internacional

Coro MC foi um dos 84 artistas selecionados pelo Converse Rubber Tracks para gravar em um dos maiores estúdios do mundo

Por Ana Beatriz Leite em Música

30 de dezembro de 2015 às 06:00

Há 3 anos
Jonas de Lima Silva, conhecido como Coro MC, gravou um EP no estúdio carioca Toca do Bandido (FOTO: Reprodução/Converse Rubber Tracks)

Jonas de Lima Silva, conhecido como Coro MC, gravou um EP no estúdio carioca Toca do Bandido (FOTO: Reprodução/Converse Rubber Tracks)

Em setembro de 2015, a Converse deu a 84 artistas emergentes de diversas nacionalidades a oportunidade de gravar nos maiores estúdios do mundo. Entre os brasileiros selecionados no projeto, o Rubber Tracks, apenas um representava o rap.

Coro MC, uma das maiores apostas do projeto, foi o único rapper brasileiro selecionado. E ele é cearense. De Fortaleza, foi ao Rio de Janeiro para gravar suas músicas autorais no Estúdio Toca do Bandido, um dos mais renomados do País.

Relatos da Barra do Ceará

Jonas de Lima Silva cresceu na Barra do Ceará, bairro onde reside até hoje. O talento foi descoberto ainda na infância, quando tocava na igreja do bairro, mas sua relação com a música foi interrompida por uma sequência de acontecimentos. “Parei de tocar com 11, quando meus pais se separaram. Aí saí da igreja e comecei a me envolver com umas coisas meio erradas no bairro”, conta.

Porém, da vivência pessoal nos problemas sociais da periferia também vieram bons frutos. Aos 19 anos, Jonas começou a compor relatos de situações vividas por ele e amigos próximos. O colega que teve que mudar de cidade após ameaças de homicídio, o vizinho envolvido com drogas e o amigo presidiário, todos serviram de inspiração para os primeiros raps do artista que viria a ser Coro MC.

“Desisti dos estudos com 15 anos, no 1º ano do Ensino Médio. Mas eu gostava de escrever, de criar poesia, texto. E quando descobri que eu sabia escrever música, comecei a falar sobre os problemas sociais do bairro”.

Ao lado do grupo RDF (Relatos de Fortal), se inseriu na cena do rap. Com composições próprias, gravaram o primeiro disco com Erivan Produtos do Morro, produtor que incentivou Jonas a começar a criar suas próprias batidas.

Só em 2012, já com produções próprias, feitas em casa, deu os primeiros passos de sua carreira solo, quando o grupo começou a trabalhar com o produtor Billy Gringo, que investiu em seu trabalho autoral como Coro MC. Neste ano, lançaram o primeiro EP de Jonas, “2012: O Começo”.

Sessões da Converse Rubber Tracks

Billy Gringo foi também quem incentivou Jonas a se inscrever para o projeto Converse Rubber Tracks. “Como ele é gringo, ele sempre fica sabendo dessas coisas. Era tudo em inglês. Eu pensei: ‘Será que eu vou ser selecionado nisso, um rapper do Brasil?’. Eu mesmo subestimei o meu trabalho”. Mas, como já sabemos, o resultado foi positivo e Coro MC foi escolhido para representar o rap brasileiro e gravar suas músicas no Sunset Sound, em Los Angeles.

Porém, o artista e sua equipe não conseguiram o visto para viajar aos Estados Unidos, por não possuírem “vínculos fortes” com o Brasil. “Os vínculos que eles falavam eram conta no banco bem recheada, um documento de uma casa, documento de um carro, e a gente não levou isso. A gente levou o que a gente podia comprovar que a gente tem, mas não o que eles queriam”, explica. Já conformados em terem que voltar para casa de mãos vazias, receberam a notícia de que seriam remanejados para o Estúdio Toca do Bandido, no Rio de Janeiro.

Com a mudança de planos, Coro MC precisou também pensar um novo trabalho e levou à capital carioca quatro músicas que compôs especialmente para o Converse Rubber Tracks. Devido à experiência com produção, o processo foi mais rápido que o imaginado, o que permitiu que gravasse outras duas faixas. O EP, intitulado “Vem Desse Naipe”, ainda não possui data certa para o lançamento, porém já é possível ter uma prévia com a música “Insólita Sensação”, que compõe a playlist da ação.

“Você vê altos playboys no rap que estão fazendo sucesso. Não sou contra não, sou bem eclético, mas quero ver vir de onde a gente veio, lá de baixo mesmo. Por que quando o cara tem condição, grava nos melhores estúdios, paga os melhores mixadores… É começou ontem e você tá no game. Mas para quem não tem, tem que tirar do bolso. Eu investi meu trabalho nisso, abandonei meu trampo e eu tenho dois pivetes, mas eu investi. E ‘Vem Desse Naipe’ é essa ideia aí, de chegar a um trabalho desse nível vindo de onde eu vim”.

Acompanhe as novidades na página do Facebook e no Soundcloud do Coro MC.

Confira como foram as gravações de Coro MC na Toca do Bandido.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15719902″]