Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Oi investe R$ 56,9 milhões no Ceará com foco na melhoria da qualidade dos serviços

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

14 de agosto de 2017

A Oi investiu mais de R$ 56,9 milhões no Ceará no primeiro semestre de 2017, o que representa crescimento de 6% em relação ao mesmo período de 2016. A operadora está priorizando investimentos em suas redes de telecomunicações como uma das estratégias do plano de transformação operacional da companhia para melhoria da qualidade do serviço aos clientes em todas as regiões. No mesmo período foram implantados 43 novos sites de telefonia móvel (2G 3G 4G) e outros 62 foram ampliados. Além disso, 3.112 novas portas para o serviço de banda larga fixa também foram implantadas. Sites são locais onde ficam as antenas que realizam a transmissão do sinal do serviço móvel. A Oi oferece cobertura 4G nas cidades de Caucaia, Crato, Fortaleza, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape e Sobral.

 

Do ponto de vista operacional, a Oi registrou mais um trimestre positivo. A companhia gerou EBITDA de rotina de R$ 1,6 bilhão com as operações brasileiras, com aumento anual de quase 11%. Na comparação com mesmo período de 2016, os volumes de adições brutas cresceram em todos os produtos residenciais:  10,4% na telefonia fixa, 16,6% na banda larga e 24,7% na TV. Esse desempenho se deve, em grande parte, ao sucesso das ofertas de serviços convergentes. No segmento de Mobilidade Pessoal, a receita de dados da companhia continua sendo o principal fator de crescimento da receita líquida de clientes móveis, e já corresponde a 57% de participação na receita total de clientes da Oi. O crescimento da receita de dados vem alavancando a receita do pós-pago e do controle, que registrou aumento anual de 4,1%, compensando a queda da receita do pré-pago.

 

Já no B2B, apesar do cenário macro desfavorável, a Oi segue investindo na qualidade dos serviços, melhorando seus indicadores operacionais e gerando impactos positivos na satisfação dos clientes. O indicador de tempo médio de instalação caiu, no ano, 3,6% para grandes empresas e 27,0% no PME;  enquanto o volume de contestações caiu 48,1% para grandes empresas e 37,6% no PME.

 

A Oi continua desenvolvendo seu processo de digitalização. Uma das iniciativas é o Técnico Virtual, lançado em maio, recurso acessado através do aplicativo Minha Oi que permite ao cliente identificar e resolver problemas na utilização do telefone fixo e da banda larga sem precisar falar com um atendente. Ao fim de junho, o Técnico Virtual havia evitado que 584 mil chamadas fossem feitas para o call center da operadora – este é o número acumulado do período de teste e dos dois meses de operação nacional. Sua taxa de resolução é de 45%. Até agora foram feitos 500 mil downloads.  Até o fim de junho, a Oi tinha 16.272 milhões de clientes no segmento residencial,  39.802 milhões na mobilidade e 6.501 no corporativo, além de 641 mil orelhões.

Publicidade aqui

Oi investe R$ 56,9 milhões no Ceará com foco na melhoria da qualidade dos serviços

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

14 de agosto de 2017

A Oi investiu mais de R$ 56,9 milhões no Ceará no primeiro semestre de 2017, o que representa crescimento de 6% em relação ao mesmo período de 2016. A operadora está priorizando investimentos em suas redes de telecomunicações como uma das estratégias do plano de transformação operacional da companhia para melhoria da qualidade do serviço aos clientes em todas as regiões. No mesmo período foram implantados 43 novos sites de telefonia móvel (2G 3G 4G) e outros 62 foram ampliados. Além disso, 3.112 novas portas para o serviço de banda larga fixa também foram implantadas. Sites são locais onde ficam as antenas que realizam a transmissão do sinal do serviço móvel. A Oi oferece cobertura 4G nas cidades de Caucaia, Crato, Fortaleza, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape e Sobral.

 

Do ponto de vista operacional, a Oi registrou mais um trimestre positivo. A companhia gerou EBITDA de rotina de R$ 1,6 bilhão com as operações brasileiras, com aumento anual de quase 11%. Na comparação com mesmo período de 2016, os volumes de adições brutas cresceram em todos os produtos residenciais:  10,4% na telefonia fixa, 16,6% na banda larga e 24,7% na TV. Esse desempenho se deve, em grande parte, ao sucesso das ofertas de serviços convergentes. No segmento de Mobilidade Pessoal, a receita de dados da companhia continua sendo o principal fator de crescimento da receita líquida de clientes móveis, e já corresponde a 57% de participação na receita total de clientes da Oi. O crescimento da receita de dados vem alavancando a receita do pós-pago e do controle, que registrou aumento anual de 4,1%, compensando a queda da receita do pré-pago.

 

Já no B2B, apesar do cenário macro desfavorável, a Oi segue investindo na qualidade dos serviços, melhorando seus indicadores operacionais e gerando impactos positivos na satisfação dos clientes. O indicador de tempo médio de instalação caiu, no ano, 3,6% para grandes empresas e 27,0% no PME;  enquanto o volume de contestações caiu 48,1% para grandes empresas e 37,6% no PME.

 

A Oi continua desenvolvendo seu processo de digitalização. Uma das iniciativas é o Técnico Virtual, lançado em maio, recurso acessado através do aplicativo Minha Oi que permite ao cliente identificar e resolver problemas na utilização do telefone fixo e da banda larga sem precisar falar com um atendente. Ao fim de junho, o Técnico Virtual havia evitado que 584 mil chamadas fossem feitas para o call center da operadora – este é o número acumulado do período de teste e dos dois meses de operação nacional. Sua taxa de resolução é de 45%. Até agora foram feitos 500 mil downloads.  Até o fim de junho, a Oi tinha 16.272 milhões de clientes no segmento residencial,  39.802 milhões na mobilidade e 6.501 no corporativo, além de 641 mil orelhões.