Reator em Fukushima ainda pode matar em uma hora de exposição - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Reator em Fukushima ainda pode matar em uma hora de exposição

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente

14 de outubro de 2012

     A Agência Econotícias e a televisão pública NHK noticiou, em 11/10, que as últimas provas realizadas no Reator Um revelaram níveis elevados de radioatividade em alguns pontos da caixa de contenção, devido à corrosão em algumas barras de combustíveis que se fundiram, após o terremoto de 11/03/2011.

     A Companhia Elétrica de Tokio (TEPCO) anunciou que detectou níveis de radioatividade de 11 sierverts por hora no Reator n. 01 da Central Nuclear de Fukushima -1, que poderia ser mortal com 40 minutos de exposição.

    Vejam que já tem 1 ano e 7 meses do desastre, mas o risco às consequências adversas ao meio ambiente e à saúde humana permanecem na natureza em níveis bastante elevados.

    Importante que se tenham fontes de energia para atender à demanda crescente de toda a sociedade. No entanto salutar, oportuno e imprescindível que sejam fontes seguras. Que quaisquer fontes de energia, em suas fases: inicial de projeto, de implantação, operação e desativação possuam informações suficientes para mostrar à sociedade civil e ao poder público qual o cenário potencial, quais as consequências e quais os riscos.

Fonte: Econotícias

Publicidade aqui

Reator em Fukushima ainda pode matar em uma hora de exposição

Por Nájila Cabral em Meio Ambiente

14 de outubro de 2012

     A Agência Econotícias e a televisão pública NHK noticiou, em 11/10, que as últimas provas realizadas no Reator Um revelaram níveis elevados de radioatividade em alguns pontos da caixa de contenção, devido à corrosão em algumas barras de combustíveis que se fundiram, após o terremoto de 11/03/2011.

     A Companhia Elétrica de Tokio (TEPCO) anunciou que detectou níveis de radioatividade de 11 sierverts por hora no Reator n. 01 da Central Nuclear de Fukushima -1, que poderia ser mortal com 40 minutos de exposição.

    Vejam que já tem 1 ano e 7 meses do desastre, mas o risco às consequências adversas ao meio ambiente e à saúde humana permanecem na natureza em níveis bastante elevados.

    Importante que se tenham fontes de energia para atender à demanda crescente de toda a sociedade. No entanto salutar, oportuno e imprescindível que sejam fontes seguras. Que quaisquer fontes de energia, em suas fases: inicial de projeto, de implantação, operação e desativação possuam informações suficientes para mostrar à sociedade civil e ao poder público qual o cenário potencial, quais as consequências e quais os riscos.

Fonte: Econotícias