Livro sobre fantasia e anjos tem Fortaleza como cenário

AJUDA COLABORATIVA

Livro sobre fantasia e anjos tem Fortaleza como cenário

Autor também homenageia, no livro, o avô que faleceu em 2013

Por Rosana Romão em Cultura

21 de agosto de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Autor do livro, Filipe Sant'Ana, mora há 13 anos em Fortaleza. (FOTO: arquivo pessoal)

Autor do livro, Filipe Sant’Ana, mora há 13 anos em Fortaleza. (FOTO: arquivo pessoal)

Um casal que se conhece na Universidade Federal do Ceará (UFC), se apaixona e passa por momentos de perigo. Em um desses momentos eles são levado para um mundo desconhecido, onde existem guerras e anjos. Este é o enredo do livro “Archangelus: O Despertar”, produzido pelo mineiro Filipe Sant’Ana, 26 anos, que mora há 13 anos em Fortaleza. O conto fantasioso está passando por um financiamento coletivo para ser publicado.

Formado em turismo, com especialização em administração, ele fez metade do curso de Filosofia na Universidade Estadual do Ceará (Uece), onde se interessou mais pelo universo angelical. Desde que concluiu o ensino médio, já escrevia pequenos textos e poemas. Depois de estudar sobre sobre filósofos, pensamentos foram se encorpando e, em 2008, se propôs a escrever sobre o tema.

“Sempre gostei de ler. Na época, estava lendo O Senhor dos Anéis, O Hobbitt e derivados, gostava desse gênero, e tive a ideia de escrever um conto épico”, explica. Entretanto, ele queria escrever um tipo de fantasia que ainda não estivesse sido explorada. Após pensar bastante, usou o mudo angelical. O livro possui 38 capítulos, com previsão de 640 páginas, além de um prólogo escrito pelo Arcanjo Miguel, onde ele fala sobre o seu gênesis.

O livro narra a historia del Miguel e Lívia, que são estudantes, moram em Fortaleza e têm por volta de 24 anos. Após a perda de seus pais, Miguel passa por algumas dificuldade e acaba se aproximando de Lívia. Eles namoram, mas o trauma de Miguel persiste. São pensamentos estranhos, sonhos premonitórios e a sensação de que sempre está em uma situação de perigo.

Em um desses momentos, eles são levados para o mundo chamado Elderesh, como se voltassem no tempo. Geograficamente, é como se vivessem a pangeia, e a sociedade é parecida com a Idade Média. Eles chegam em um reino que está em guerra com os seus superiores e ficam perdidos, tentando entender qual o motivo de toda essa aventura. A chave para saírem desse mundo se dá em uma batalha, mas eles não sabem quem precisam enfrentar.

Diferencial

As histórias acontecem em Fortaleza, mais precisamente na UFC e Parque do Cocó. A universidade é citada várias vezes nos sete primeiros capítulos. A cidade é retratada porque tem uma importância na vida do autor, que também homenageou amigos e parentes dando seus nomes aos personagens. Na história, há referências a outros livros fantasiosos como o Guia do Mochileiro das Galáxias, filmes e até seriados. “Gosto de imaginar que todas as historias estão interligadas”, comenta o autor.

“Quando escrevi pensei no que eu gostaria de ler, trago coisas que eu gosto pra história”, indica. Depois de vários rascunhos, Filipe resolveu dar forma ao projeto e concluiu o livro no início de 2016. Mas depois de pesquisar sobre o preço da produção, percebeu que, mesmo em tiragem pequena, o valor ainda seria alto. Foi aí que o seu tio, David Sant’Ana, indicou o financiamento coletivo. 

A divulgação foi feita na rede social Scoob, voltada para leitores, além de um teaser filmado no Parque do Cocó. O vídeo foi feito por Gabriel Sant’Ana. O diagramador, Arnaldo Viana também é de Fortaleza, já o ilustrador, Fabiano Neves, conheceu a história no próprio Cartase e firmou parceria com o autor. Além disso, as redes sociais Facebook e Instagram são utilizadas na divulgação. A meta do grupo é de alcançar R$ 12 mil com o financiamento coletivo.

“A página foi bem curtida. Amigos de amigos curtiram. Pessoas que já acompanhavam o projeto, mas não sabiam que iria se tornar algo físico, têm me procurado para apoiar. A primeira etapa, de focar em pessoas próximas foi alcançada, a próxima é divulgar para quem não conhece. Já tenho quase 36% do total, e esse número deve aumentar nos próximos dias”, vislumbra.

A inspiração de Filipe veio de seu avô Varlô Oliveira, que era escritor e o auxiliava em conversas por telefone. Seu tio David Sant’Ana também o auxiliou na produção, lendo os capítulos e dando o feedback. Varlô Oliveira faleceu em 2013, mas Filipe se orgulha em ter um pouco de seu avô nas páginas de seu livro.

Publicidade

Dê sua opinião

AJUDA COLABORATIVA

Livro sobre fantasia e anjos tem Fortaleza como cenário

Autor também homenageia, no livro, o avô que faleceu em 2013

Por Rosana Romão em Cultura

21 de agosto de 2016 às 07:00

Há 3 anos
Autor do livro, Filipe Sant'Ana, mora há 13 anos em Fortaleza. (FOTO: arquivo pessoal)

Autor do livro, Filipe Sant’Ana, mora há 13 anos em Fortaleza. (FOTO: arquivo pessoal)

Um casal que se conhece na Universidade Federal do Ceará (UFC), se apaixona e passa por momentos de perigo. Em um desses momentos eles são levado para um mundo desconhecido, onde existem guerras e anjos. Este é o enredo do livro “Archangelus: O Despertar”, produzido pelo mineiro Filipe Sant’Ana, 26 anos, que mora há 13 anos em Fortaleza. O conto fantasioso está passando por um financiamento coletivo para ser publicado.

Formado em turismo, com especialização em administração, ele fez metade do curso de Filosofia na Universidade Estadual do Ceará (Uece), onde se interessou mais pelo universo angelical. Desde que concluiu o ensino médio, já escrevia pequenos textos e poemas. Depois de estudar sobre sobre filósofos, pensamentos foram se encorpando e, em 2008, se propôs a escrever sobre o tema.

“Sempre gostei de ler. Na época, estava lendo O Senhor dos Anéis, O Hobbitt e derivados, gostava desse gênero, e tive a ideia de escrever um conto épico”, explica. Entretanto, ele queria escrever um tipo de fantasia que ainda não estivesse sido explorada. Após pensar bastante, usou o mudo angelical. O livro possui 38 capítulos, com previsão de 640 páginas, além de um prólogo escrito pelo Arcanjo Miguel, onde ele fala sobre o seu gênesis.

O livro narra a historia del Miguel e Lívia, que são estudantes, moram em Fortaleza e têm por volta de 24 anos. Após a perda de seus pais, Miguel passa por algumas dificuldade e acaba se aproximando de Lívia. Eles namoram, mas o trauma de Miguel persiste. São pensamentos estranhos, sonhos premonitórios e a sensação de que sempre está em uma situação de perigo.

Em um desses momentos, eles são levados para o mundo chamado Elderesh, como se voltassem no tempo. Geograficamente, é como se vivessem a pangeia, e a sociedade é parecida com a Idade Média. Eles chegam em um reino que está em guerra com os seus superiores e ficam perdidos, tentando entender qual o motivo de toda essa aventura. A chave para saírem desse mundo se dá em uma batalha, mas eles não sabem quem precisam enfrentar.

Diferencial

As histórias acontecem em Fortaleza, mais precisamente na UFC e Parque do Cocó. A universidade é citada várias vezes nos sete primeiros capítulos. A cidade é retratada porque tem uma importância na vida do autor, que também homenageou amigos e parentes dando seus nomes aos personagens. Na história, há referências a outros livros fantasiosos como o Guia do Mochileiro das Galáxias, filmes e até seriados. “Gosto de imaginar que todas as historias estão interligadas”, comenta o autor.

“Quando escrevi pensei no que eu gostaria de ler, trago coisas que eu gosto pra história”, indica. Depois de vários rascunhos, Filipe resolveu dar forma ao projeto e concluiu o livro no início de 2016. Mas depois de pesquisar sobre o preço da produção, percebeu que, mesmo em tiragem pequena, o valor ainda seria alto. Foi aí que o seu tio, David Sant’Ana, indicou o financiamento coletivo. 

A divulgação foi feita na rede social Scoob, voltada para leitores, além de um teaser filmado no Parque do Cocó. O vídeo foi feito por Gabriel Sant’Ana. O diagramador, Arnaldo Viana também é de Fortaleza, já o ilustrador, Fabiano Neves, conheceu a história no próprio Cartase e firmou parceria com o autor. Além disso, as redes sociais Facebook e Instagram são utilizadas na divulgação. A meta do grupo é de alcançar R$ 12 mil com o financiamento coletivo.

“A página foi bem curtida. Amigos de amigos curtiram. Pessoas que já acompanhavam o projeto, mas não sabiam que iria se tornar algo físico, têm me procurado para apoiar. A primeira etapa, de focar em pessoas próximas foi alcançada, a próxima é divulgar para quem não conhece. Já tenho quase 36% do total, e esse número deve aumentar nos próximos dias”, vislumbra.

A inspiração de Filipe veio de seu avô Varlô Oliveira, que era escritor e o auxiliava em conversas por telefone. Seu tio David Sant’Ana também o auxiliou na produção, lendo os capítulos e dando o feedback. Varlô Oliveira faleceu em 2013, mas Filipe se orgulha em ter um pouco de seu avô nas páginas de seu livro.