Um pouquinho mais de saúde ambiental nos governos locais - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

Um pouquinho mais de saúde ambiental nos governos locais

Por Nájila Cabral em Governos Locais, Legislação Ambiental, Saúde Ambiental

08 de agosto de 2012

 

A ausência, e também a ineficiência do saneamento ambiental, tem reflexo direto na saúde e no bem-estar das pessoas, nos locais em que escolheram viver. Um dos indicadores importantes para mensurar esta área de conhecimento é o percentual de pessoas que vivem em domicílio com banheiro e água encanada.

Fonte: IPECE, 2010

A figura ao lado traz o cenário cearense nos anos 1991 (a esquerda) e 2000 (a direita) em relação ao percentual de pessoas que vivem em domicílio urbano com água encanada e banheiro.

Apesar do pequeno avanço em relação a 1991, o cenário de 2000 é um pouco mais animador;  no entanto, ainda preocupante, uma vez que 74 municípios se encontravam com percentual de 35 a 50%, e 67 municípios apresentavam percentual ainda pior: entre 0 a 35%. Portanto, muito ainda há de se investir em ações estratégicas de saneamento básico, cumprindo o disposto na Lei 11.445/2007 (a Política Nacional de Saneamento Básico), concernente à água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos.

Neste momento tão interessante do ponto de vista político, importante ficarmos alertas para cobrarmos, a quem de direito for, adequados planos, programas e projetos para os governos locais. Podem ter certeza de que, mais adiante, seremos cobrados por nossos filhos e netos, os motivos pelos quais fizemos determinadas escolhas.

 

Publicidade aqui

Um pouquinho mais de saúde ambiental nos governos locais

Por Nájila Cabral em Governos Locais, Legislação Ambiental, Saúde Ambiental

08 de agosto de 2012

 

A ausência, e também a ineficiência do saneamento ambiental, tem reflexo direto na saúde e no bem-estar das pessoas, nos locais em que escolheram viver. Um dos indicadores importantes para mensurar esta área de conhecimento é o percentual de pessoas que vivem em domicílio com banheiro e água encanada.

Fonte: IPECE, 2010

A figura ao lado traz o cenário cearense nos anos 1991 (a esquerda) e 2000 (a direita) em relação ao percentual de pessoas que vivem em domicílio urbano com água encanada e banheiro.

Apesar do pequeno avanço em relação a 1991, o cenário de 2000 é um pouco mais animador;  no entanto, ainda preocupante, uma vez que 74 municípios se encontravam com percentual de 35 a 50%, e 67 municípios apresentavam percentual ainda pior: entre 0 a 35%. Portanto, muito ainda há de se investir em ações estratégicas de saneamento básico, cumprindo o disposto na Lei 11.445/2007 (a Política Nacional de Saneamento Básico), concernente à água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos.

Neste momento tão interessante do ponto de vista político, importante ficarmos alertas para cobrarmos, a quem de direito for, adequados planos, programas e projetos para os governos locais. Podem ter certeza de que, mais adiante, seremos cobrados por nossos filhos e netos, os motivos pelos quais fizemos determinadas escolhas.