poluição atmosférica Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

poluição atmosférica

Dia Mundial do Meio Ambiente – 2019 – Poluição do Ar

Por Nájila Cabral em Impacto Ambiental, Meio Ambiente

05 de junho de 2019

    Hoje é uma data comemorativa em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente. Essa data representa um importante momento para toda a sociedade refletir sobre suas ações e as consequências destas para o meio ambiente e para as futuras gerações.

     A temática deste ano de 2019 para o Dia Mundial sobre Meio Ambiente é Poluição do Ar (Air Pollution). A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório, recentemente, com dados de 2018, em que afirma que 97% das cidades de baixa e média renda com mais de 100.000 habitantes não atendem às diretrizes de qualidade do ar, sugeridas pela OMS. Esse banco de informações a que o relatório se refere possui dados de 4.300 cidades de 108 países.

     A Organização Mundial da Saúde alerta, também, para o fato de que a reduzida qualidade do ar aumenta o risco de acidente vascular cerebral, doenças cardíacas câncer de pulmão e doenças respiratórias crônicas e agudas, incluindo asma.

    Osseiran e Lindmeier (2018) informam que a poluição atmosférica causou cerca de 4,2 milhões de mortes em 2016, enquanto a poluição do ar por cozimento com combustíveis e tecnologias poluentes causou 3,8 milhões de mortes no mesmo período.

     Importante, então, atentarmos para a manutenção da qualidade do ar em ambientes externos (outdoor) e internos (indoor), para a consequente qualidade de vida.

Fonte: OMS, 2019; Osseiran & Lindmeier, 2018

Publicidade

Poluição atmosférica e risco de incidência de diabetes

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Saúde Ambiental

09 de julho de 2018

    Esta semana, pesquisadores (Bowe et al, 2018) publicaram artigo científico correlacionando a poluição atmosférica (carga global de 2016) e a incidência de risco de diabetes.

      Os autores analisaram o poluição do ar e sua associação com a saúde humana, mais especificamente o  risco de diabetes atribuível à poluição por  Material Particulado (MP) 2,5µ.

      Foram 1.729.108 participantes acompanhados na pesquisa, por uma média de 5 a 8 anos. Foi usada a metodologia Global Burden of Disease para estimar a carga atribuível à doença (ABD) e os anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs) de diabetes atribuíveis à poluição atmosférica (concernente ao MP2,5), em todo o mundo (194 países).

        Os resultados apontam que a exposição ao MP2,5 aumentou substancialmente o risco de diabetes, acima de 2,4 g/m3 e, em seguida, exibiu um aumento mais moderado em concentrações acima de 10 mg/m3.

    Os pesquisadores advertem que, no ano de 2016, a contaminação atmosférica contribuiu para cerca de 3,2 milhões dos casos de diabetes; cerca de 8,2 milhões para DALYs causados ​​por diabetes e 206 mortes por diabetes; todos atribuíveis à exposição ao MP2,5.

    Advertem que o número global de diabetes atribuível à poluição atmosférica por MP2,5 é significativo e que, portanto, a redução à exposição traz benefícios substanciais para a saúde.

    Os interessados em ler o artigo, na íntegra, cliquem aqui.

Fonte: BOWE, Benjamim; XIE, Yan; LI, Tingting; YAN, Yan; XIAN, Hong; AL-ALY, Ziyad, 2018.

 

Publicidade

Poluição e Saúde

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente, Saúde Ambiental

04 de agosto de 2017

     As ações antrópicas podem causar poluição, o que significa dizer que determinadas substâncias estão acima de um padrão de qualidade preestabelecido por normas. E as diferentes formas de poluição afetam diretamente a qualidade ambiental e, consequentemente, a qualidade de vida dos cidadãos.

    É necessário um esforço conjunto entre a sociedade e os governos, em seus diferentes níveis, para que o meio ambiente esteja continuamente dentro dos padrões de qualidade ambiental requerido para o território, padrões estes que garantem que a exposição das potenciais substâncias tóxicas às pessoas não terão efeitos adversos ou maléficos à saúde.

    As Nações Unidas convidam todos os cidadãos a exercerem seu papel proativo nesse esforço, na tentativa de superarmos a poluição, considerando desde a minimização dos desperdícios, passando pela racionalização do uso dos recursos naturais e, também, no necessário tratamento de resíduos e recuperação dos recursos ambientais.

    A Figura tem algumas informações interessantes sobre os custos sociais, econômicos e ambientais dos diferentes tipos de poluição (do ar, da água e do solo).

Fonte: UN, 2017

Publicidade

7 milhões de pessoas morrem, no mundo, em virtude da poluição do ar

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Saúde Ambiental

26 de Março de 2014

  As novas estimativas do último relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde), divulgado ontem, dia 25 de março, relatam que em 2012 cerca de 7 milhões de pessoas morreram em consequência da exposição à poluição. Conforme a OMS, isso significa dizer que uma em cada oito do total de mortes está relacionada à poluição do ar. Reduzir a poluição do ar poderia salvar, portanto, milhares de vidas.

    Conforme o Relatório da OMS, as novas estimativas têm por base não apenas o conhecimento sobre as doenças causadas pela poluição do ar, mas também sobre uma melhor avaliação da exposição humana aos poluentes do ar, considerando o uso de medidas mais precisas e de novas tecnologias. Com isso, os cientistas puderam fazer uma análise mais detalhada sobre os riscos para a saúde, a partir de uma distribuição demográfica mais ampla, que inclui áreas rurais, bem como urbanas.

     O Relatório também traz a discriminação de mortes atribuídas a tipos de doenças, considerando que a maioria das mortes por poluição do ar está vinculada a doenças cardiovasculares, conforme o que se segue:

40% – doença isquêmica do coração;

40% – acidente vascular cerebral;

11% – doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

6% – câncer de pulmão;

3% – infecções respiratórias agudas em crianças.

Aos interessados em saber mais, cliquem aqui.

Fonte: WHO

Publicidade

Poluição ambiental na China e aterrissagem “às cegas”

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

14 de dezembro de 2013

     A agência de notícia EcoSítio divulgou ontem o alerta para o perigo nas aterrissagens na China. A elevada contaminação que afeta a China obrigará a todos os pilotos dos voos comerciais que circulam entre Pequim e os aeroportos mais concorridos daquele país a receberem treinamento especial para poder aterrissar “às cegas”.

Fonte: EcoSítio

Fonte: EcoSítio

     O Jornal “Oriental Morning Post” comunicou que  a Administração da Aviação Civil da China deve requerer aos pilotos de vôos comerciais, inclusive de aeronoves pequenas, um certificado que os creditem a este tipo de aterrissagem, até janeiro do próximo ano (2014).

    Atualmente, apenas os pilotos de aeronaves maiores, a exemplo do Airbus 330 ou o Boeing 767 estão obrigados a receber este tipo de treinamento, conhecido como “aterrissagem cega de categoria 2”. A partir do cumprimento dessa obrigatoriedade, os pilotos poderão realizar pousos com visibilidade inferior a 400 metros de distância.

Fonte: EcoSítio.

Publicidade

China volta a ter níveis elevados de poluição

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

01 de Março de 2013

     Pela segunda vez esta semana, a poluição em Pequim e seus arredores voltou a apresentar níveis perigosos, de acordo com as autoridades ambientais de Pequim. A poluição tem sido agravada por uma tempestade de areia da Mongólia Interior.

     A concentração de partículas de diâmetro menor do que os 2,5 micrômetros (PM2, 5), considerado especialmente perigoso por causa de seu potencial para se infiltrar nos pulmões ou na corrente sanguínea, ultrapassou 400 microgramas por metro cúbico em medições do Centro de Controle Ambiental de Pequim.

poluiçao_Pequim_Informe21

Fonte: Informe 21

     Segundo medições efetuadas na Embaixada dos EUA na capital chinesa, a concentração subiu, esta manhã, acima dos 500 microgramas e a má qualidade do ar atingiu os 516 pontos acima dos 500 considerados como o máximo da escala .

    A má visibilidade levou ao cancelamento de 14 vôos no aeroporto de Pequim, 10 deles internacionais.

     A intensa poluição do ar registrada nas principais cidades da China, em janeiro e fevereiro de 2013, aumentou a preocupação com a situação ambiental e aumentou, também, a pressão sobre Pequim para acelerar seus esforços no sentido de reduzir a poluição, incluindo medidas econômicas, a exemplo da instituição de imposto sobre as emissões de dióxido de carbono.

Fonte: Informe 21 e Eco-sítio

Publicidade

Poluição Atmosférica e qualidade do ar

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de outubro de 2012

     O Laboratório de Energias Renováveis e Conforto Ambiental, coordenado pelo Prof. Adeildo Silva, recebe dia 24/10 para proferir palestra no Instituto Federal do Ceará (IFCE) Campus Fortaleza, o Professor Carlos Pedro Ferreira, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Portugal.

Foto: Arquivo pessoal

    A palestra intitulada Poluição Atmosférica e qualidade do ar: monitoramento, modelação e controle deve ampliar o debate a respeito da relevância dos sistemas de caracterização da emissão de poluentes atmosféricos na indústria e em edifícios, no controle dos níveis de qualidade do ar no contexto global.

    O prof. Carlos Ferreira é Engenheiro do Ambiente formado pela Universidade de Aveiro (Portugal), Diretor Operacional da SondarLab Laboratórios da Qualidade do Ar, e Formador do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) na vertente RSECE-QAI.

     Os interessados em participar devem enviar e-mail para ricardo.teles@ua.pt, até 23/10. É necessário fazer inscrição. O local da palestra é Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Avenida Treze de Maio, 2081; na sala 3717: Pós-graduação Mestrado em Gestão e Tecnologia Ambiental. Horário: Quarta-feira, 24 de Outubro, das 14:00h às 16:00h.

Publicidade

Poluição Atmosférica e qualidade do ar

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

21 de outubro de 2012

     O Laboratório de Energias Renováveis e Conforto Ambiental, coordenado pelo Prof. Adeildo Silva, recebe dia 24/10 para proferir palestra no Instituto Federal do Ceará (IFCE) Campus Fortaleza, o Professor Carlos Pedro Ferreira, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Portugal.

Foto: Arquivo pessoal

    A palestra intitulada Poluição Atmosférica e qualidade do ar: monitoramento, modelação e controle deve ampliar o debate a respeito da relevância dos sistemas de caracterização da emissão de poluentes atmosféricos na indústria e em edifícios, no controle dos níveis de qualidade do ar no contexto global.

    O prof. Carlos Ferreira é Engenheiro do Ambiente formado pela Universidade de Aveiro (Portugal), Diretor Operacional da SondarLab Laboratórios da Qualidade do Ar, e Formador do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) na vertente RSECE-QAI.

     Os interessados em participar devem enviar e-mail para ricardo.teles@ua.pt, até 23/10. É necessário fazer inscrição. O local da palestra é Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Avenida Treze de Maio, 2081; na sala 3717: Pós-graduação Mestrado em Gestão e Tecnologia Ambiental. Horário: Quarta-feira, 24 de Outubro, das 14:00h às 16:00h.