Ivo não vê a verba e vira 'ex' - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Ivo não vê a verba e vira ‘ex’

Por Wanfil em Política

17 de julho de 2015

No livros de alfabetização é famosa a frase ‘Ivo viu a uva’. Na pedagogia política da gestão Camilo Santana (PT), o secretário das Cidades Ivo Gomes, irmão mais novo de Ciro e Cid Gomes, deixou o cargo por não aceitar a repetir uma nova cartilha: ‘Ivo não viu a verba’.

Em outras palavras, Ivo não gostou de ver recursos de sua pasta contingenciados, conforme informado à imprensa por nota.

E agora? E agora, nada. Pelo menos por enquanto. Apesar de vestígios de ressentimento e decepção, Camilo segue aliado de Cid e o resto é especulação. E Ivo? Volta para a Assembleia Legislativa como deputado estadual da sigla de aluguel PROS. Para o futuro, seu nome é cogitado como possível candidato a prefeito de Sobral.

De todo modo, a saída, da forma como se deu, provoca impressões. Nelson Rodrigues dizia assim: “Não há ninguém mais vago, mais irrelevante, mais contínuo do que o ex-ministro”. Evidentemente, a lógica vale também para ex-secretários. Não se trata de um agravo à pessoa, ao sujeito em si, mas de uma alusão ao prefixo “ex”. Nessa condição, não existem deferências ou homenagens: é o vazio do ‘deixar de ser’. Ficam as lembranças daquilo o que poderia ter sido…

A lógica rodriguiana vale também para ex-maridos, com a diferença de que ex-secretários podem dar a volta por cima nas próximas eleições, caso vençam. Se derrotados, a irrelevância torna-se praticamente irreversível, tal qual acontece com os ex-maridos.

Publicidade aqui

Ivo não vê a verba e vira ‘ex’

Por Wanfil em Política

17 de julho de 2015

No livros de alfabetização é famosa a frase ‘Ivo viu a uva’. Na pedagogia política da gestão Camilo Santana (PT), o secretário das Cidades Ivo Gomes, irmão mais novo de Ciro e Cid Gomes, deixou o cargo por não aceitar a repetir uma nova cartilha: ‘Ivo não viu a verba’.

Em outras palavras, Ivo não gostou de ver recursos de sua pasta contingenciados, conforme informado à imprensa por nota.

E agora? E agora, nada. Pelo menos por enquanto. Apesar de vestígios de ressentimento e decepção, Camilo segue aliado de Cid e o resto é especulação. E Ivo? Volta para a Assembleia Legislativa como deputado estadual da sigla de aluguel PROS. Para o futuro, seu nome é cogitado como possível candidato a prefeito de Sobral.

De todo modo, a saída, da forma como se deu, provoca impressões. Nelson Rodrigues dizia assim: “Não há ninguém mais vago, mais irrelevante, mais contínuo do que o ex-ministro”. Evidentemente, a lógica vale também para ex-secretários. Não se trata de um agravo à pessoa, ao sujeito em si, mas de uma alusão ao prefixo “ex”. Nessa condição, não existem deferências ou homenagens: é o vazio do ‘deixar de ser’. Ficam as lembranças daquilo o que poderia ter sido…

A lógica rodriguiana vale também para ex-maridos, com a diferença de que ex-secretários podem dar a volta por cima nas próximas eleições, caso vençam. Se derrotados, a irrelevância torna-se praticamente irreversível, tal qual acontece com os ex-maridos.