Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Aneel

Aneel aprova revisão tarifária de 7,39% para clientes residenciais da Enel Distribuição Ceará

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

16 de Abril de 2019

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (16) a revisão tarifária da Enel Distribuição Ceará. A revisão será, em média, de 8,2%. Para consumidores de baixa tensão, o percentual de reajuste será de 8,35% e para os clientes de média e alta tensão, em geral indústrias e grandes comércios, o índice aprovado foi de 7,87%. Para os clientes residenciais, o reajuste será de 7,39%. As novas tarifas passam a vigorar a partir da próxima segunda (22).

Realizada a cada quatro anos, como estabelecido em seu contrato de concessão, a revisão tarifária visa estabelecer o equilíbrio econômico-financeiro da empresa. O fator principal que influenciou a revisão deste ano foi o custo com a compra de energia. Neste percentual de reajuste já consta a redução decorrente do pagamento do empréstimo da Conta ACR, que representou 3,15%. A Conta-ACR foi um mecanismo criado pela Aneel para repassar às distribuidoras os valores decorrentes de custos de compra de energia não previstos e pagos pelas concessionárias entre fevereiro e dezembro de 2014.

A título exemplificativo, em uma conta no valor de R$ 100, apenas cerca de R$ 23,50 são destinados à distribuidora, para operação, expansão e manutenção da rede de energia elétrica. O restante do valor se deve a fatores não gerenciáveis pela distribuidora e é destinada a cobrir os custos de transmissão, compra de energia, encargos setoriais e impostos. Veja abaixo como fica a composição da conta de energia da Enel Distribuição Ceará após a aprovação da revisão tarifária divulgada hoje (16).

Investimentos

A Enel ressalta que seus índices de desempenho têm sido reconhecidos pelos clientes e pelo mercado ao longo dos últimos anos e que a qualidade do fornecimento de energia e do atendimento aos seus clientes continua sendo uma prioridade para a companhia. Nos últimos quatro anos, período da revisão tarifária, a empresa investiu cerca de 2,6 bilhões no estado. Os recursos, destinados entre outros fatores à modernização e digitalização da rede no Ceará.

Publicidade

Aneel elege usina da EDP como a melhor do Brasil

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

11 de Fevereiro de 2019


Localizada em Tocantins, UHE Lajeado obteve nota de 99,5 na classificação geral.

Mais de 100 usinas foram avaliadas no ranking

Usina Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães, também conhecida como UHE Lajeado, controlada pela EDP, foi apontada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a melhor do Brasil. Mais de 100 usinas foram avaliadas pelo órgão regulador após campanha de fiscalização realizada em 2018.

A UHE Lajeado obteve nota 99,55 no ranking geral das usinas, tendo conquistado nota máxima, de 100 pontos, nos critérios Segurança, Meio Ambiente, Gestão da Operação e Gestão de Manutenção, e de 99,56 no segmento Operação e Manutenção. A coleta de dados sobre as usinas aconteceu entre outubro e dezembro de 2018, em três etapas: monitoramento, fiscalização à distância e fiscalização presencial.

“Este reconhecimento da Aneel atesta o rigor e a excelência com que o grupo EDP conduz suas operações, bem como nossa busca incessante pela aplicação das melhores práticas de segurança e meio ambiente”, destaca Luiz Otávio Henriques, presidente da UHE Lajeado e vice-presidente de Geração e Transmissão da EDP.

Segundo o estudo, as UHEs de destaque no ranking têm papel fundamental para manter a segurança energética do Sistema Interligado Nacional (SIN), tanto do ponto de vista da operação integrada, quanto do planejamento energético. Além da Usina de Lajeado, outras duas usinas controladas pela EDP – as UHEs Peixe Angical, também localizada no Tocantins, e Mascarenhas, no Espirito Santo – ficaram entre as 15 melhores do ranking.

No Ceará, a EDP é responsável pela UTE Pecém I, sediada no município de São Gonçalo do Amarante. Em operação desde 2012, a Usina gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da termelétrica foi responsável pela transformação do Ceará de estado importador em exportador da energia elétrica.

Sobre a UHE Luís Eduardo Magalhães

Com capacidade instalada de 902,5 MW, a UHE Lajeado entrou em operação em 2001 e está localizada a 60 quilômetros de Palmas, entre os municípios de Miracema e Lajeado. A Investco é a empresa responsável pela operação e manutenção Usina, certificada em três normas: ISO 9001, referente à qualidade dos serviços, ISO 140001, referente às suas práticas ambientais, e OHSAS 18001, relativa às práticas de saúde e segurança.

Sobre a EDP no Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes pelas suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

Enel e Abradee formalizam participação da Aneel no XXIII Sendi

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

03 de novembro de 2018

 

De 20 a 23 de novembro, Fortaleza recebe o XXIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica (SENDI), que pretende reunir cerca de cinco mil pessoas. Entre as principais participações durante o evento, está a de André Pepitone, que apresenta ao público o painel “Tendências de Adequação do setor Elétrico às novas exigências dos consumidores e como a Europa e América Latina se adequam às mudanças regulatórias”. Alguns dos temas relevantes a serem discutidos com os participantes são: Medidores Inteligentes, Digitalização de Ativos, Mobilidade Elétrica, Geração Distribuída e Cidades Inteligentes. As inscrições para os painéis podem ser realizadas no site: https://sendi.org.br/ ou através do aplicativo do evento.

Representantes da Enel Distribuição Ceará, que coordenam o evento, estiveram em Brasília, para formalizar a participação da ANEEL. Na ocasião, o Diretor de Geral da ANEEL, André Pepitone, recebeu o novo Country Manager da Enel Brasil, Nicola Cotugno, e o Presidente da Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, ao diretor de geral da ANEEL, em uma reunião. O encontro também teve participação do presidente da Associação Brasileira de Agências de Regulação, Fernando Alfredo R. Franco, também conselheiro da Agência Reguladora do Estado do Ceará (ARCE).

Além dos colaboradores das empresas de distribuição, o SENDI tem como público alvo pessoas que trabalham no sistema elétrico como um tudo, além de pesquisadores e estudantes. Os pilares do evento são sustentabilidade, gestão regulatória, digitalização/clientes e mobilidade elétrica.

Publicidade

Energia Solar desponta como nova opção para economizar e aumenta demanda pelo serviço no Estado

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

10 de agosto de 2017

A energia solar começou a ser impulsionada no Ceará em 2016, quando o Banco do Nordeste criou a linha de crédito FNE SOL, voltada especificamente para a energia fotovoltaica. Com isso, houve um incremento na demanda por energia solar no estado. O financiamento do banco possui taxas de juros subsidiadas e até um ano de carência para início do pagamento das parcelas. Alguns bancos privados também passaram a oferecer linhas de crédito para pessoa física.

De lá pra cá, o número de empresas que atuam com instalações desse tipo de energia, cuja matéria prima é a luz, tem aumentado, na contramão da crise econômica. Uma delas, a ENER, vem se mostrando pioneira em tudo que faz. Tanto que os primeirosregistros da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) de uma instalação no Ceará e em Fortaleza foram feitos por ela.

Estabelecida há seis anos em Fortaleza, já apresenta portfólio com vários clientes em nossa Capital, como Eletra Energy Solutions, Fametro, Construtop, residências no Alphaville Aquiraz, além de diversas usinas solares em comércios, nos municípios do Ipu, Guaraciaba do Norte, Crato, Quixadá, Aracati, Caucaia, dentre outros no interior do estado, onde a ENER possui grande alcance – tendo instalações em todas as regiões do Ceará.

“Para nós, o cliente é um parceiro com quem teremos um relacionamento duradouro, tendo em vista a durabilidade dos painéis solares, cuja a garantia de fábrica é de 25 anos”, diz George Bastos, um dos diretores da empresa. Segundo ele “é difícil separar o produto de quem o vende e quem adquire um gerador solar é “uma pessoa consciente da nova realidade sustentável do planeta”.

E quais seriam as vantagens em contratar este tipo de energia? Entre elas, está a vantagem para o consumidor em não pagar as taxas excessivas de energia.  Conforme ele, “em um curto período, o investidor terá todo o investimento da instalação de seus painéis de volta”.

José Emídio, outro diretor da empresa, lembra que o proprietário dessa fonte de energia limpa, além de consumidor, passa a ser um produtor, e deverá contabilizar créditos para quem produz – espécie de mercado de créditos de KW com a Enel – que poderão ser armazenados para serem trocados por até 60 meses. Ou seja, cada KW produzido nos painéis solares é trocado pelo KW consumido, podendo chegar até a zerar o consumo do local.

Ao contrário de outras fontes, a energia solar não polui durante seu uso. A poluição decorrente da fabricação dos equipamentos necessários para a construção dos painéis solares é totalmente controlável utilizando as formas de controlo existentes atualmente. “Desta forma, as empresas passam a contar com um excelente marketing positivo com o grande público”, pontua.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Energia Solar desponta como nova opção para economizar e aumenta demanda pelo serviço no Estado

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

10 de agosto de 2017

A energia solar começou a ser impulsionada no Ceará em 2016, quando o Banco do Nordeste criou a linha de crédito FNE SOL, voltada especificamente para a energia fotovoltaica. Com isso, houve um incremento na demanda por energia solar no estado. O financiamento do banco possui taxas de juros subsidiadas e até um ano de carência para início do pagamento das parcelas. Alguns bancos privados também passaram a oferecer linhas de crédito para pessoa física.

De lá pra cá, o número de empresas que atuam com instalações desse tipo de energia, cuja matéria prima é a luz, tem aumentado, na contramão da crise econômica. Uma delas, a ENER, vem se mostrando pioneira em tudo que faz. Tanto que os primeirosregistros da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) de uma instalação no Ceará e em Fortaleza foram feitos por ela.

Estabelecida há seis anos em Fortaleza, já apresenta portfólio com vários clientes em nossa Capital, como Eletra Energy Solutions, Fametro, Construtop, residências no Alphaville Aquiraz, além de diversas usinas solares em comércios, nos municípios do Ipu, Guaraciaba do Norte, Crato, Quixadá, Aracati, Caucaia, dentre outros no interior do estado, onde a ENER possui grande alcance – tendo instalações em todas as regiões do Ceará.

“Para nós, o cliente é um parceiro com quem teremos um relacionamento duradouro, tendo em vista a durabilidade dos painéis solares, cuja a garantia de fábrica é de 25 anos”, diz George Bastos, um dos diretores da empresa. Segundo ele “é difícil separar o produto de quem o vende e quem adquire um gerador solar é “uma pessoa consciente da nova realidade sustentável do planeta”.

E quais seriam as vantagens em contratar este tipo de energia? Entre elas, está a vantagem para o consumidor em não pagar as taxas excessivas de energia.  Conforme ele, “em um curto período, o investidor terá todo o investimento da instalação de seus painéis de volta”.

José Emídio, outro diretor da empresa, lembra que o proprietário dessa fonte de energia limpa, além de consumidor, passa a ser um produtor, e deverá contabilizar créditos para quem produz – espécie de mercado de créditos de KW com a Enel – que poderão ser armazenados para serem trocados por até 60 meses. Ou seja, cada KW produzido nos painéis solares é trocado pelo KW consumido, podendo chegar até a zerar o consumo do local.

Ao contrário de outras fontes, a energia solar não polui durante seu uso. A poluição decorrente da fabricação dos equipamentos necessários para a construção dos painéis solares é totalmente controlável utilizando as formas de controlo existentes atualmente. “Desta forma, as empresas passam a contar com um excelente marketing positivo com o grande público”, pontua.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti