Cearense se diz "besta" com a fama instantânea após vídeo sobre calor em Paris

NOVO FAMOSO DA WEB

Cearense se diz “besta” com a fama instantânea após vídeo sobre calor em Paris

Max Petterson Monteiro, nascido no Crato, virou meme ao mostrar um lado da capital francesa pouco falado

Por Lucas Barbosa em Comportamento

23 de junho de 2017 às 10:55

Há 2 anos
No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade (FOTO: Arte Tribuna do Ceará)

No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade (FOTO: Arte Tribuna do Ceará)

Dois milhões de visualizações depois, a vida do cearense radicado em Paris Max Petterson Monteiro, de 23 anos, mudou bastante. Desde o “A não ser que você seja Joana D’Arc e ache bom morrer queimada, você vem para Paris”, divulgado na última terça-feira (20), Max vem dado entrevistas a veículos de todo o Brasil. No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade e qualquer comentário que faça rende dezenas de reações, com direito até a declarações de amor.

“A verdade é que estou achando muito estranho”, diz em entrevista a Tribuna do Ceará. “Não esperava que algo tão simples fosse se transformar em algo tão grande”.

Max afirma que o vídeo não é nada além da forma como costuma agir com os amigos, por exemplo. Ele não tinha sequer um roteiro preparado. “Eu falo muito as coisas que eu vivo. Por isso que soa natural no vídeo. Acho que foi por isso que explodiu, até porque eu não estava inventando história alguma”.

Max completará três anos que mora em Paris no próximo mês de setembro. Natural do Cariri, nasceu no Crato e viveu boa parte da vida no município vizinho de Farias Brito. Começou a estudar teatro na Universidade Regional do Cariri (Urca), em Juazeiro do Norte, quando surgiu a vontade de completar a faculdade na França.

“Paris passou a ser o meu sonho a partir do momento em que eu quis vir para cá. Foi meio que uma decisão repentina: vim sem bolsa, sem ajuda do governo. Na época, eu tive ajuda do pessoal da minha cidade, que ajudou a pagar minha passagem. Foi um período bem difícil, mas, graças a Deus, já passou”.

Ele diz esperar que a fama repentina possa vir a agregar na sua carreira de ator, embora não queira ficar marcado apenas caricaturalmente. “Quero aproveitar a oportunidade para mostrar que, por trás desse nordestino arretado, por trás desse sotaque, tem também um artista, um pesquisador e um pensador”.

“Eu não sei quanto ao meu futuro. Eu acho que a vida nos surpreende cada vez mais, como me surpreendeu com a chamada para vir a Europa, como me surpreendeu com esse viral de vídeos sobre minha pessoa. Então, estou aberto às surpresas que a vida veio me dar”.

Efeito certo mesmo, por enquanto, é a continuação das observações diárias de Max sobre o seu redor em vídeos. Desde  quarta-feira (21), o canal do Youtube dele virou o “Bora fazendo”. Lá ele mostra que, a cada esquina, a Cidade Luz tem uma “Nave da Xuxa”.

Dá uma olhada:

Publicidade

Dê sua opinião

NOVO FAMOSO DA WEB

Cearense se diz “besta” com a fama instantânea após vídeo sobre calor em Paris

Max Petterson Monteiro, nascido no Crato, virou meme ao mostrar um lado da capital francesa pouco falado

Por Lucas Barbosa em Comportamento

23 de junho de 2017 às 10:55

Há 2 anos
No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade (FOTO: Arte Tribuna do Ceará)

No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade (FOTO: Arte Tribuna do Ceará)

Dois milhões de visualizações depois, a vida do cearense radicado em Paris Max Petterson Monteiro, de 23 anos, mudou bastante. Desde o “A não ser que você seja Joana D’Arc e ache bom morrer queimada, você vem para Paris”, divulgado na última terça-feira (20), Max vem dado entrevistas a veículos de todo o Brasil. No Facebook já são mais de 10 mil pedidos de amizade e qualquer comentário que faça rende dezenas de reações, com direito até a declarações de amor.

“A verdade é que estou achando muito estranho”, diz em entrevista a Tribuna do Ceará. “Não esperava que algo tão simples fosse se transformar em algo tão grande”.

Max afirma que o vídeo não é nada além da forma como costuma agir com os amigos, por exemplo. Ele não tinha sequer um roteiro preparado. “Eu falo muito as coisas que eu vivo. Por isso que soa natural no vídeo. Acho que foi por isso que explodiu, até porque eu não estava inventando história alguma”.

Max completará três anos que mora em Paris no próximo mês de setembro. Natural do Cariri, nasceu no Crato e viveu boa parte da vida no município vizinho de Farias Brito. Começou a estudar teatro na Universidade Regional do Cariri (Urca), em Juazeiro do Norte, quando surgiu a vontade de completar a faculdade na França.

“Paris passou a ser o meu sonho a partir do momento em que eu quis vir para cá. Foi meio que uma decisão repentina: vim sem bolsa, sem ajuda do governo. Na época, eu tive ajuda do pessoal da minha cidade, que ajudou a pagar minha passagem. Foi um período bem difícil, mas, graças a Deus, já passou”.

Ele diz esperar que a fama repentina possa vir a agregar na sua carreira de ator, embora não queira ficar marcado apenas caricaturalmente. “Quero aproveitar a oportunidade para mostrar que, por trás desse nordestino arretado, por trás desse sotaque, tem também um artista, um pesquisador e um pensador”.

“Eu não sei quanto ao meu futuro. Eu acho que a vida nos surpreende cada vez mais, como me surpreendeu com a chamada para vir a Europa, como me surpreendeu com esse viral de vídeos sobre minha pessoa. Então, estou aberto às surpresas que a vida veio me dar”.

Efeito certo mesmo, por enquanto, é a continuação das observações diárias de Max sobre o seu redor em vídeos. Desde  quarta-feira (21), o canal do Youtube dele virou o “Bora fazendo”. Lá ele mostra que, a cada esquina, a Cidade Luz tem uma “Nave da Xuxa”.

Dá uma olhada: