Sinais do autismo podem ser identificados na infância, permitindo tratamento precoce


Sinais do autismo podem ser identificados na infância, permitindo tratamento precoce

Na 21ª matéria da série Vida Saudável, terapeuta ocupacional explica e orienta aos pais como lidar com crianças autistas. Existem 70 milhões de autistas no mundo

Por Lucas Matos em Bem-Estar

21 de maio de 2015 às 11:00

Há 4 anos
Não há uma causa específica para o autismo (Foto: Divulgação)

Não há uma causa específica para o autismo (Foto: Divulgação)

Transtorno caracterizado pelo comprometimento na comunicação, dificuldade de interação social e presença de comportamento, o autismo atinge cerca de 70 milhões de pessoas no mundo. Normalmente, os sintomas surgem nos primeiros anos de vida e há vários graus de intensidades e comprometimentos.

De acordo com Isis Falcão, terapeuta ocupacional da rede de saúde Hapvida, não há uma causa definida para o autismo. “Há estudos que apontam que um conjunto de fatores podem estar relacionados com o diagnóstico como, por exemplo, componentes genéticos e fatores sociais”, afirma.

Alguns setores da sociedade indicam que autismo não é uma doença, contudo, os pais podem identificar ainda na infância, devido a dificuldade de comunicação com outras crianças, atraso na fala, rejeição ao contato físico, ausência de emoções, apego a objetos diferentes, dificuldade de mudar a rotina, sensibilidade a sons e não responder a comandos verbais.

Com todos os obstáculos que a pessoa autista possui, as habilidades não são deixadas de fora. Ainda de acordo com Isis Falcão, a aptidão da criança varia conforme o comprometimento.

“Eles têm uma boa capacidade de memorização e organização. Vale considerar o contexto que essa criança está inserida (escola, domicílio e família). Os talentos podem estimuladas e conquistadas com um tratamento multidisciplinar e mudanças no cotidiano da criança”, explicou.

Auxílio

Caso os pais observem alguma alteração de desenvolvimento deve-se procurar auxílio de uma equipe multidisciplinar especializada como: neuropediatra, psiquiatra, psicológo, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo.

Para Alana Ribeiro, presidente da Fundação Projeto Diferente, onde realiza um trabalho com autistas, ela indica que o papel dos pais é de suma importância, no momento em que recebe o diagnóstico.

“Quando os pais recebem o diagnóstico, a primeira sensação é de frustração. Se eles ficarem presos a esse sentimento, não vão ajudar no desenvolvimento normal do filho”, afirmou.

Ainda segundo a presidente, se a criança não for estimulada, a mesma não se desenvolve amplamente, tendo dificuldade de relacionamento. Diante disso, as terapias são uma segurança para se desenvolver nessas áreas.

Fala-doutor-14

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão. Confira cuidados (26/2)

3) Brincar é coisa séria, e precisa ser tarefa diária de toda criança (2/3)

4) Mulheres têm 7 vezes mais chances do que homens de apresentar disfunção hormonal (5/3)

5) Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia (9/3)

6) Metade da população masculina apresenta calvície até chegar aos 50 anos (12/3)

7) Confira as causas do chulé e saiba como se livrar desse mau cheiro (16/3)

8) Aprenda receita de cozinha que ajuda no combate a osteoporose (19/3)

9) Pessoas com diabetes precisam cuidar da saúde dos pés, para evitar ferimentos (23/3)

10) Saiba como se alimentar direito antes, durante e depois de atividade física (26/3)

11) Saiba como tratar o estresse pós-traumático, resultado da violência urbana (30/3)

12) Melhor remédio contra enxaqueca é alimentação saudável (2/4)

13) Entenda o que é febre chikungunya, doença causada pelo mesmo mosquito da dengue (6/4)

14) Tratamento de dentes fora do lugar certo é mais eficaz quando iniciado na infância (9/4)

15) Atenção, mamães: a saúde bucal é essencial para uma gravidez sem riscos (13/4)

16) Fuja das dietas malucas que não atendem as necessidades diárias (16/4)

17) Parto normal apresenta menor risco de infecções para o bebê e para a mãe (20/4)

18) Grávidas precisam adotar cuidados ao ter relações sexuais (23/4)

19) Gestante precisa beber três litros de água para garantir a saúde do bebê (27/4)

20) Uso da camisinha ainda é o método mais eficaz contra DSTs (30/4)

21) Autismo atinge cerca de 70 milhões de pessoas (21/5)

Publicidade

Dê sua opinião

Sinais do autismo podem ser identificados na infância, permitindo tratamento precoce

Na 21ª matéria da série Vida Saudável, terapeuta ocupacional explica e orienta aos pais como lidar com crianças autistas. Existem 70 milhões de autistas no mundo

Por Lucas Matos em Bem-Estar

21 de maio de 2015 às 11:00

Há 4 anos
Não há uma causa específica para o autismo (Foto: Divulgação)

Não há uma causa específica para o autismo (Foto: Divulgação)

Transtorno caracterizado pelo comprometimento na comunicação, dificuldade de interação social e presença de comportamento, o autismo atinge cerca de 70 milhões de pessoas no mundo. Normalmente, os sintomas surgem nos primeiros anos de vida e há vários graus de intensidades e comprometimentos.

De acordo com Isis Falcão, terapeuta ocupacional da rede de saúde Hapvida, não há uma causa definida para o autismo. “Há estudos que apontam que um conjunto de fatores podem estar relacionados com o diagnóstico como, por exemplo, componentes genéticos e fatores sociais”, afirma.

Alguns setores da sociedade indicam que autismo não é uma doença, contudo, os pais podem identificar ainda na infância, devido a dificuldade de comunicação com outras crianças, atraso na fala, rejeição ao contato físico, ausência de emoções, apego a objetos diferentes, dificuldade de mudar a rotina, sensibilidade a sons e não responder a comandos verbais.

Com todos os obstáculos que a pessoa autista possui, as habilidades não são deixadas de fora. Ainda de acordo com Isis Falcão, a aptidão da criança varia conforme o comprometimento.

“Eles têm uma boa capacidade de memorização e organização. Vale considerar o contexto que essa criança está inserida (escola, domicílio e família). Os talentos podem estimuladas e conquistadas com um tratamento multidisciplinar e mudanças no cotidiano da criança”, explicou.

Auxílio

Caso os pais observem alguma alteração de desenvolvimento deve-se procurar auxílio de uma equipe multidisciplinar especializada como: neuropediatra, psiquiatra, psicológo, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo.

Para Alana Ribeiro, presidente da Fundação Projeto Diferente, onde realiza um trabalho com autistas, ela indica que o papel dos pais é de suma importância, no momento em que recebe o diagnóstico.

“Quando os pais recebem o diagnóstico, a primeira sensação é de frustração. Se eles ficarem presos a esse sentimento, não vão ajudar no desenvolvimento normal do filho”, afirmou.

Ainda segundo a presidente, se a criança não for estimulada, a mesma não se desenvolve amplamente, tendo dificuldade de relacionamento. Diante disso, as terapias são uma segurança para se desenvolver nessas áreas.

Fala-doutor-14

Acompanhe a série “Vida Saudável”:

1) Saiba como identificar se seu filho é mais uma vítima do consumismo infantil (24/2)

2) Uso excessivo de equipamentos eletrônicos prejudica visão. Confira cuidados (26/2)

3) Brincar é coisa séria, e precisa ser tarefa diária de toda criança (2/3)

4) Mulheres têm 7 vezes mais chances do que homens de apresentar disfunção hormonal (5/3)

5) Prática exagerada de exercícios físicos pode desencadear doença: a vigorexia (9/3)

6) Metade da população masculina apresenta calvície até chegar aos 50 anos (12/3)

7) Confira as causas do chulé e saiba como se livrar desse mau cheiro (16/3)

8) Aprenda receita de cozinha que ajuda no combate a osteoporose (19/3)

9) Pessoas com diabetes precisam cuidar da saúde dos pés, para evitar ferimentos (23/3)

10) Saiba como se alimentar direito antes, durante e depois de atividade física (26/3)

11) Saiba como tratar o estresse pós-traumático, resultado da violência urbana (30/3)

12) Melhor remédio contra enxaqueca é alimentação saudável (2/4)

13) Entenda o que é febre chikungunya, doença causada pelo mesmo mosquito da dengue (6/4)

14) Tratamento de dentes fora do lugar certo é mais eficaz quando iniciado na infância (9/4)

15) Atenção, mamães: a saúde bucal é essencial para uma gravidez sem riscos (13/4)

16) Fuja das dietas malucas que não atendem as necessidades diárias (16/4)

17) Parto normal apresenta menor risco de infecções para o bebê e para a mãe (20/4)

18) Grávidas precisam adotar cuidados ao ter relações sexuais (23/4)

19) Gestante precisa beber três litros de água para garantir a saúde do bebê (27/4)

20) Uso da camisinha ainda é o método mais eficaz contra DSTs (30/4)

21) Autismo atinge cerca de 70 milhões de pessoas (21/5)