Vulnerabilidade ambiental para o Bioma Caatinga - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Vulnerabilidade ambiental para o Bioma Caatinga

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

12 de setembro de 2013

     O Primeiro Relatório de Avaliação Nacional, do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, traz informações valiosas para o enfrentamento dos novos desafios para este século.

      O Sumário Executivo, divulgado no último dia 09 de setembro, informa que em virtude do alto grau de vulnerabilidade socioambiental das regiões norte e nordeste do Brasil, as projeções mais preocupantes para o final do século são para os biomas Amazônia e Caatinga. Ambas apresentam tendências de aquecimento na temperatura do ar e de diminuição da chuva maiores do que a variação média global.

     Alertam os pesquisadores do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas que a despeito das incertezas (dos cenários de emissões de gases de efeito estufa; da variabilidade natural do sistema climático e dos modelos), as projeções sobre a análise consistente das mudanças climáticas futuras ao longo do século XXI são plausíveis e necessárias.

     Conforme o RAN1 (Primeiro Relatório de Avaliação Nacional), “as projeções feitas por Marengo et al. (2009; 2010), mostram uma redução no valor total e aumento da variabilidade nos padrões de precipitação para o bioma Caatinga; além de um aumento no número de dias secos e aumento da temperatura do ar”.

      O Relatório ainda adverte sobre a produção de alimento que também seria seriamente afetada e o aumento na variabilidade das precipitações afetaria também a pecuária.

      Continua o relatório a respeito do Bioma Caatinga, “sua vegetação natural é relativamente bem adaptada à falta de água e altas temperaturas. No entanto, não se conhece os limites deste bioma tornando-se extremamente importante que estudos de longo prazo sobre o funcionamento da Caatinga sob condições extremas sejam realizados para a futura adaptação deste bioma às mudanças globais que se impõe no futuro”.

     Portanto, os resultados do RAN1 se constituem em informações inovadoras e valiosas tanto para fins de mitigação de impactos e vulnerabilidade junto à sociedade que habita os diferentes biomas brasileiros quanto para aperfeiçoar o planejamento de ações de adaptação e minimização dos efeitos das mudanças climáticas.

      E aí? Como faremos? Estamos preparados para enfrentar as mudanças climáticas? Temos políticas públicas adequadas e suficientes para este enfrentamento?

     A sociedade civil precisa, urgentemente, dessas informações. Precisamos estar conscientes de quais são as projeções e os cenários que estão sendo postos. Os modelos e os resultados do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas são confiáveis; assim, prezados leitores do Blog Verde, é a partir desses resultados que devemos encontrar soluções viáveis para permitir o desenvolvimento socioeconômico em consonância com qualidade ambiental, em horizonte temporal.

 Fontes: Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (GT1- Bases Científicas das Mudanças Climáticas), 2013

           Marengo, J.A., R. Jones, L.M. Alves, e M.C. Valverde, 2009: Future change of temperature and precipitation extremes in South America as derived from the PRECIS regional climate modeling system. Int. J. Climatol., 29(15), 2197-2352, doi:10.1002/joc.1863.

Marengo, J.A., et al., 2010: Future change of climate in South America in the late twenty-first century: intercomparison of scenarios from three regional climate models. Clim. Dyn., 35(6), 1073 – 1097.

Publicidade aqui

Vulnerabilidade ambiental para o Bioma Caatinga

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

12 de setembro de 2013

     O Primeiro Relatório de Avaliação Nacional, do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, traz informações valiosas para o enfrentamento dos novos desafios para este século.

      O Sumário Executivo, divulgado no último dia 09 de setembro, informa que em virtude do alto grau de vulnerabilidade socioambiental das regiões norte e nordeste do Brasil, as projeções mais preocupantes para o final do século são para os biomas Amazônia e Caatinga. Ambas apresentam tendências de aquecimento na temperatura do ar e de diminuição da chuva maiores do que a variação média global.

     Alertam os pesquisadores do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas que a despeito das incertezas (dos cenários de emissões de gases de efeito estufa; da variabilidade natural do sistema climático e dos modelos), as projeções sobre a análise consistente das mudanças climáticas futuras ao longo do século XXI são plausíveis e necessárias.

     Conforme o RAN1 (Primeiro Relatório de Avaliação Nacional), “as projeções feitas por Marengo et al. (2009; 2010), mostram uma redução no valor total e aumento da variabilidade nos padrões de precipitação para o bioma Caatinga; além de um aumento no número de dias secos e aumento da temperatura do ar”.

      O Relatório ainda adverte sobre a produção de alimento que também seria seriamente afetada e o aumento na variabilidade das precipitações afetaria também a pecuária.

      Continua o relatório a respeito do Bioma Caatinga, “sua vegetação natural é relativamente bem adaptada à falta de água e altas temperaturas. No entanto, não se conhece os limites deste bioma tornando-se extremamente importante que estudos de longo prazo sobre o funcionamento da Caatinga sob condições extremas sejam realizados para a futura adaptação deste bioma às mudanças globais que se impõe no futuro”.

     Portanto, os resultados do RAN1 se constituem em informações inovadoras e valiosas tanto para fins de mitigação de impactos e vulnerabilidade junto à sociedade que habita os diferentes biomas brasileiros quanto para aperfeiçoar o planejamento de ações de adaptação e minimização dos efeitos das mudanças climáticas.

      E aí? Como faremos? Estamos preparados para enfrentar as mudanças climáticas? Temos políticas públicas adequadas e suficientes para este enfrentamento?

     A sociedade civil precisa, urgentemente, dessas informações. Precisamos estar conscientes de quais são as projeções e os cenários que estão sendo postos. Os modelos e os resultados do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas são confiáveis; assim, prezados leitores do Blog Verde, é a partir desses resultados que devemos encontrar soluções viáveis para permitir o desenvolvimento socioeconômico em consonância com qualidade ambiental, em horizonte temporal.

 Fontes: Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (GT1- Bases Científicas das Mudanças Climáticas), 2013

           Marengo, J.A., R. Jones, L.M. Alves, e M.C. Valverde, 2009: Future change of temperature and precipitation extremes in South America as derived from the PRECIS regional climate modeling system. Int. J. Climatol., 29(15), 2197-2352, doi:10.1002/joc.1863.

Marengo, J.A., et al., 2010: Future change of climate in South America in the late twenty-first century: intercomparison of scenarios from three regional climate models. Clim. Dyn., 35(6), 1073 – 1097.