Guimarães Archives - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Guimarães

Quadrilha eleitoral

Por Wanfil em Política

24 de Fevereiro de 2014

O poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade, é de uma atualidade e de uma amplitude próprias dos grandes escritores. Em diversas situações podemos fazer alusões e paralelos com o ritmo dos pares que se fazem e se desfazem no texto do poeta:

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Pedindo desde já perdão por misturar arte com política, especialmente arte de qualidade com política ruim, o poema me fez lembrar as relações estremecidas na imensa base do governo estadual no Ceará. É só trocar o “amor” por “apoio”. Vejamos.

Cid apoiava Luizianne, que apoiava Pimentel, que apoiava Eunício, que apoiava Cid. Juntos, todos apoiavam Lula, que elegeu Dilma, garantindo tratar-se de grande gestora. Cid e Luizianne romperam. Eunício e Pimentel nunca foram mesmo muito próximos e Inácio foi descartado. Cid agora procura um nome que ainda não entrou nessa história.

Na mesma toada, Luizianne avisa que Eunício será traído por Cid. Em resposta, Cid jura que nunca traiu ninguém e sempre cumpriu acordos, que é um modo de dizer que não deve a quem agora lhe cobra.  Guimarães coloca o PT cearense a serviço do candidato que Cid escolher, pois espera, em retribuição, contar com seu apoio para o Senado.

Fisiologismo
O que vale no poema como ponto de apoio para a crônica política é o seguinte: ninguém é de ninguém. Quando um grupo político cresce demais, na base da cooptação, reduzindo assim a oposição a um ou outro nome isolado, a unidade desse grupo passa a correr riscos de implosão quando seu idealizador não pode mais se reeleger, pois o amálgama de sua coesão é o fisiologismo.

Política é assim: sem o perigo da ameaça externa, o caminho que resta para alcançar o poder é a disputa interna. O que está em jogo, para essa turma, é saber quem comandará a banca que distribui cargos e verbas.

Dicionário
No poema, a palavra ‘quadrilha‘ é relacionada à dança caracterizada por grupos de quatro ou mais pares, originária da Europa. O significado de ‘quadrilha’ como  grupo de ladrões ou malfeitores, neste texto, é apenas coincidência.

Publicidade

José Guimarães acusa a imprensa e avisa: “Vamos tomar uma medida: A regulamentação da comunicação”

Por Wanfil em Imprensa

24 de setembro de 2012

Imagem: Frame de vídeo em que o parlamentar defende a regulamentação da imprensa para evitar acusações contra Lula, tudo em nome da democracia.

O deputado federal José Guimarães (PT) reagiu à movimentação dos partidos de oposição, que anunciam a pretensão de solicitar uma investigação sobre a participação do ex-presidente Lula no caso do mensalão.

Em vídeo gravado para o Partido dos Trabalhadores, o parlamentar sustenta que está em curso uma “ação orquestrada” em que a mídia agiria com interesses políticos: “A mídia não pode ser partido político. E passadas as eleições, nós do PT vamos tomar uma medida, quer queira, quer não queira: a regulamentação da questão da comunicação no país. (…) O Lula pertence a um patrimônio da democracia brasileira. Criminalizar o Lula é criminalizar a democracia brasileira.

O título do vídeo informa que o protesto é direcionado contra “as mentiras da revista Veja”, em referência à recente publicação de supostas declarações atribuídas a Marcos Valério acusando Lula de ser o verdadeiro chefe do mensalão. Entretanto, apesar do título, Guimarães não cita nenhum veículo em particular. Sobre Valério, também não faz comentários.

A diferença entre mensagem e mensageiro

A revista Veja aborda esse tema na Carta ao Leitor da edição desta semana e vai direto ao ponto: “Quem se sentiu prejudicado pela divulgação das informações do homem do dinheiro do mensalão tem a possibilidade de interpelá-lo publicamente ou procurar reparação na Justiça. Marcos Valério está vivo e tem endereço conhecido. A mensagem é de Marcos Valério. VEJA foi a mensageira”.

É isso! Se José Nobre Guimarães e o PT entendem que Lula não sabia de nada sobre o mensalão, o que é legítimo, a solução é buscar a interpelação judicial contra Valério. A ideia de que Lula seria praticamente inimputável por encarnar a quintessência da democracia brasileira, além de exagero, beira à mistificação personalista. É claro que Lula é uma espécie de símbolo do petismo, daí ser natural a reação que procura o ataque como defesa. Estranho é ela ser dirigida contra os mensageiros, e não contra os autores das mensagens.

Liberdade de imprensa e democracia

Guimarães cumpre o papel que lhe cabe nesse cenário de embate político. Não nega o mensalão, nem diz que o STF errou. Essa etapa já passou. Seu foco agora é a atuação da imprensa, ou da mídia, como ele diz. Leia mais

Publicidade

José Guimarães acusa a imprensa e avisa: “Vamos tomar uma medida: A regulamentação da comunicação”

Por Wanfil em Imprensa

24 de setembro de 2012

Imagem: Frame de vídeo em que o parlamentar defende a regulamentação da imprensa para evitar acusações contra Lula, tudo em nome da democracia.

O deputado federal José Guimarães (PT) reagiu à movimentação dos partidos de oposição, que anunciam a pretensão de solicitar uma investigação sobre a participação do ex-presidente Lula no caso do mensalão.

Em vídeo gravado para o Partido dos Trabalhadores, o parlamentar sustenta que está em curso uma “ação orquestrada” em que a mídia agiria com interesses políticos: “A mídia não pode ser partido político. E passadas as eleições, nós do PT vamos tomar uma medida, quer queira, quer não queira: a regulamentação da questão da comunicação no país. (…) O Lula pertence a um patrimônio da democracia brasileira. Criminalizar o Lula é criminalizar a democracia brasileira.

O título do vídeo informa que o protesto é direcionado contra “as mentiras da revista Veja”, em referência à recente publicação de supostas declarações atribuídas a Marcos Valério acusando Lula de ser o verdadeiro chefe do mensalão. Entretanto, apesar do título, Guimarães não cita nenhum veículo em particular. Sobre Valério, também não faz comentários.

A diferença entre mensagem e mensageiro

A revista Veja aborda esse tema na Carta ao Leitor da edição desta semana e vai direto ao ponto: “Quem se sentiu prejudicado pela divulgação das informações do homem do dinheiro do mensalão tem a possibilidade de interpelá-lo publicamente ou procurar reparação na Justiça. Marcos Valério está vivo e tem endereço conhecido. A mensagem é de Marcos Valério. VEJA foi a mensageira”.

É isso! Se José Nobre Guimarães e o PT entendem que Lula não sabia de nada sobre o mensalão, o que é legítimo, a solução é buscar a interpelação judicial contra Valério. A ideia de que Lula seria praticamente inimputável por encarnar a quintessência da democracia brasileira, além de exagero, beira à mistificação personalista. É claro que Lula é uma espécie de símbolo do petismo, daí ser natural a reação que procura o ataque como defesa. Estranho é ela ser dirigida contra os mensageiros, e não contra os autores das mensagens.

Liberdade de imprensa e democracia

Guimarães cumpre o papel que lhe cabe nesse cenário de embate político. Não nega o mensalão, nem diz que o STF errou. Essa etapa já passou. Seu foco agora é a atuação da imprensa, ou da mídia, como ele diz. (mais…)